GOVERNO

Serpro economiza mais de R$ 300 milhões com isenção de ICMS

Luiz Queiroz ... 10/04/2018 ... Convergência Digital

O Supremo Tribunal Federal acabou com uma disputa por débitos de ICMS não quitados pelo Serpro junto à Secretaria de Fazenda do Distrito Federal. O motivo da disputa era o não recolhimento de ICMS - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, sobre os Serviços de Comunicação Multimídia (SCM) praticados pelo Serpro através da Infovia Brasília ao governo Federal e ao próprio DF.

A Secretaria de Fazenda do Distrito Federal chegou a autuar a estatal com a cobrança de uma multa, com valor, hoje, estimado em mais de R$ 300 milhões. Mas o Serpro recorreu ao STF para pedir a anulação da multa e a sua inserção na cobrança do ICMS.

O STF entendeu que o Serpro presta um serviço público ao fornecer o SCM através da Infovia para governo e, por consequência, deveria ganhar a imunidade tributária. Na mesma decisão, extinguiu o débito da multa cobrada pela Sefaz-DF.

Histórico

Em 2013, ainda na gestão de Marcos Mazoni, o portal Convergência Digital questionou a natureza do serviço de Infovia que o Serpro acabara de inaugurar para atender aos órgãos públicos. O portal entendia que o que estava sendo prestado pela estatal era um Serviço de Comunicação Miltimídia (SCM), portanto, passível de recolhimento do FUST - Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações, cobrado das empresas privadas que prestam o SCM.

E também questionou junto à Anatel, o fato dela não estar cobrando o FUST da estatal, se a mesma prática não era vista com as empresas privadas. Depois de um vai e vem, do qual a Anatel até chegou a liberar o Serpro de recolher ao fundo, a Procuradoria da agência reguladora deu um basta na situação, por meio de um parecer, que obrigava a Anatel a cobrar o FUST, porque entendia que SCM era serviço de Telecomunicações. Na época, depois resolvida a confusão, a Anatel cobrou multa do Serpro.

Por analogia, se o Serpro era obrigado a recolher ao FUST por um serviço de telecom que prestava ao governo, por que não teria de recolher ICMS pelo mesmo serviço? Para o Supremo Tribunal federal, o entendimento foi outro. A estatal está prestando um serviço ao governo, independentemente de cobrar ou não. Neste caso, não incidiria o ICMS cobrado pela Secretaria de Fazenda do DF. Isso pode abrir um precedente novo; pois o Serpro também poderá solicitar a "imunidade tributária" aos municípios para os quais presta o serviço de Infovia, sob a alegação de prestar serviço de Tecnologia da Informação.

O importante da decisão do STF para o Serpro é que a estatal não apenas consegue a imunidade tributária daqui para a frente, mas também pode retirar do seu balanço financeiro essa dívida pendente e agora deixar de provisionar valores anuais  para eventual pagamento, caso a Secretaria de Fazenda do DF tivesse logrado êxito na cobrança atrasada do ICMS.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Governo faz pregão para digitalizar 1,2 milhão de pastas funcionais

Com a iniciativa, estima-se reduzir de 35 para 2 minutos o tempo médio de acesso e localização de documentos, além de aumentar a confiabilidade das informações acessadas. O valor estimado é de R$ 53,6 milhões e o pregão está marcado para o dia 16 de outubro.

BNDES volta a financiar software e serviços de TI com BNDES 10

Suspenso em 2016 quando completava 20 anos, o programa ProSoft ganha nova roupagem e retoma a concessão de verbas para empresas com faturamento entre R$ 1 milhão e R$ 10 milhões. Iniciativa deverá ser anunciada até o final do ano.

FINEP vai conceder crédito para empresas comprarem software e serviços

FINEP Soft é voltada para as empresas comprarem software e serviços e beneficia quem adquirir tecnologia nacional, adianta o diretor de Planejamento, Márcio Girão.

Governo sozinho não faz a transformação digital no Brasil

Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação Digital do MCTIC, José Gontijo, garante que o período eleitoral não interrompeu as ações da estratégia brasileira de transformação digital, mas adverte. "O Governo é facilitador. A iniciativa privada faz acontecer. Os dois precisam andar juntos".



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G