NEGÓCIOS

Banco Central regulamenta a atuação das fintechs de créditos

Ana Paula Lobo* ... 26/04/2018 ... Convergência Digital

O Banco Central regulamentou nesta quinta-feira, 26/04, as fintechs de crédito, que poderão atuar como Sociedades de Crédito Direto (SCDs), realizando operações com recursos próprios, ou como Sociedades de Empréstimo entre Pessoas (SEP), que conectam investidores a tomadores de recursos. Nessa segunda categoria, uma nova modalidade de empréstimo conhecida no mercado como “peer-to-peer lending”, o financiamento terá limite de 15 mil reais de cada credor para devedor específico.

"Isso não impede que determinada pessoa física contrate empréstimos superiores a esse montante, mas para tanto deverá necessariamente buscar outros credores", explicou o diretor de Regulação do BC, Otávio Damaso. Inicialmente o limite com o qual a Autoridade Monetária trabalhava no âmbito de consulta pública sobre o tema era de 50 mil reais. Segundo Damaso, a redução do valor partiu do pressuposto de que, nesse primeiro momento, o BC acha mais prudente “ir testando”.

Tanto num modelo de fintech quanto em outro as instituições deverão atender a requisitos operacionais e prudenciais proporcionais compatíveis com o seu porte e perfil. Mas a expectativa do BC é que todas entrem a princípio no segmento de regras prudenciais mais simples, o chamado S5, para o qual vale o limite mínimo de capital de 1 milhão de reais. “O que é muito comum é que (elas) começam com produtos de constituição simples e, conforme vão crescendo, vão demandando fazer outros tipos de operações que só vão ser permitidas nos segmentos 4 ou 3”, disse Damaso. As novas regras têm aplicação imediata.

A iniciativa ocorre em meio à rápida expansão das fintechs, que buscam ofertar crédito mais barato do que na setor bancário usando modelos matemáticos que medem com maior assertividade o grau de risco dos clientes. Segundo Damaso, de 10 a 30 empresas seriam contempladas num primeiro momento com essa regulação.

Reação

"O processo de co-criação da legislação adotado pelo Banco Central é muito bem visto pelas fintechs. Enxergamos a legislação como um apoio e reconhecimento à inovação das fintechs e ao seu poder de auxiliar a população a acessar serviços financeiros de qualidade e a custos mais acessíveis", afirma em comunicado à imprensa, Mathias Fischer, Diretor de Regulação da ABFintechs, fundada em outubro de 2016 e que conta, hoje, com 354 associados.

Nos últimos meses, a Associação realizou mais de seis reuniões, por meio de seu grupo de trabalho, e contou com a participação de 32 fintechs e a assessoria do Escritório Mattos Filho Advogados."Apesar das fintechs atuarem legalmente, as regras existentes até então não haviam sido criadas especificamente para elas. Agora será possível operar de maneira regulada e sob a supervisão do Banco Central, o que gera maior confiança a todos os envolvidos no negócio", complementa Fischer.

A Associação também está formando um novo grupo de trabalho para discussão das obrigações que estas empresas passarão a ter. "Com a nova regulação as fintechs de crédito passarão a ser enquadradas como instituições financeiras, com isto haverá necessidade de divulgação de dados para o Banco Central, o que é importante para a manutenção da solidez de nosso sistema, mas pode trazer custos adicionais para as fintechs", completa o Diretor de Regulação da ABFintechs.

*Com agência de notícias e Banco Central


Cloud Computing
Falta de talento incentiva à automatização da nuvem, mas segurança e privacidade ainda são entraves

Pesquisa mostra que as empresas que automatizaram as aplicações legadas e operações de TI na nuvem estão indo além da busca da redução de custos ou da eficiência. Elas usam cloud para inovar seus modelos de negócios.

3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

Com iZettle, PayPal entra na 'guerra das maquininhas' no Brasil

Aquisição da startup custou US$ 2,2 bilhões. No Brasil, a sueca iZettle tem manufatura local das maquininhas na Zona Franca de Manaus com o objetivo de atender pequenos comerciantes.

Xerox rejeita proposta de US$ 6,1 bi da Fujifilm e vai à leilão

Era turbulenta da ex-dona do mercado de impressão segue. Acionistas conseguiram vetar a aquisição da companhia pela rival japonesa. Objetivo é conseguir uma proposta mais elevada.

Banco Votorantim assume custódia e movimentação das contas da fintech Neon

Instituição substituirá o Banco Neon, que sofreu liquidação extrajudicial do Banco Central.

Banco Central regulamenta a atuação das fintechs de créditos

Autoridade monetária estabeleceu limites para empréstimos  'peer-to-peer lending' abaixo do que o mercado esperava. BC projeta que entre 10 a 30 empresas estão contempladas na regulamentação, que passa a ter validade imediata. ABFintechs, que reúne 354 empresas, diz que 'legislação traz mais confiança'.

TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G