Home - Convergência Digital

Celular é o meio mais usado para as transações bancárias

Convergência Digital - Carreira
Por Roberta Prescott* - 03/05/2018

O aumento da utilização do banco por meio de aparelhos celulares puxou o crescimento de 10% no número de transações bancárias em 2017, saindo de um total de 65,4 bilhões em 2016 para 71,8 bilhões no ano passado. De acordo com a pesquisa Febraban de tecnologia bancária, divulgada nesta quinta-feira (03/05), o mobile banking saltou de 18,6 bilhões de transações em 2016 para 25,6 bilhões, enquanto as feita pela internet foram 15,5 bilhões em 2016 e 15,8 bilhões em 2017.

Somadas, as transações pelos canais digitais tiveram crescimento de 30%, enquanto os canais tradicionais tiveram queda, e hoje representam 58% do total de transações bancárias no País."O crescimento foi basicamente puxado pelo mobile, devido a alguns fatores como os bancos disponibilizando mais operações pelo celular, os clientes gostando e usando mais e a jornada boa, a facilidade de uso, faz com que você acesse mais vezes o banco pelo celular", explicou Gustavo Fosse, diretor-setorial de tecnologia e automação bancária da Febraban.

O banco pelo celular já representa pouco mais de um terço (35%) das transações bancárias, à frente da internet (22%), ATMs (14%) e PoS (13%). Outro dado que comprova que o celular virou o meio preferido para interação com o banco é o número de transações com movimentação bancária, que teve aumento de 70%. Em 2017, foi 1,7 bilhão de transações com movimentação contra 1 bilhão de 2016 — a maior parte das interações (23,9 bilhões) ainda é para fazer consultas, por exemplo, de salto. Fosse assinala que entre os dois anos muitos bancos passaram a oferecer soluções de crédito pelo celular, o que contribui para o incremento.

No entanto, os canais tradicionais (agências, ATMs, correspondentes e contact center) ainda são os principais para a realização de transações com movimentação financeira: somados, os meios tradicionais fizeram 10,8 bilhões de transações, contra 9,4 bilhões em PoS e 5,3 bilhões nos canais digitais. Uma análise em perspectiva, levando-se em conta os últimos anos, observa-se uma leve queda nos meios tradicionais e aumento tanto nos canais digitais quanto nos PoS.

Já nas transações sem movimentação financeira, os canais digitais lideram. Pela facilidade em consultar saldos, extratos, cotar financiamentos e outros, o acesso pelo celular ou internet representam 78% do total. Ao comentar os resultados da pesquisa, Fosse assinalou que o maior uso do celular e da internet refletem uma importante mudança de comportamento do cliente, que tem dado preferência a sacar menos e fazer mais transferências ou optar pelo cartão.

"Há uma busca pela conveniência", disse, mostrando o crescimento de 85% no pagamento de contas pelo celular e de 25% pela internet; e aumento de 45% no número de transferências (DOC/TED) usando o canal móvel. A pesquisa também mostrou que as contas 100% mobile banking somavam 1,6 milhão em 2017, mais que o dobro dos 591 mil de 2016.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

27/07/2018
Banco do Brasil permite envio de dinheiro via app para o exterior

05/07/2018
Caixa inicia uso do assistente de voz do Google em serviços

25/06/2018
Quem não quer a Lei de Dados Pessoais é quem usa os dados de forma errada

25/06/2018
Smartphones abrem novo ciclo de bancarização no Brasil

21/06/2018
BRQ: quem não entender de tecnologia está fora do jogo

21/06/2018
Dell Brasil: infraestrutura é o equilíbrio entre o legado e digital

21/06/2018
Salesforce faz piloto no Brasil de serviços digitais na nuvem para bancos

21/06/2018
Capgemini: papel dos provedores mudou com a transformação digital

21/06/2018
Bradesco: novos concorrentes vão vir da inovação, mas competição não assusta

21/06/2018
Banese: desenvolvimento ágil está longe de ser uma 'bagunça' da TI

Destaques
Destaques

4G já alcança metade dos celulares no Brasil

No fim do primeiro semestre de 2018, país contava com 118 milhões de chips de quarta geração.

Banda larga móvel: América Latina cobra até três vezes mais pelo espectro

"Políticas de espectro que aumentam os preços e concentram-se em ganhos de curto prazo são incompatíveis com a economia digital", adverte o diretor da GSMA, Sebastián Cabello.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

A IA vai virar a economia de "cabeça para baixo" como um tsunami!

Por: Eduardo Prado *

O impacto só não vai ser mais ser mais rápido nas economias dos países por causa da falta de mão de obra de Inteligência Artificial por conta da carência de especialistas como cientistas de dados.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site