Home - Convergência Digital

Qualcomm vai fabricar chips para IoT e smartphones no Brasil

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 05/02/2018

A americana Qualcomm e a taiwanesa USI anunciaram nesta segunda-feira, 05/02, a criação de uma joint venture para construir na região de Campinas (SP) uma fábrica e um centro de desenvolvimento de semicondutores, voltada a Internet das Coisas (IoT) e smartphones. A fabricante norte-americana também anunciou que pretende criar um centro, em parceria com universidades, para que municípios possam discutir como implantar soluções de cidades inteligentes.

A previsão é que o desenvolvimento de componentes para smartphones comece já em março, reportou a a Qualcomm. Já a fabricação dos semicondutores deve demorar um pouco mais. A área em que a fábrica ficará na região de Campinas ainda não está definida, mas a estimativa é que a planta comece a operar em 2020. Essa será a primeira unidade na América Latina da USI, um braço da taiwanesa AES. O investimento será de US$ 200 milhões em cinco anos. As duas empresas esperam criar entre 800 e 1 mil vagas de emprego.

“Os semicondutores dentro dos aparelhos eletrônicos têm um valor importante, e o Brasil não participava dessa cadeia”, diz Rafael Steinhauser, presidente da Qualcomm para América Latina. De acordo ainda com a Qualcomm, o produto a ser feito pela fábrica é uma novidade no mundo. Ele é um módulo que contém toda a eletrônica presente em um smartphone, pois já agrega em um só componente mais de 400 elementos eletrônicos que executam funções diferentes de um smartphone. Entre as atividades executadas pelo chip, há desde a identificação da radiofrequência até as capacidades de GPS.

“Na nossa indústria, todo mundo que apostou contra a integração perdeu”, diz Cristiano Amon, CEO da Qualcomm. “Em vez de copiar o que vem sendo feito na Ásia, a gente resolveu inovar. Talvez, com isso, o Brasil possa vir a ser um polo”, diz Steinhauser.

O módulo vai atender às empresas instaladas no Brasil, mas pode abastecer outros mercados. Segundo o presidente da Qualcomm no Brasil não ter capacidade instalada para fabricar chips, faz com que o Brasil gaste US$ 20 bilhões importando esses componentes de fora. Além disso, limita a formação de profissionais. “Não temos mão de obra qualificada”, lamentou Steinhauser.

Quando o acordo entre governo federal e as empresas foi firmado em março de 2017, o ministro de Ciência, Tecnologia e Comunicações (MCTIC), Gilberto Kassab, comentou que parte dos US$ 200 milhões investidos seria financiada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os valores do empréstimo e do investimento individual de cada empresa não foram detalhados.

Segundo ainda Cristiano Amon, a tecnologia que a Qualcomm vai produzir no Brasil colocará o País em detaque na área de Internet das Coisas, 4G e 5G. “A gente compara a transformação do 4G para o 5G como aquela que a sociedade enfrentou com a chegada da eletricidade”, completou Amon.

*Com informação do Portal G1.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

17/05/2018
Mais que questões técnicas, IoT precisa resolver questões de ordem social, econômica e legal

02/05/2018
American Tower cria centro nacional de desenvolvimento de IoT para suportar rede LoRa

02/05/2018
Brasil terá uma rede de Internet das Coisas da American Tower

26/04/2018
Mirai, que ataca Internet das Coisas, avança de forma explosiva no Brasil

13/04/2018
Dados em excesso vão provocar abandono das aplicações de Internet das Coisas

12/04/2018
Chips nativos para 4K e robôs chegam à Internet das Coisas

10/04/2018
Construção civil projeta uso de Internet das Coisas para recuperar mercado

06/04/2018
Oi usa sensores de IoT para gestão de evento no Rio de Janeiro

27/03/2018
Ataques elevam investimentos em segurança de IoT para US$ 1,5 bilhão

22/03/2018
Coleta de dados por hackers não reduz interesse em IoT

Destaques
Destaques

Brasileiro cada vez mais assiste TV conectado à Internet

Pesquisa mostra que 46% dos entrevistados disseram que 'sempre' navegam na Rede enquanto assistem televisão. O smartphone é o dispositivo mais usado para navegar na Internet.

Celular é o meio mais usado para as transações bancárias

Pesquisa Febraban mostra que no mobile banking, as transações pularam de 18,6 bilhões para 25,6 bilhões, um incremento de quase 40%. Já as feitas pela Internet registraram pequeno crescimento passando de 15,5 bilhões para 15,8 bilhões em 2017.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A grande oportunidade da IA no negócio do carro conectado

Por: Eduardo Prado *

Os dados do seu carro vão valer ouro e não falta muito para isso, antecipa o consultor Eduardo Prado, em artigo exclusivo ao portal Convergência Digital.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site