Home - Convergência Digital

Qualcomm vai fabricar chips para IoT e smartphones no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/02/2018

A americana Qualcomm e a taiwanesa USI anunciaram nesta segunda-feira, 05/02, a criação de uma joint venture para construir na região de Campinas (SP) uma fábrica e um centro de desenvolvimento de semicondutores, voltada a Internet das Coisas (IoT) e smartphones. A fabricante norte-americana também anunciou que pretende criar um centro, em parceria com universidades, para que municípios possam discutir como implantar soluções de cidades inteligentes.

A previsão é que o desenvolvimento de componentes para smartphones comece já em março, reportou a a Qualcomm. Já a fabricação dos semicondutores deve demorar um pouco mais. A área em que a fábrica ficará na região de Campinas ainda não está definida, mas a estimativa é que a planta comece a operar em 2020. Essa será a primeira unidade na América Latina da USI, um braço da taiwanesa AES. O investimento será de US$ 200 milhões em cinco anos. As duas empresas esperam criar entre 800 e 1 mil vagas de emprego.

“Os semicondutores dentro dos aparelhos eletrônicos têm um valor importante, e o Brasil não participava dessa cadeia”, diz Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm para América Latina. De acordo ainda com a Qualcomm, o produto a ser feito pela fábrica é uma novidade no mundo. Ele é um módulo que contém toda a eletrônica presente em um smartphone, pois já agrega em um só componente mais de 400 elementos eletrônicos que executam funções diferentes de um smartphone. Entre as atividades executadas pelo chip, há desde a identificação da radiofrequência até as capacidades de GPS.

“Na nossa indústria, todo mundo que apostou contra a integração perdeu”, diz Cristiano Amon, CEO da Qualcomm. “Em vez de copiar o que vem sendo feito na Ásia, a gente resolveu inovar. Talvez, com isso, o Brasil possa vir a ser um polo”, diz Steinhauser.

O módulo vai atender às empresas instaladas no Brasil, mas pode abastecer outros mercados. Segundo o presidente da Qualcomm no Brasil não ter capacidade instalada para fabricar chips, faz com que o Brasil gaste US$ 20 bilhões importando esses componentes de fora. Além disso, limita a formação de profissionais. “Não temos mão de obra qualificada”, lamentou Steinhauser.

Quando o acordo entre governo federal e as empresas foi firmado em março de 2017, o ministro de Ciência, Tecnologia e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, comentou que parte dos US$ 200 milhões investidos seria financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os valores do empréstimo e do investimento individual de cada empresa não foram detalhados.

Segundo ainda Cristiano Amon, a tecnologia que a Qualcomm vai produzir no Brasil colocará o País em detaque na área de Internet das Coisas, 4G e 5G. “A gente compara a transformação do 4G para o 5G como aquela que a sociedade enfrentou com a chegada da eletricidade”, completou Amon.

*Com informação do Portal G1.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/08/2018
Brasil não pode ser um mero importador de Tecnologia em Internet das Coisas

06/08/2018
Fabricantes tornam Internet das Coisas um ambiente sem segurança

23/07/2018
Consumidor também é responsável pela segurança e privacidade em IoT

17/07/2018
Para Associação de Internet das Coisas, Lei de Dados Pessoais termina com a 'terra sem lei' no Brasil

12/07/2018
Avança projeto que isenta Internet das Coisas do pagamento de Fistel

29/06/2018
Governo cria incentivo específico para fabricação de IoT no Brasil

19/06/2018
FINEP lança ação de fomento de R$ 1,5 bilhão para financiar programas de IoT

19/06/2018
TIM ativa rede comercial de Internet das Coisas em 700 Mhz

18/06/2018
Gastos globais com internet das coisas crescerão acima dos 13% até 2022

14/06/2018
BNDES lança chamada de R$ 20 milhões para projetos de IoT

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site