Home - Convergência Digital

TST prorroga por 90 dias julgamento sobre a reforma trabalhista

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 07/02/2018

O Tribunal Superior do Trabalho suspendeu a sessão do Tribunal Pleno para discutir propostas de revisão de súmulas e orientações jurisprudenciais em função das mudanças introduzidas pela Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017). A suspensão foi pedida pelo presidente da Comissão de Jurisprudência e Precedentes Normativos, ministro Walmir Oliveira da Costa (foto), no sentido de esperar o julgamento de arguição de inconstitucionalidade do artigo 702, inciso I, alínea “f” da CLT, que estabelece o procedimento para edição e alteração da jurisprudência do Tribunal.

A revisão estsá sendo feita em 34 súmulas para serem adequadas à reforma trabalhista e, agora, o tema só voltará à mesa em um prazo de 90 dias, conforme projeta o presidente do TST, Ives Gandra Filho. A nova lei trabalhista foi sancionada no dia 11 de novembro de 2017. Entre as mudanças em análise estão dois pontos críticos da negociação entre patrões e empregados em São Paulo: horas 'in itinere' e diárias de viagens.

Até a reforma trabalhista, o tempo gasto no trajeto para empresas de díficil acesso era pago e incorporado à jornada. Depois da nova Lei Trabalhista, o trajeto deixa de ser contabilizado na jornada e deixa de ser pago. No caso das Diárias de Viagens, antes, eram integradas ao salário para efeitos indenizatórios. Agora, valores pagos como ajuda de custgo, auxílio-alimentação, diárias para viagens, prêmios e abonos não integram a remuneração e não fazem parte do cálculo de encargos trabalhistas e previdenciários.

Na sesão, o pleno do TST criou uma comissão, composta por nove ministros, que, no prazo de 60 dias, estudará a questão da aplicação da Reforma Trabalhista no tempo. A comissão, presidida pelo ministro Aloysio Corrêa da Veiga e composta pelos ministros Vieira de Mello Filho, Alberto Bresciani, Alexandre Agra Belmonte, Walmir Oliveira da Costa, Mauricio Godinho Delgado, Augusto César de Carvalho e Douglas Alencar Rodrigues, se dividirá em dois grupos, que estudarão os aspectos de direito material (aplicação ou não da nova legislação aos contratos de trabalho vigentes) e de direito processual (aplicação aos processos já em andamento).

O resultado do trabalho será a proposição de edição de uma Instrução Normativa, que, segundo o presidente do TST, ministro Ives Gandra Martins Filho, sinalizará para os juízes e Tribunais do Trabalho o entendimento do TST a respeito dessa questão, garantindo a segurança jurídica na aplicação dos novos diplomas legais.

*Com informações da Assessoria do TST

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

19/09/2018
HP Brasil é condenada a pagar horas extras a analista por sobreaviso

11/09/2018
Lei trabalhista: contrato intermitente não 'pega' como gerador de emprego

06/09/2018
Decisão do STF a favor da terceirização não respalda a pejotização

22/08/2018
Terceirização da atividade-fim já tem dois votos favoráveis no STF

20/07/2018
Justiça nega vínculo de emprego de motorista com Cabify

13/07/2018
Dissídio dos trabalhadores de TI de São Paulo segue sem definição no TRT

29/06/2018
STF valida fim da contribuição sindical obrigatória

28/06/2018
Sem acordo, categoria de TI em São Paulo fica à espera do dissídio coletivo

25/06/2018
Funcionários da ex-Cobra Tecnologia voltam ao trabalho, mas mantêm estado de greve

21/06/2018
TST confirma que Lei Trabalhista só vale a partir da sua promulgação

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Empregos em TI dobram em 10 anos e passam de 500 mil no Brasil

O Panorama do Setor de TICs 2018, elaborado pela Assespro Nacional, em parceria com a Assespro Paraná e a Universidade Federal do Paraná avaliou o período de 2006 a 2016. São Paulo lidera com 43% dos empregos, bem à frente dos demais Estados.

Decisão do STF a favor da terceirização não respalda a pejotização

Advogados procurados pelo portal Convergência Digital sustentam que a dispensa de empregados para a contratação como terceirizados pode caracterizar a subordinação e punição à corporação

'Jogo de cintura' não é balela. É sobrevivência

Mas toda flexibilidade exige limite. Um profissional precisa ter uma meta, um plano de carreira bem claro. A inflexibilidade também tem um custo para o profissional que se recusa a ver os novos tempos.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site