TELECOM

Anatel rejeita novas negociações e enterra TAC da Telefônica

Luís Osvaldo Grossmann ... 25/04/2018 ... Convergência Digital

Por 3 votos a 2, o Conselho Diretor da Anatel decidiu enterrar a discussão sobre a troca de multas por investimentos da Telefônica. Para a maioria dos conselheiros, não cabe reabrir negociações para modificar os projetos, na casa dos R$ 5 bilhões, como queria a operadora. Assim, depois da Oi, mais uma tentativa de Termo de Ajustamento de Conduta termina sem acerto.

“Isso não significa que o instrumento fracassou. Ainda temos processos relacionados a outras empresas, Algar, Tim e Claro, que estão tramitando, dois deles já no Conselho Diretor. Vamos torcer para que eles não esbarrem nas mesmas dificuldades apresentadas aqui”, pontuou o presidente da Anatel, Juarez Quadros, ao final da reunião extraordinária nesta quarta, 25/4.

O caso voltou ao Conselho Diretor depois que a Telefônica, no início de março deste 2018, comunicou à Anatel ter interesse em modificar alguns termos do acordo que vinha sendo negociado – e chegou a ser aprovado pela agência no fim de 2016. Depois disso, o TAC foi criticado pelo Tribunal de Contas da União, que exigiu mudanças. E diante das exigências, a Telefônica tentou renegociar.

“Em março, a empresa juntou petição em que sustentava necessidade de redução dos investimentos do acordo aprovado, quando retirou Belém e Palmas dos compromissos adicionais e aduziu que faria considerações adicionais até 16 de março, mas elas nunca foram trazidas aos autos. Do conteúdo, parece que a Telefônica não esta de acordo com as bases atuais do TAC, pretendendo renegociar em razão da redução do valor de referencia. Mas o reinício da negociação é impossível na atual fase processual”, disse Quadros em seu voto, que definiu o placar.

O conselheiro Leonardo de Morais chegou a propor que as negociações fossem esticadas por mais 120 dias. “Proponho a continuação das negociações. Todavia, os compromissos adicionais devem estar limitados a projetos para interligar municípios que não tem fibra, ou redes de acesso móvel em distritos não sede, ou ampliar a capacidade dos que já tem”, defendeu.

A proposta foi acompanhada apenas por Emmanoel Campelo, para quem “preocupa o reflexo que este arquivamento terá nas outras propostas de TAC em tramitação”. Aníbal Diniz foi o primeiro a entender que não haveria mais prazo processual a permitir retomar as tratativas. Ou ainda, antes dele Otávio Rodrigues que na prática manteve o voto contrário ao TAC que deu ainda na votação de 2016.

O TAC da Telefônica envolvia multas que chegavam a R$ 3 bilhões, em valores não corrigidos, e previa até R$ 5,5 bilhões em investimentos. No entanto, cerca de R$ 400 milhões já foram retirados desse montante, para evitar a prescrição. Com essa redução do valor de referência do acordo e as restrições do TCU, a Telefônica sinalizou o desejo de rever os investimentos a serem realizados no lugar das multas. A área técnica da Anatel entendeu que não seria mais o caso. E, agora, o Conselho Diretor encerrou de vez o tema. Com o arquivamento, as multas que estavam em negociação não podem mais ser objeto de outro TAC.


Internet Móvel 3G 4G
TIM quer compartilhar frequência com Claro e Vivo

Operadora quer levar para essas operadoras o acerto firmado com a Oi. Em infraestrutura, TIM prepara 4G em 700 MHz em São Paulo e já instalou 600 ERBs, revelou o CTO da tele, Leonardo Capdeville.

Anatel: LGT completa 21 anos carente de ações políticas atentas ao futuro

Em carta oficial, a agência reguladora sustenta que é preciso festejar o passado, mas adverte: não dá mais para manter o modelo separando telefonia fixa dos demais serviços de telecomunicações. O acesso ao telefone, essencial no passado, requer, agora, o acesso à banda larga.

Anatel aprova novo regulamento para preço público de radiofrequências

Principal novidade é a possibilidade de a agência exigir compromissos de investimento como parte do valor da renovação do direito de uso do espectro.

Anatel aprova regra para mediar e exigir contratos entre teles e OTTs

Novo regulamento de interconexão também exige ofertas de pontos de conexão em todos os Códigos Nacionais e facilita cortes em casos de inadimplência.

Segurança faz Anatel antecipar bloqueio de celulares no Rio de Janeiro

Os aparelhos irregulares vão ser bloqueados a partir de 08 de dezembro, a pedido do Gabinete de Intervenção Federal no Estado. O bloqueio está implementado no Distrito Federal e no Estado de Goiás.

Disputa entre fornecedores faz Cemig Telecom adiar leilão para o dia 8 de agosto

Preço mínimo para o lote 1, que envolve a rede de banda larga nos estados de Minas Gerais, São Paulo e Rio de Janeiro foi estipulado em R$ 332 milhões.  Já manifestaram interesse público, a TIM e a Claro.

TV paga: Modelo não muda e sangria de assinantes já dura três anos e meio

Depois de um período de expansão, em 2014, com a entrada das teles no segmento, o setor encerrou o mês de maio com 17,8 milhões de assinantes, o que significa a perda de 10% da base de usuários. Claro/NET concentram 50% do mercado.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G