TELECOM

Maior acionista da Oi tenta barrar recuperação judicial nos EUA

Luís Osvaldo Grossmann ... 14/05/2018 ... Convergência Digital

A maior acionista da Oi, a Pharol (ex-Portugal Telecom), está se valendo do processo que corre nos Estados Unidos para tentar impedir a homologação internacional do acordo de credores da operadora brasileira. Para isso apresentou em Nova York uma objeção ao plano de recuperação judicial como aprovado em dezembro de 2017.

A Bratel, pela qual a Pharol detém 22% da Oi, alega violações aos direitos dos acionistas e procedimentos ainda pendentes de julgamento. “Há questões de profunda relevância relacionadas à Oi e seus acionistas ainda em discussão judicial e de arbitragem, o que impediria a homologação do plano perante a justiça americana”, sustenta a Bratel em comunicado.

A Oi rebate, em nota, lembrando que a corte de Nova York já concedeu anteriormente a garantia de que a recuperação judicial é assunto afeito ao Brasil. “A Oi considera que a Pharol age de forma isolada em relação à totalidade dos stakeholders neste processo.  A objeção da Pharol foi a única, de mérito, protocolada nos EUA contra os pedidos de aplicação de força e efeito ao plano de recuperação judicial brasileiro aprovado por maioria absoluta e homologado pela Justiça brasileira e traz argumentos  que simplesmente refletem aquilo que eles tem insistido, sem sucesso, em todas as esferas judiciais no Brasil.”

De fato, no recurso nos EUA a Bratel/Pharol alega que “o conflito societário envolve principalmente a necessidade de deliberação prévia dos acionistas em assembleia a respeito do aumento de capital e as alterações de governança previstas no Plano de Recuperação”. E que ainda existem recursos judiciais pendentes sobre o assunto movidos também pela Anatel e pelo Ministério Público, além da mencionada arbitragem.

Para a direção da Oi, o argumento é indevido. “O que mais chama atenção é o uso indevido que a Pharol fez do processo de mediação iniciado a partir da decisão do juízo da 7ª Vara Empresarial do RJ. O procedimento em questão tem como foco a estabilização do processo de RJ e a redução de litígios e não a rediscussão do PRJ já aprovado e homologado. O uso deste procedimento para tentar convencer o juízo americano a não reconhecer e dar força e efeito ao PRJ homologado é apenas mais uma estratégia de usar a mediação para impedir a implementação da Recuperação Judicial, o que não pode ser aceito.”

A discussão no judiciário americano é possível porque a Oi Coop, subsidiária holandesa da Oi para captação de recursos, emitiu títulos nos EUA. Com a falência da Oi Coop decretada na Holanda, existe a necessidade de reconhecimento da Justiça americana de que o assunto é de outra jurisdição. Essa competência “internacional” é sobre o que trata o ‘capítulo 15’ da Lei de falências dos EUA.


Internet Móvel 3G 4G
Municípios seguram 4 mil pedidos para novas antenas de celular

A instalação dessas estações radio-base movimentaria R$ 2 bilhões. Só em São Paulo são 1,2 mil, mas há dois anos não há qualquer permissão municipal.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Guerra fria na Telecom Italia, dona da TIM, ganha novo capítulo 'sangrento'

A francesa Vivendi reclama de quebra dos princípios de governança corporativa da operadora italiana com a não convocação de uma assembleia de acionistas.

Bens reversíveis: Anatel não está apegada a 'rótulos patrimoniais ou funcionais'

Para Ronaldo Neves, assessor da presidência da Anatel, 2018 está sendo um ano interessante para a posição da agência com relação ao tema, classificado como instigante. Segundo ele, a reversibilidade está associada apenas ao bem direcionado para a prestação do serviço concedido.

Metodologia da Anatel obriga teles irem à Justiça contra valores de multas

"Cabe à agência fazer uma reflexão de como está cobrando. As infrações cometidas no 2º semestre têm valor de multa maior do que as mesmas infrações cometidas no 1º semestre", explica o advogado Rodrigo Greco, da Rodrigo Greco Associados.

Arbitragem resolve conflitos, mas não é para todo tipo de empresa

“A arbitragem é muito boa para resolução de conflitos para questões de grande dimensão econômica, com cifras milionárias, e alta complexidade técnica”, advertiu Gustavo Schmidt, SLK Advogados.



Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G