Convergência Digital - Home

Governo desiste de multinuvem, mas mantém modelo de broker em licitação

Convergência Digital
Luís Osvaldo Grossmann - 25/04/2018

O governo federal fez um ajuste significativo na licitação de serviços de nuvem pública. Por enquanto sai a ideia de adotar múltiplas nuvens orquestradas, ficando portanto o novo termo de referência com uma nuvem única. Mas está mantido o modelo de broker.

“Antes era multinuvem, broker com dois fornecedores. Agora terá um fornecedor único. O uso de multinuvem seria mais por uma questão de redundância dos serviços. Como a gente vai subir inicialmente serviços não críticos, se pensou que essa redundância não seria extremamente necessária agora, mesmo porque há redundância nos ministérios. O que vai subir para a nuvem já existe na estrutura”, explica o coordenador geral de aquisições de TICs no Ministério do Planejamento, Cícero Almeida.

“Vamos primeiro adquirir expertise na condução desse processo de demanda, de execução de serviços em nuvem. É um pregão para o Ministério do Planejamento e alguns outros órgãos. Não é para todo o governo ainda. A gente primeiro quer rodar o modelo, ver se as empresas conseguem responder da forma que o governo precisa.”

Em razoável medida, isso implica na validação do modelo desenhado para medir os serviços e, claro, remunerá-los. “Queremos validar a métrica desse catálogo de serviços. E de forma que possa funcionar em qualquer das empresas. Se for ver entre os fornecedores, Amazon, Microsoft, etc, cada uma é de um jeito. Queremos equalizar de forma que funcione independentemente de quem ganhar”, diz Cícero Almeida. 

Segundo o coordenador da Setic, a disputa se dará em seguida à consulta pública do termo de referência, aberta até 7/5. “A gente espera que até no máximo agosto já tenhamos não só o pregão como a ata registro de preços assinada. Ou seja, pregão final de junho, início de julho, prova de conceito em seguida e em agosto já teríamos ata assinada. Se for um pregão com sucesso, com os atributos para suportar mais órgãos, a gente pode abrir a adesão tardia, o carona.”

O modelo multinuvem era uma licitação estimada para ficar na casa dos R$ 40 milhões. Mas se essa alteração tem influência o valor final, também haverá variação como tamanho final do pregão. Inicialmente a ideia era fazer a nuvem para seis ministérios. “Pode ter uma participação maior dos órgãos, até porque já existe um pouco mais de maturidade. Também não está fechado ainda se vamos permitir a adesão tardia [à ata de registro de preços]”, diz Almeida.

Além da eventual expansão dos serviços de nuvem para os demais órgãos públicos federais, o governo já trabalha com a possibilidade de criação de uma nuvem privada. “Não pode subir dados sensíveis na nuvem. Então no caso dos serviços que têm informações classificadas do cidadão, os dados não irão para a nuvem. Os dados sensíveis não estarão nessa nuvem pública, mas existe a possibilidade de a gente criar nuvem de governo. Nesse caso terá que ser por meio do Serpro, Dataprev ou outra empresa de governo”, afirma o coordenador de aquisições da Setic.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site