NEGÓCIOS

Dell: Indústria brasileira não tem mais como adiar investimentos em TI

Ana Paula Lobo ... 22/02/2018 ... Convergência Digital

A Dell Brasil classificou o ano de 2017 como ‘extraordinário’ e aposta que 2018 também será um ano de incremento na demanda, apesar da sazonalidade que pode vir por conta das eleições gerais de outubro. “A indústria brasileira está sucateada na TI. Muitos estagnaram os investimentos e, agora, por sobrevivência precisam renovar o parque. E essa demanda está acontecendo em data centers, servidores e armazenamento de dados”, pontuou o vice-presidente Sênior e Gerente Geral da Dell EMC Brasil Commercial, Luis Gonçalves.

O executivo foi taxativo: a maior parte das empresas ainda não está na jornada da transformação digital, mas boa parte delas já entendeu que essa é uma ‘viagem’ sem volta. “Todo mundo quer usar um assistente virtual para atender ao cliente. A digitalização dos negócios está acontecendo. A Indústria de TI está em franca expansão”, atestou Gonçalves. Para o executivo da Dell Brasil, o primeiro semestre deste ano deverá ser mais forte do que o segundo por conta da sazonalidade das eleições, mas Gonçalves não prevê uma redução dos orçamentos de TI, ao contrário, o crescimento deverá continuar. No ano passado, o crescimento ficou em 9%.

“Provisionar o futuro digital é uma realidade. Cada vez mais Internet das Coisas e Inteligência Artificial vão permear as atividades econômicas. Isso implica mais armazenamento, mais data centers, mais TI”, reforça.Sobre o papel do CIO, Luis Gonçalves diz que eles não precisam ser os donos das grandes ideias, mas, definitivamente, não podem ser os agentes contrários à transformação digital. “O CIO está digerindo a revolução digital para saber como fazer”, salientou.

Nesta quinta-feira, 22/02, a Dell Brasil divulgou um estudo sobre a relação homem-máquina, intitulado de "Projetando 2030: uma visão dividida do futuro”, no qual foram entrevistados 3.800 líderes de negócios de médias e grandes corporações em 17 países, incluindo o Brasil.Quando questionados sobre as principais barreiras para terem sucesso até 2030, o maior desafio, citado por 59% dos executivos brasileiros, é a falta de preparo das equipes. Os executivos também enumeraram as barreiras ao sucesso da digitalização.

·Falta de preparo da força de trabalho: 59% (Brasil) e 61% (Mundo)

·Falta de estratégia e visão digital: 55% (Brasil) e 61% (Mundo)

·Restrições tecnológicas: 54% (Brasil) e 51% (Mundo)

·Restrições de tempo e dinheiro: 44% (Brasil) e 37% (Mundo)

·Leis e questões regulatórias: 28% (Brasil) e 20% (Mundo)

A pesquisa apura que, em cinco anos, aqui no Brasil, os projetos associados ao big data devem estar presentes em 91% das corporações. Hoje, estão em 54%. O uso da cloud híbrida também deverá chegar a 95%, quando hoje é 65%. A inteligência artificial estará presente em 86% das empresas. Hoje está em 31%. “Essa meta de cinco anos pode ser audaciosa, mas certamente a evolução será muito mais acelerada do que dos últimos 10 anos”, completou o presidente da Dell Brasil.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Empresas nacionais de software contábil se unem e criam a Joint Venture

SCI, Tron, Mastermaq, Fortes e a empresa de sistemas de gestão ERP na nuvem Omie seleram um acordo para criar a Joint Venture, que entra em operação no começo de 2019, com aporte de R$ 40 milhões.

Uber pagará R$ 500 milhões para encerrar caso de vazamento de dados de 57 milhões de usuários

Empresa vai pagar a 50 Estados norte-americanos para por um ponto final no caso, que aconteceu em 2016, mas só foi revelado no final de 2017.  Os dados de 196 mil brasileiros também vazaram. O valor acertado é o maior da história.

Demora do INPI deixa marca iPhone grátis para Apple no Brasil

Sete anos antes da fabricante americana lançar o aparelho, brasileira Gradiente pediu registro da marca no Brasil. INPI, no entanto, só concedeu o registro em 2008.

BRPhotonics: sem dinheiro, morreu o sonho de fazer chip no Brasil

Ativos da companhia foram vendidos para três empresas. Os R$ 15 milhões aportados pela FINEP não sustentaram o negócio.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G