Convergência Digital - Home

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Convergência Digital
Da redação* - 27/04/2018

O relatório "Guardiões da confiança" (Guardians of Trust, em inglês) apontou que poucos executivos brasileiros (15%) não confiam nos recursos de análises de dados utilizados. Os dados são mais relevantes se comparados com Estados Unidos e Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos de D&A, alcançando 42% e 43%, respectivamente.

"Essa variação é ocasionada pelos diferentes estágios de transformação digital de cada país. Empresas nos EUA e UK estão mais orientadas a utilizar dados em decisões estratégicas com algoritmos avançados de redes neurais. Considerando a baixa maturidade digital da maioria das empresas brasileiras, a confiança é maior nos dados", analisa o sócio da área da análise de dados da KPMG no Brasil, Ricardo Santana.

Para 62% dos entrevistados as áreas de tecnologia, e não executivos da diretoria ou setores funcionais, são responsáveis quando há falhas em máquinas ou algoritmos. "Existe uma tendência de isentar o negócio principal de decisões relacionadas a máquinas devido ao legado da tecnologia ser considerado suporte e aos especialistas técnicos", completa Santana.

Essa incerteza gera questionamentos sobre o tipo de governança necessária para garantir o uso de análise de dados. Com a pesquisa, as recomendações são: desenvolver normas visando políticas e procedimentos eficazes; aprimorar e adaptar regulamentações para desenvolver a confiança em análise de dados; aumentar a transparência de algoritmos e metodologias; criar códigos profissionais para cientistas de dados; reforçar mecanismos de asseguração que identifiquem áreas deficientes.

"Quando análise de dados e inteligência artificial forem onipresentes será extremamente necessário e difícil gerenciar níveis de confiança. Com a retomada da análise preditiva, devemos estabelecer a governança apropriada nesse ambiente sem regras dos algoritmos. A governança de máquinas deve ser o elemento central das organizações para casar o poder e o risco de D&A para usá-los da forma certa", finaliza Santana.

O relatório

A KPMG solicitou à Forrester Consulting uma pesquisa com 2.190 executivos seniores de nove países — Austrália, Brasil, China, França, Alemanha, Índia, África do Sul, Reino Unido e Estados Unidos — para coletar opiniões sobre a lacuna de confiança entre empresas e processos de análise de dados implantados. A pesquisa identificou dados sobre executivos em nível de diretoria e a responsabilidade em caso de processo de análise de dados falho ou inexato.

Acesse o relatório: https://home.kpmg.com/br/pt/home/insights/2018/02/data-analytics-guardians-of-trust.html

*Fonte: KPMG.

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Big data: Brasil deve elevar investimento em 25% este ano

Estimativa do Gartner foi apresentada por Bruno Russo, integrante da unidade de negócios da Localweb Corp, durante webinar promovido pela Assespro-SP. “O movimento que as empresas estão fazendo hoje é investir em cada vez menos em infraestrutura e cada vez mais em dados", destacou.

Empresário brasileiro é mais confiante em seus recursos de análises de dados

Segundo a consultoria KPMG, apenas 15% dos empresários brasileiros não confiam nos recursos de análises de dados utilizados, se comparados com os Estados Unidos e o Reino Unido, que apresentam baixa probabilidade de confiar nos recursos (42% e 43%, respectivamente).



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site