TELECOM

Teles reclamam que sobram projetos de lei, mas falta avanço estrutural para o setor

Luís Osvaldo Grossmann ... 20/02/2018 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações são alvo constante de iniciativas legais, mas lamentam que projetos de interesse do setor não avançam a contento. Segundo balanço realizado pelo sindicato nacional das teles, Sinditelebrasil, há 4.031 projetos de lei em tramitação com impacto direto ou indireto no setor. 

“A cada nova legislatura tem crescido barbaramente a vontade de legislar sobre telecomunicações. E vemos que 20% das propostas foram feitas há mais de 10 anos, isso em um setor que tem uma velocidade de transformação muito grande. No entanto, poucos são os projetos estruturantes para um país que tem 30 milhões de domicílios desconectados”, afirmou o diretor executivo do Sinditelebrasil, Eduardo Levy. 

Segundo ele, metade dos projetos é contrário aos interesses das empresas. Nesse campo estão os bloqueadores de celular em presídios e o fim da franquia da banda larga, mas também proposta para dar desconto de 30% para clientes gagos, a proibição de criação de grupos de WhatsApp sem autorização ou a instalação de centros de tratamento para viciados em internet.

“Há novas obrigações criadas gerando insegurança jurídica para setor que exige muito investimento”, disse Levy, que participou nesta terça, 20/2, do Seminário Políticas de Telecomunicações, promovido pela Teletime. Como destacou o presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), Oscar Simões, o que dificulta a questão legislativa foi o que chamou de “um cenário muito difícil para a construção de consensos”. As teles se queixam especialmente do PLC 79/16, que permite o fim das concessões de telefonia fixa e transformação em autorizações, mas que estagnou no Senado. 

A advogada do Intervozes, Veridiana Alimonti, alertou, no entanto, de que o PLC 79/16 não pode ser considerado como consensual. “Há projetos que passam sem o devido debate. Até pela falta de discussão de projetos estruturantes em geral. No caso do PLC 79, entendemos como desestruturante, por enfraquecer direitos. Críticas ao projeto vêm do TCU, do MPF, da própria consultoria técnica do Senado”. 


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

TV por assinatura: Pirataria causa prejuízo de R$ 4 bilhões ao ano

Nos últimos dois anos, a Receita Federal já destruiu 100 mil decodificadores piratas apreendidos em Foz do Iguaçu. Prejuízo da indústria é estimado em R$ 40 milhões, já que cada aparelho custa em média US$ 100.

Bens reversíveis: Posição da Anatel contraria a Lei

Ao impedir a venda de todo e qualquer bem pelas operadoras, a agência gera insegurança ao investido, advertiu o advogado Fabiano Robalinho, do escritório Sérgio Bermudes Advogados.

Guerra fria na Telecom Italia, dona da TIM, ganha novo capítulo 'sangrento'

A francesa Vivendi reclama de quebra dos princípios de governança corporativa da operadora italiana com a não convocação de uma assembleia de acionistas.

Bens reversíveis: Anatel não está apegada a 'rótulos patrimoniais ou funcionais'

Para Ronaldo Neves, assessor da presidência da Anatel, 2018 está sendo um ano interessante para a posição da agência com relação ao tema, classificado como instigante. Segundo ele, a reversibilidade está associada apenas ao bem direcionado para a prestação do serviço concedido.



Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G