TELECOM

Ministério Público do Rio tenta derrubar acordo de credores da Oi

Luís Osvaldo Grossmann ... 01/02/2018 ... Convergência Digital

O Ministério Público do Rio de Janeiro apresentou recurso contra a decisão da 7ª Vara Empresarial de homologar o resultado da assembleia de credores da Oi, aprovando o plano de recuperação lá apresentado. Para o MPRJ, o tratamento dado à dívida com a Anatel não tem amparo legal. Além disso, sustenta que a proposta precisaria ter sido aprovada antes pelos acionistas da operadora. 

“Não se pode ignorar que a Lei 13.494/17 tenha previsto tratamento completamente diverso no que diz respeito à forma de pagamento dos mesmos. Enquanto não editado outro diploma legal para regular a matéria, é essa a norma que deve nortear a forma de correção e amortização dos débitos e não o plano aprovado na AGC”, sustenta o pedido do MPRJ. 

Vale lembrar que a própria agência votou contrariamente à aprovação do plano, exatamente por entender que a legislação não permite o parcelamento dessa dívida da forma como prevista no plano de recuperação judicial. O argumento, no entanto, foi diferentes vezes descartado pelo Juízo da 7ª Vara Empresarial, onde corre a recuperação da Oi. 

Sustenta ainda o MPRJ que o plano precisaria passar pelo crivo de uma assembleia geral de acionistas da Oi. Para o Ministério Público, a Oi é empresa com ações na bolsa de valores e deve respeitar regras da CVM e da Lei das S/A (6.404/76). 

“Não seria desejável que o desatendimento à LSA desse ensejo a futuras querelas em torno dos direitos políticos conferidos por ações eventualmente não emitidas regularmente, ou cuja emissão foi fruto de deliberação que se repute nula. No caso de não se obter a devida formalização e concretização das medidas aprovadas pela AGC por parte dos acionistas ter-se-á hipótese de descumprimento do plano.”


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BDNES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G