INCLUSÃO DIGITAL

PGR diz que acordo Telebras/Viasat esvazia Plano Nacional de Banda Larga

Luís Osvaldo Grossmann ... 09/05/2018 ... Convergência Digital

A Procuradoria Geral da República defendeu junto ao Supremo Tribunal Federal que seja mantido suspenso o contrato entre a Telebras e a americana Viasat, que prevê o uso da capacidade da banda Ka do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. Para a PGR Raquel Dodge, o acordo causa estranheza, perplexidade e gera dúvidas sobre a lisura das tratativas. E, na prática, representa o esvaziamento das missões de conectividade previstas desde o Plano Nacional de Banda Larga.

“O contrato constitui esvaziamento da função da Telebras como responsável pela exploração da banda Ka do satélite brasileiro, com verdadeira transferência da prestação de serviços de conexão à internet, sem qualquer reserva de exclusividade que garanta a implementação dos objetivos do Plano Nacional de Banda Larga, PNBL”, sustenta Raquel Dodge.

A manifestação se dá em um novo pedido da Telebras, agora ao STF, para que derrube a liminar da 1a Vara Federal do Amazonas que suspendeu o acordo. Raquel Dodge lembra, porém, que esse acordo se deu depois de uma tentativa fracassada da estatal de licitar a capacidade em banda Ka do SGDC e que não respeitou premissas previstas no leilão ou mesmo orientações do Tribunal de Contas da União.

Lembra a PGR que “consignou o TCU que mesmo exercendo atividade finalística própria de seu objeto social, a empresa estatal não detinha discricionariedade irrestrita para escolha do parceiro, mesmo sendo dispensável licitação”. Por isso, afirma que “causa estranheza o contrato celebrado, poucos meses depois do edital de chamamento, entre Telebras e Viasat para operação de 100% da banda Ka do SGDC. Ao se levar em conta as premissas assentadas pelo Tribunal de Contas da União, fica muito difícil não notar irregularidades na parceria em questão, restando claro que a estatal não adotou as recomendações do órgão de contas.”

Entende Dodge que “por mais que sejam desconhecidas as disposições contratuais, a outorga de 100% da operacionalização da banda de responsabilidade estatal causa perplexidade e gera dúvidas acerca de possíveis privilégios ao particular, tratamento desigual entre os interessados e prejuízo ao erário”. 

Daí concluir a PGR que “é temerário que 100% dos dados operacionalizados na banda Ka do satélite brasileiro – incluindo as referidas demandas da administração pública – estejam sendo compartilhados com a empresa americana Viasat, principalmente levando-se em consideração que as regras de confidencialidade da informações firmadas entre as parceiras não são conhecidas. Tampouco sabe-se acerca das obrigações da organização estrangeira para com seu Estado-nação”.

Portanto, defende a PGR que o contrato seja devidamente analisado dentro do processo que corre na Justiça Federal do Amazonas e que até lá não há motivos que justifiquem derrubar a liminar que suspendeu o acordo entre a estatal e a Viasat. “Óbices ou atrasos nas ações referentes aos programas de acesso a internet desenvolvidos pela União não constituem fundamento suficiente para o acolhimento da suspensão.”

Telebras responde

Em nota de posicionamento enviada ao portal Convergência Digital, a Telebras informa que "em relação ao parecer da Procuradoria-Geral da República, disponibilizado nesta terça-feira (8), a Telebras informa que solicitará nova oportunidade junto às instâncias do Judiciário para esclarecer a lisura do processo de parceria com a Viasat e oferecer todas as informações sobre o contrato ao Poder Judiciário. Ciente das suas responsabilidades, a Telebras confia na atuação da Justiça a fim de manter a implementação dos objetivos do Programa Nacional de Banda Larga."


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.

Anatel vai avaliar cobertura em banda Ka para troca de 450 MHz por satélite

Com a questão ainda empatada no Conselho Diretor, área técnica da agência terá 30 dias para demonstrar qual é a capacidade real de substituição dos compromissos assumidos pelas operadoras.

Viasat define projeto para vender Internet nas áreas mais remotas do Brasil

Segundo a vice-presidente da empresa americana, Lisa Scalpone, ofertas levam em conta a realidade de cada cidade com serviços de WiFi Comunitário, mas também será direcionada para empreendedores e usuários domésticos.

UIT: Cada 10% de penetração da banda larga eleva PIB em até 1,5%

Estudo da União Internacional de Telecomunicações indica que o crescimento da banda larga móvel tem impacto mais significativo entre os países mais pobres.

Novo edital para Cidades Digitais exige compartilhamento das fibras

Edital vai beneficiar 107 municípios com R$ 64 milhões para a implantação de infraestrutura de banda larga.

Provedores devem apontar PTTs que grandes operadoras terão que conectar

Anatel quer estabelecer os critérios para definir quais os pontos de troca de tráfego deverão constar das ofertas de referencia das teles com Poder de Mercado Significativo.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G