GOVERNO

Nova identidade usa segurança via QR Code desenvolvida pelo Serpro

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/02/2018 ... Convergência Digital

A nova carteira de identidade do Brasil será pelo celular, mas o público geral só deve ter acesso a partir de julho, se correr como esperado o cronograma do Tribunal Superior Eleitoral, que coordena a empreitada. O sistema que dá suporte ao novo documento, porém, já está de pé. Desenvolvido pelo Serpro, ele já incorpora o que funciona como a segurança do Documento Nacional de Identificação: um sistema por QR Code criptografado capaz de reconhecer se a documentação é legítima ou foi adulterada. 

A primeira trava de segurança é uma senha de seis dígitos que precisa ser inserida a cada uso do DNI. Mas como explica o Serpro, mesmo que haja a quebra dessa senha, o sistema foi projetado para que qualquer modificação do documento não seja reconhecida pelo QR Code, que é um código bidimensional lido como uma fotografia. 

“Vamos supor que eventualmente houve um roubo, e quem roubou quer usar o documento para fazer fraude. Mesmo se conseguir quebrar a senha ele vai ter acesso as informações do DNI, mas não vai conseguir alterar as informações do documento. Se algo for alterado, o QR Code fica corrompido e não vai bater com as informações. Ou seja, se hackear, trocar nome, trocar foto, não consegue violar o QR Code criptografado. Os dados que vão aparecer serão os corretos, não vai bater com o documento fraudado”, explica o diretor de operações do Serpro, Iran Porto Júnior. 

No caso de perda ou furto do celular, a emissão de um novo DNI automaticamente anula aquele que estava armazenado no aparelho perdido. Além disso, o sistema possui uma segunda camada de segurança, a partir de uma marca d’água digital que periodicamente atualiza a data e hora de uso do documento. “Imagine que estou aqui no Serpro, você em outra empresa e quero mandar o documento, mas não presencialmente. Posso compartilhar o DNI e você tem como verificar se realmente emiti o documento naquele momento, e não algo que já estava armazenado”, completa o gerente de produto e serviço do Serpro, Rodrigo Mendes. 

Essa solução da marca d’água foi desenvolvida pela parceira privada do projeto, a MBA Mobi, de Brasília, também responsável pela interface baixada nos smartphones. Ao Serpro coube, além da segurança via QR Code, o sistema que será utilizado nos atendimentos para emissão do DNI – algo que ainda está sendo organizado pelo TSE, mas que provavelmente vai incluir as juntas eleitorais e, eventualmente, até mesmo os institutos de identificação dos estados. 

É que para emitir o novo documento, primeiro é preciso baixar o aplicativo, em versões Android e iOS, para o celular. Ele ocupa 15 MB da memória do aparelho. Nesse app, o cidadão faz um pré-cadastro, para em seguida se dirigir pessoalmente aos postos de atendimento. Ali, uma interface do Serpro faz o batimento de duas digitais com a base biométrica do TSE – que até aqui tem 73 milhões de eleitores, mas que aos poucos será estendida para chegar aos 150 milhões de brasileiros com direito a votar e ainda para os menores de 16 anos. 

Paralelamente, coube ao Serpro a interoperabilidade do DNI com a base do TSE mas também com as bases de dados do governo federal, como CPF, e para prestação de serviços públicos. Um dos objetivos com a carteira de identidade digital é garantir autenticação simples para o acesso a esses serviços, como SUS, programas sociais, Ministério do Trabalho, etc. 


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Governo faz pregão para digitalizar 1,2 milhão de pastas funcionais

Com a iniciativa, estima-se reduzir de 35 para 2 minutos o tempo médio de acesso e localização de documentos, além de aumentar a confiabilidade das informações acessadas. O valor estimado é de R$ 53,6 milhões e o pregão está marcado para o dia 16 de outubro.

BNDES volta a financiar software e serviços de TI com BNDES 10

Suspenso em 2016 quando completava 20 anos, o programa ProSoft ganha nova roupagem e retoma a concessão de verbas para empresas com faturamento entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões. Iniciativa deverá ser anunciada até o final do ano.

FINEP vai conceder crédito para empresas comprarem software e serviços

FINEP Soft é voltada para as empresas comprarem software e serviços e beneficia quem adquirir tecnologia nacional, adianta o diretor de Planejamento, Márcio Girão.

Governo sozinho não faz a transformação digital no Brasil

Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do MCTIC, José Gontijo, garante que o período eleitoral não interrompeu as ações da estratégia brasileira de transformação digital, mas adverte. "O Governo é facilitador. A iniciativa privada faz acontecer. Os dois precisam andar juntos".



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G