SEGURANÇA

Mirai, que ataca Internet das Coisas, avança de forma explosiva no Brasil

Ana Paula Lobo ... 26/04/2018 ... Convergência Digital

Os ataques a dispositivos Internet das Coisas cresceram 249% entre 2016 e 2017 no mundo e, especialmente, aqui no Brasil, o botnet Mirai impressiona com a sua capacidade de contaminação de dispositivos como câmeras de segurança IP, gravadores digitais de vídeo, impressoras, roteadores e outros equipamentos dedicados à conexão dos objetivos.

O portal Convergência Digital teve acesso a dados exclusivos da quarta pesquisa feita pelo F5 Labs sobre Internet das Coisas. Os resultados são assustadores. Em 2016, o Mirai estava presente em poucos pontos do País. Em 2017, o avanço foi significativo e há pontos vermelhos em quase todas as localidades.

"O Mirai e seus descendentes são capazes de fazer um ataque de 1,3 Terabits. Isso faz a rede de qualquer operadora do mundo parar", observa o diretor de vendas para a América Latina da F5, Ewerton Vieira. O estudo do F5 Labs mostra que 44% do tráfego de ataque são originários da China, com Estados Unidos na segunda posição e a Rússia na terceira posição.

A surpresa é a presença do Brasil na quarta posição - principalmente no mês de setembro de 2017. Nos outros meses, o país oscila, mas fica no Top 10 dos atacantes. E para piorar, aparece também no top 10 dos países mais atacados.

"No mercado corporativo, a maioria não percebe que os dispositivos estão sendo usados para ataques. Até porque esse uso não significa roubo de dados. Mas isso é agora. Mas quem garante que esse hacker não vá depois atacar o servidor das aplicações? Os gestores de segurança precisam ter mais atenção aos equipamentos sequestrados", salienta Vieira.

Do ponto de vista de segurança, o mais preocupante, destaca o diretor geral da F5 Networks, Hilmar Becker, é o conhecimento do impacto do Mirai e o seu crescimento contínuo na América Latina e no Brasil. "Esse crescimento é a prova que as ações de segurança não estão acontecendo da melhor forma possível".

O estudo do F5 Labs aponta que os Estados Unidos, Cingapura, Espanha e Hungria foram os países mais atacados pelo Mirai nos últimos 12 meses. O estudo projeta mais de 1 trilhão de dispositivos conectados e adverte: é necessária uma legislação global para evitar que se crie 'silos' de proteção. "Os EUA vão ter a sua lei de proteção, mas ela só será válida no País. Não é o melhor caminho para IoT", observam os especialistas da F5 Labs.

Negócios

O governo brasileiro comprou nos últimos seis meses e foi um dos impulsionadores do crescimento de 30% registrado pela F5 Networks no Brasil, aponta o diretor geral, Hilmar Becker. O carro-chefe foi o Web Firewall Application, que funciona como um escudo diante dos ataques e impede o roubo de dados por meio dos ataques DDoS (negação de serviços).

Outras duas verticais relevantes são Telecomunicações e o mercado financeiro. A solução é vendida por licença tradicional ou por meio de cloud, com parceiros como Amazon Web Services e Microsoft Azzure. Nas operadoras, o caminho da tecnologia para o 5G, que é 100% IP, amplia ainda mais as oportunidades.

"Segurança será crucial nessa nova jornada", observa Becker. A aceleração do uso da Internet das Coisas também amplia as possibilidades de negócios. "Mitigar esses ataques será uma missão diária", completa o diretor geral da F5.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

Crimes na Web: Formjacking vira pesadelo para empresas e muito lucrativo para hackers

Levantamento da Symantec aponta ainda  que oito em cada dez infecções por ransomware acontecem em corporações.

Câmara derruba lei do governo Bolsonaro que aumentou sigilo de dados públicos

O Plenário da Câmara aprovou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 3/19, que suspende os efeitos do Decreto 9.690/19. A matéria irá ao Senado.

Mais de 30% das empresas brasileiras admitem não proteger dados de clientes e funcionários

Levantamento DT Index II, da Dell e da Intel, mostra quase metade dos entrevistados temem pelo futuro de suas companhias nos próximos cinco anos.

Crimes cibernéticos: crimes de ódio aumentaram quase 30%, mas pornografia ainda lidera no Brasil

Eleições exarcebaram os crimes de ódio em todo o país, afirma o Grupo de Apoio sobre Criminalidade Cibernética, do Ministério Público Federal.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G