INTERNET

China já prendeu mais de 200 por ‘fake news’

Convergência Digital ... 07/02/2018 ... Convergência Digital

A agência chinesa de notícias Xinhua informa que desde maio de 2017 o governo do país já prendeu mais de 200 pessoas acusadas de ‘especulação ilegal na internet’. O principal alvo seria um grupo chamado ‘Marinha da Rede’, que organiza internautas em campanhas para favorecer esta ou aquela empresa, mas também para a criação de spam, sites fraudulentos de notícias e campanhas de difamação.

“A ‘Marinha da Rede’ costuma se engajar na fabricação de informações falsas, ataques, promoção ilegal e outras atividades que infringem seriamente os direitos dos cidadãos”, diz um policial citado pela reportagem, segundo tradução do site americano Ars Technica. 

Além de promover o que pode ser chamado de ‘impulsionamento de conteúdo’, para usar o termo adotado por redes sociais como Facebook, o grupo também gera ‘comunicados de imprensa’ que acabam divulgados até por sites oficialmente chancelados pelo governo chinês como fontes de notícias. Para ‘turbinar’ conteúdos, o grupo recruta internautas com ofertas equivalentes a R$ 150 ou até R$ 1,5 mil. “Um operador revelou à Xinhua que ganha cerca de 4 mil yuans (cerca de R$ 2 mil) por mês para apagar comentários negativos sobre determinados produtos. 


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G