SEGURANÇA

Mirai, que ataca Internet das Coisas, avança de forma explosiva no Brasil

Ana Paula Lobo ... 26/04/2018 ... Convergência Digital

Os ataques a dispositivos Internet das Coisas cresceram 249% entre 2016 e 2017 no mundo e, especialmente, aqui no Brasil, o botnet Mirai impressiona com a sua capacidade de contaminação de dispositivos como câmeras de segurança IP, gravadores digitais de vídeo, impressoras, roteadores e outros equipamentos dedicados à conexão dos objetivos.

O portal Convergência Digital teve acesso a dados exclusivos da quarta pesquisa feita pelo F5 Labs sobre Internet das Coisas. Os resultados são assustadores. Em 2016, o Mirai estava presente em poucos pontos do País. Em 2017, o avanço foi significativo e há pontos vermelhos em quase todas as localidades.

"O Mirai e seus descendentes são capazes de fazer um ataque de 1,3 Terabits. Isso faz a rede de qualquer operadora do mundo parar", observa o diretor de vendas para a América Latina da F5, Ewerton Vieira. O estudo do F5 Labs mostra que 44% do tráfego de ataque são originários da China, com Estados Unidos na segunda posição e a Rússia na terceira posição.

A surpresa é a presença do Brasil na quarta posição - principalmente no mês de setembro de 2017. Nos outros meses, o país oscila, mas fica no Top 10 dos atacantes. E para piorar, aparece também no top 10 dos países mais atacados.

"No mercado corporativo, a maioria não percebe que os dispositivos estão sendo usados para ataques. Até porque esse uso não significa roubo de dados. Mas isso é agora. Mas quem garante que esse hacker não vá depois atacar o servidor das aplicações? Os gestores de segurança precisam ter mais atenção aos equipamentos sequestrados", salienta Vieira.

Do ponto de vista de segurança, o mais preocupante, destaca o diretor geral da F5 Networks, Hilmar Becker, é o conhecimento do impacto do Mirai e o seu crescimento contínuo na América Latina e no Brasil. "Esse crescimento é a prova que as ações de segurança não estão acontecendo da melhor forma possível".

O estudo do F5 Labs aponta que os Estados Unidos, Cingapura, Espanha e Hungria foram os países mais atacados pelo Mirai nos últimos 12 meses. O estudo projeta mais de 1 trilhão de dispositivos conectados e adverte: é necessária uma legislação global para evitar que se crie 'silos' de proteção. "Os EUA vão ter a sua lei de proteção, mas ela só será válida no País. Não é o melhor caminho para IoT", observam os especialistas da F5 Labs.

Negócios

O governo brasileiro comprou nos últimos seis meses e foi um dos impulsionadores do crescimento de 30% registrado pela F5 Networks no Brasil, aponta o diretor geral, Hilmar Becker. O carro-chefe foi o Web Firewall Application, que funciona como um escudo diante dos ataques e impede o roubo de dados por meio dos ataques DDoS (negação de serviços).

Outras duas verticais relevantes são Telecomunicações e o mercado financeiro. A solução é vendida por licença tradicional ou por meio de cloud, com parceiros como Amazon Web Services e Microsoft Azzure. Nas operadoras, o caminho da tecnologia para o 5G, que é 100% IP, amplia ainda mais as oportunidades.

"Segurança será crucial nessa nova jornada", observa Becker. A aceleração do uso da Internet das Coisas também amplia as possibilidades de negócios. "Mitigar esses ataques será uma missão diária", completa o diretor geral da F5.


NEC - Conteúdo Patrocinado - Convergência Digital
Multibiometria: saiba como ela pode cuidar da sua segurança digital

Plataforma Super Resolution, que integra espaços físicos e digitais, será apresentada pela primeira vez no Brasil no Futurecom 2018. Um dos usuários da solução é o OCBC Bank, de Cingapura. A plataforma permite o reconhecimento instantâneo das pessoas à medida que se aproximem da agência.

BT Brasil defende clientes de mais de 125 mil ataques cibernéticos/mês

De acordo com o diretor geral da operadora no Brasil, Alex Inglês, em 12 meses, a companhia ‘defendeu’ cerca de 18 mil ataques DDoS de larga escala, alguns chegando a 650 gibabits. Complexidade tributária afasta investimentos em rede no Brasil, afirma ainda o executivo.

EUA voltam a acusar China de espionagem cibernética

Agência de Segurança Nacional alega que os chineses violam acordo para restringir esse tipo de ‘ataque’ firmado em 2015.

No Brasil, 20% das PMEs quebram após ataque hackers

Levantamento feito com 285 empresas mostra que boa parte pagou resgate para ter dados recuperados após ataque hacker. O pagamento é feito, em média, de 0,3 a 0,4 do valor de um bitcoin (R$ 9,6 mil). Entre as PMEs pesquisadas, seis de cada 10 admitiram ter sido contaminadas por malware.

Brasileiro desconfia que Lei de Proteção de Dados não vai 'pegar'

Pesquisa mostra que 58% não estão confiantes de que a legislação trará os avanços necessários para a proteção dos dados. Maioria se mostrou bastante preocupada com ataques hackers e de vírus cibernéticos.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G