Home - Convergência Digital

Campanha Salarial 2018 de TI segue sem acordo entre patrões e empregados

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo* - 09/03/2018

A oitava rodada de negociações da Convenção Coletiva de Trabalho 2018 manteve o impasse entre patrões e empregados e o tema central de divergência segue sendo a homologação ou não das rescisões no Sindicato dos trabalhadores. Os patrões querem que a homologação no sindicato seja feita apenas pelos associados ao Sindpd, proposta rejeitada e considerada contrária à legislação, uma vez que o sindicato representa toda a categoria e não apenas os seus associados.

"Nós vamos mudar nossa estratégia. O Sindpd vai iniciar uma campanha maciça junto a todos os trabalhadores que tiverem suas homologações feitas nas empresas. Vamos pedir a eles que venham ao Sindicato para que nós façamos uma análise e verificação completa dos direitos e das verbas trabalhistas. Caso não estejam dentro do que a lei estabelece, nós vamos tomar todas as providências legais, civis, trabalhistas e criminais que protejam os trabalhadores", avisou o presidente do Sindpd/SP, Antonio Neto.

Outros pontos também causaram impasse como a exigência dos patrões de obterem liberdade de negociar diretamente com os trabalhadores questões referentes à jornada de trabalho, como trabalho aos domingos e feriados, ponto por exceção, jornada flexível e 12x36 horas. "Se é isso, não tem acordo. A cada rodada, você acrescenta alguma coisa. Na jornada de trabalho, todas as alterações que vocês querem eu não vou dá-las. Não vamos dar autorização para que a empresa negocie com o funcionário", criticou.

Em relação às viagens a serviço, a comissão patronal manteve a proposta de que o tempo gasto pelo trabalhador no trajeto das viagens não conte como tempo de trabalho. "Queremos manter o que está na CCT da categoria hoje para as viagens a serviço", contrapôs Neto. Sobre o auxílio-alimentação, os empresários mantiveram a proposta de R$ 18, com os "descontos legais" aplicados.

Embora todo o impasse nas negociações não tenha relação do ponto de vista econômico, o sindicato patronal não apresentou proposta para o índice de reajuste, mantendo a oferta anterior de 2,07%. As duas comissões analisarão o resultado da oitava rodada e deverão marcar uma nova reunião em data a ser definida.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

13/07/2018
Dissídio dos trabalhadores de TI de São Paulo segue sem definição no TRT

28/06/2018
Sem acordo, categoria de TI em São Paulo fica à espera do dissídio coletivo

25/06/2018
Funcionários da ex-Cobra Tecnologia voltam ao trabalho, mas mantêm estado de greve

21/06/2018
BBTS, ex-Cobra Tecnologia, aceita acordo do TST até julgamento do dissídio

07/06/2018
Trabalhadores entram com pedido de dissídio coletivo de greve no TST contra a Cobra Tecnologia (BBTS)

17/05/2018
Sem acordo entre patrões e empregados de TI em São Paulo

16/05/2018
TRT agenda 2ª audiência de conciliação entre patrões e empregados de TI em São Paulo

23/04/2018
Em Ribeirão Preto, Justiça ordena Coderp a fazer rescisões de contrato de trabalhao no sindicato dos trabalhadores de TI

17/04/2018
TRT/SP concede 30 dias para que patrões e empregados de TI encerrem impasse

11/04/2018
TRT faz audiência de dissídio coletivo dos trabalhadores de TI de São Paulo no dia 17

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

Brasileiro revela pavor de perder o emprego

Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os profissionais brasileiros nunca ficaram tão preocupados com o emprego quanto agora. Sentimento cresce entre os homens, mas são as mulheres as mais assustadas com a possibilidade de demissões.

Profissional do futuro simplesmente não existe

A advertência foi feita pela futurista Lala Deheinzelin, criadora do movimento "Crie Futuros". Segundo ela, já não se pode mais pensar em uma profissão ou em um profissional. É preciso imaginar células, cada uma com sua capacidade. A união de todas elas é que será, de acordo com a especialista, capaz de nos levar a um mundo desejável.

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site