Home - Convergência Digital

Oi avança com Internet das Coisas para 'jogar um novo jogo'

Convergência Digital - Carreira
Ana Paula Lobo - 19/03/2018

Internet das Coisas é um 'novo jogo para ser jogado' e a Oi tem diferenciais em relação à concorrência: capilaridade e presença operacional e de serviços em mais de 4 mil municípios do País. A operadora lançou na semana passada a plataforma Oi M2M, que possibilita os usuais serviços de POS (point of sale), rastreamento, telemetria, entre outros. A solução viabiliza a adição de linhas e upgrade de franquias, sem a necessidade de contato com áreas comerciais ou call center – novidade que gera autonomia, reduz custos e aumenta a produtividade das empresas.

A oferta M2M da companhia para grandes e médias empresas incorpora franquia compartilhada e dinâmica – facilitando a adição de novas linhas ao automatizar o somatório destas à franquia total –, além de envio grátis de 5 SMS por linha e funcionalidade de alerta de fraude. Junto aos benefícios mencionados, a Oi concede o Trade In, uma opção para o cliente ativar o serviço em até 60 dias, evitando faturas antes da utilização das linhas.

“O mercado de M2M deve crescer 13,5% ao ano até 2021, segundo projeções da Frost & Sullivan. Com o Oi M2M, planejamos seguir essa tendência e aumentar a nossa base em 70%. Apostamos na nossa presença, no nosso time, na nossa transformação digital para avançar muito", afirma em entrevista ao portal Convergência Digital, Rodrigo Shimizu, diretor de Marketing do Corporativo da Oi.

O diretor de SI e TI do Corporativo da Oi, Luiz Carlos Faray, observa que Internet das Coisas é um ' novo jogo' onde as aplicações não estão ainda pensadas e mais ainda: elas terão de ser customizadas de acordo com as necessidades do cliente. "A área de meio de pagamentos é uma grande usuária do nosso M2M, mas quando falamos de M2M temos muita conectividade. IoT precisa de conectividade, mas exige soluções específicas. Não há como ter uma prateleira de oferta, percebemos isso nas provas de conceito que estamos fazendo", diz.

Para os executivos da Oi, 2018 será o ano onde as provas de conceito de Internet das Coisas serão finalizadas e as contas começarão a fechar. "Vamos ter um amadurecimento do mercado, de definições de padrões", salienta Shimizu. "É o ano do plano nacional de IoT se apresentar concretamente. De termos mais demandas", acrescenta Faray.

A área B2B foi a que mais sentiu a crise financeira da Oi, mas para Shimizu, o posicionamento da tele em relação à transformação digital, aliada à sua capilaridade e oferta de serviços, permitirá o avanço não só em IoT, mas em cloud, big data e segurança. "Os clientes querem serviços personalizados e vamos oferecer", salienta.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/10/2018
Claro terá rede 100% pronta para IoT até meados de 2019

15/10/2018
MCTIC mantém esperança de ver decreto de IoT aprovado no Governo Temer

14/10/2018
Top2You: A aceleradora de gente que tem como negócio incentivar a conversa

14/10/2018
Energy2go planeja ter 400 pontos de energia móvel no Rio de Janeiro

14/10/2018
Oi estimula DNA da inovação para ousar na transformação digital

14/10/2018
O Oito é a liberdade da Oi de fazer diferente

11/10/2018
STJ decide submeter à arbitragem mediação de discussões entre sócios e Oi

11/10/2018
Oi faz força-tarefa por fibra óptica e baixa preço da banda larga em cobre

09/10/2018
Torii: rede zumbi usa robôs para roubar informações de dispositivos IoT

04/10/2018
Roger Solé, ex-Vivo e TIM, completa novo Conselho de Administração da Oi

Destaques
Destaques

FCC, dos EUA, impõe ‘Lei das Antenas’ para acelerar redes 5G

Regra aprovada pelo regulador dos Estados Unidos prevê entre 60 e 90 dias como prazo máximo para licenças de instalação de equipamentos, em especial, para as small cells. Lá também há burocracia e o prazo de espera pode chegar a um ano. No Brasil, a situação não é diferente.

BNDES recebe 54 projetos de IoT e selecionados terão apoio de R$ 30 milhões

São 23 projetos que propõem soluções de Internet das Coisas para cidades, 17 para saúde e 14 para campo. Juntos, envolvem investimentos de R$ 360 milhões. Banco vai selecionar, até outubro, as empresas que vão receber empréstimos não reembolsáveis.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site