TELECOM

Na Vivo, 54% da base móvel ainda não usa o 4G

Ana Paula Lobo* ... 21/02/2018 ... Convergência Digital

Ainda há muito por crescer na base 4G da Vivo. Segundo dados da própria operadora, apenas 46% da base de clientes estão usando o 4G. Os dados foram apresentados na teleconferência de resultados do quarto trimestre de 2017, realizada nesta quarta-feira, 21/02.

O balanço financeiro da Telefônica foi bastante sólido. No quarto trimestre, a empresa registrou sólido crescimento do EBITDA, combinado a uma alocação eficiente de investimentos, que levaram ao crescimento de 46,3% na geração de fluxo de caixa operacional no último trimestre de 2017. A companhia realizou um lucro líquido de R$ 1,5 bilhão no período, resultado 24,9% superior ao quarto trimestre do ano anterior. No total do ano, o lucro líquido chegou a R$ 4,6 bilhões, 12,8% acima de 2016.

Os investimentos, que totalizaram R$ 8,0 bilhões em 2017, foram destinados principalmente à ampliação da rede móvel de quarta geração para 2.084 novas cidades, o que elevou a presença da rede da companhia para 2.600 municípios em dezembro, cobrindo 84,5% da população brasileira. Além disso, os recursos foram direcionados à expansão de fibra ótica para 16 novos municípios brasileiros, perfazendo um total de 87 cidades com FTTH (fiber-to-the-home).

“Investimos o equivalente a 18,5% da receita operacional líquida no ano dentro da nossa estratégia de oferecer o melhor tráfego de dados, com altas velocidades tanto na rede móvel quanto na fixa”, reportou o presidente da companhia, Eduardo Navarro.

Crescimento contínuo de receita no negócio móvel

A receita líquida móvel cresceu 3,9% no quarto trimestre no comparativo anual, impulsionada pela receita de dados e serviços digitais, que hoje é a principal alavanca de crescimento de receita da companhia, e que apresentou expansão de 25,0% sobre igual período de 2016. No trimestre, a representatividade da receita de dados e serviços digitais sobre a receita líquida de serviço móvel aumentou para 75%, uma evolução de 12,7 pontos percentuais sobre igual período do ano anterior. No total do ano, a receita líquida móvel teve incremento de 3,6%, atingindo R$ 26,5 bilhões.

No negócio fixo, a receita líquida apresentou redução de 2,3% no quarto trimestre em comparação ao mesmo período de 2016, devido à tendência de mercado de queda do uso de voz fixa e ao corte da tarifa de ligação fixo-móvel e redução da tarifa de interconexão, no serviço de voz.

A receita de banda larga cresceu 22,7% no comparativo anual, impulsionada pela evolução das receitas de UBL (Ultra banda larga), que representou 60,2% da receita total de banda larga no período. Diante da tendência de maior uso de dados, a empresa vem atuando para aumentar a base de UBL, por meio da migração de clientes para velocidades mais altas e da expansão de rede de fibra ótica para novas cidades. Em 2017, a Telefônica ampliou sua cobertura com tecnologia FTTH (Fiber-to-the-Home) para 16 novos municípios.

A TV por assinatura registrou queda de 2,7% na receita no comparativo anual, especialmente com uma queda consistente na oferta do DTH - de 85% para 76%. Apesar disso, o IPTV apresentou crescimento de receita de 64,6%, devido à estratégia mais seletiva da empresa para este serviço. O foco é investir em produtos de valor com a finalidade de oferecer a melhor experiência ao cliente e otimizar a rentabilidade do negócio.

Pós-pago

A companhia registrou um total de 97,8 milhões de acessos em dezembro, dos quais 74,9 milhões eram móveis, volume 1,6% superior ao do ano anterior. Com isso, a empresa manteve-se na liderança de mercado, com 31,7% de participação (fonte: ANATEL). Apesar do espaço para crescer no 4G, a companhia manteve a liderança em terminais, com participação de 33,6% em dezembro.

No pós-pago, a empresa conquistou 39,3% das adições líquidas do mercado no acumulado do ano, com market share de 41,8% em dezembro. Já o parque pré-pago teve sua base reduzida em 5,5% em relação a igual período do ano anterior, devido à forte migração para planos controle e à política de desconexão de clientes inativos, dentro das regras da Anatel. No mercado de M2M (Máquina a Máquina), a base de acessos seguiu expandindo e chegou a 6,3 milhões em dezembro, um incremento de 26,1% comparado ao ano anterior, com participação de mercado de 41,5%.

No negócio fixo, os acessos totalizaram 22,9 milhões, um recuo de 2,1% em relação ao quarto trimestre do ano anterior, devido a uma redução de clientes de voz e TV por assinatura. A banda larga fixa continua em evolução, com 7,4 milhões de clientes, um crescimento de 1,9% no comparativo anual. A base de clientes em fibra ótica cresceu 9,5% relativamente a igual período do ano anterior e já atinge 4,5 milhões de acessos.

Os clientes de ultra banda larga já representam 61,1% do total de acessos de banda larga, impulsionando o ARPU (receita média por cliente) para um crescimento de 20,5% em relação a igual período de 2016. Com a expansão do FTTH (Fiber-to-the-Home) para 16 novas cidades no ano, a companhia já conta com 1,3 milhão de acessos nessa tecnologia, o que representa crescimento de 45,3% em relação ao ano anterior. Apesar de uma queda nos acessos de TV por assinatura da ordem de 7,3% no comparativo anual, a empresa registrou crescimento na base de clientes de alto valor, que optaram pelo IPTV, da ordem de 50,8% sobre o quarto trimestre de 2016, devido sobretudo à expansão da tecnologia para 32 novas cidades em 2017.

*Com informações da Vivo


Internet Móvel 3G 4G
TIM: voz ainda faz diferença para o usuário pré-pago

Pesquisa de mercado fez a operadora estender ao pré-pago o benefício da voz ilimitada para outras operadoras.  O TIM Pré Smart também oferece mensagens e ligações ilimitadas no WhatsApp e Facebook Messenger.

Anatel aprova novo regulamento para preço público de radiofrequências

Principal novidade é a possibilidade de a agência exigir compromissos de investimento como parte do valor da renovação do direito de uso do espectro.

Segurança faz Anatel antecipar bloqueio de celulares no Rio de Janeiro

Os aparelhos irregulares vão ser bloqueados a partir de 08 de dezembro, a pedido do Gabinete de Intervenção Federal no Estado. O bloqueio está implementado no Distrito Federal e no Estado de Goiás.

Disputa entre fornecedores faz Cemig Telecom adiar leilão para o dia 8 de agosto

Preço mínimo para o lote 1, que envolve a rede de banda larga nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro foi estipulado em R$ 332 milhões.  Já manifestaram interesse público, a TIM e a Claro.

TV paga: Modelo não muda e sangria de assinantes já dura três anos e meio

Depois de um período de expansão, em 2014, com a entrada das teles no segmento, o setor encerrou o mês de maio com 17,8 milhões de assinantes, o que significa a perda de 10% da base de usuários. Claro/NET concentram 50% do mercado.

Anatel rejeita pedidos de Société e Pharol para mudanças no conselho da Oi

Seguem válidos, portanto, os nomes indicados a partir da aprovação do Plano de Recuperação Judicial, em dezembro, que constituem o Conselho de Administração Transitório da supertele.

Telefónica conduz projeto de transformação digital da Avianca

O acerto terá validade de cinco anos e inclui serviços de voz tradicional, conectividade de dados, apoio de infraestrutura (LAN/WLAN/Centro de cabos), segurança digital e soluções de redes definidas por software (SDN).


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G