TELECOM

Teles: Falta coragem política para aprovar novo marco legal

Luís Osvaldo Grossmann ... 23/05/2018 ... Convergência Digital

Os presidentes das maiores operadoras de telecomunicações do Brasil usaram o principal evento de posicionamento político do setor para reclamar da falta e liderança governamental, materializada nos sucessivos impasses na revisão do marco regulatório do setor. Reunidos no Painel Telebrasil 2018, os executivos sustentam que as medidas necessárias são conhecidas, falta implementar.

“Já temos o diagnóstico, sabemos o que fazer. O que precisamos é de uma liderança, de um projeto de governo, da Presidência da República. Como foi apresentado aqui, o que aconteceu na Coreia, na China, não foi só movimento da iniciativa privada. Não podemos perder este ano e discutir as mesmas coisas no Painel do ano que vem. Temos que elevar a discussão para a Casa Civil, para a Presidência da República, para que transformar o que queremos fazer em um projeto de governo”, afirmou o presidente do grupo Algar, Luiz Alexandre Garcia.

O tom foi comum entre os principais executivos do setor no debate desta quarta, 23/5, em Brasília. “Hoje falta coragem, a coragem da época da privatização. Não porque quem está no comando seja menos corajoso, mas os escândalos de corrupção parecem ter nos levado para um excesso de prudência. Nosso setor não precisa de dinheiro público. Existe dinheiro velho que estamos jogando fora. Queremos mudar as obrigações e convertê-las para o que tem alinhamento com o que a sociedade quer”, disse o presidente da Telefônica, Eduardo Navarro.

“Falta atitude no sentido de encaminhar mais rápido para fazer as coisas acontecerem. Sou otimista, mas também fico preocupado. Não há conscientização política para aprovação de um projeto que será benéfico para a sociedade. Espero que consigamos convencer a classe politica de como somos relevantes e que se permita que as empresas tenham o retorno esperado”, emendou o presidente da Claro Brasil, Paulo César Teixeira.

O cerne da bronca dos presidentes das teles é a paralisação do projeto de lei que muda o marco setorial e abre caminho para o fim das concessões, permitindo que todos os serviços sejam prestados no regime privado e um deslocamento de recursos atualmente ainda aplicados na telefonia para, especialmente, a oferta de acesso a internet. Para os executivos, os mais de dois anos de tramitação ainda sem solução visível para o PLC 79/16 é a materialização da mencionada carência de liderança política no processo.

Como lembrou o presidente da Tim, Stefano de Angelis, há dois anos havia confiança no setor de que haveria um encaminhamento de alterações legais com efeitos diretos e indiretos no setor. Mas assim como o PLC 79, a agenda de reformas ficou prejudicada. “Precisamos urgentemente retomar o caminho das reformas e rever totalmente a estrutura da regulação. Precisa ter um pouco mais de coragem. Estamos com um modelo antigo e temos medo de mudar.”

“Transformar concessões e destravar investimento é muito importante. Dois anos pode não ser muito tempo para o Congresso, mas para a economia é. Temos um setor regulado e precisamos de modernidade da legislação. É um setor de suma importância e os políticos têm que dar essa importância. O PLC 79 é urgente, não pode passar deste ano sob pena de ficar muito mais difícil. E a consequência para o mercado é ficar parado”, pontuou o presidente da Oi, Eurico Teles.

Assistam a íntegra do painel dos CEOs de Telecom.


Internet Móvel 3G 4G
5G: redes comerciais na América Latina em 12 a 18 meses

Crescimento rápido do 4G abre espaço para investimentos no 5G, afirma a 5G Americas. América Latina pode fechar 2018 com 258 milhões de conexões LTE ativas, incluindo o M2M.

Telefónica conduz projeto de transformação digital da Avianca

O acerto terá validade de cinco anos e inclui serviços de voz tradicional, conectividade de dados, apoio de infraestrutura (LAN/WLAN/Centro de cabos), segurança digital e soluções de redes definidas por software (SDN).

Banda larga patina no Brasil por falta de recursos para a infraestrutura

Um estudo elaborado pela consultoria Oliver Wyman,  sustenta a obsolescência da telefonia fixa e a necessidade de maiores investimentos em banda larga. Defende ainda que o momento é o de revisar o modelo de Telecomunicações.

Megaoperação de fiscalização da Anatel impede a venda de 25 mil equipamentos irregulares

Operação aconteceu nos dias 22, 23 e 24 de maio, em sete estados: São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Minas Gerais e Bahia.

Europa costura legislação mais leve para telecom em troca de investimentos

Segundo a agência Reuters, parlamentares e governos do bloco fecharam acordo informal para o novo marco regulatório das comunicações eletrônicas, com metas de aprovação no Parlamento Europeu ainda no início de junho.

TV por assinatura: Oi fica cada vez mais perto da Vivo

Mercado segue com sangria de assinantes e fechou abril com 17,97 milhões de contratos ativos. Na briga das operadoras, Grupo Claro tem larga vantagem sobre a Sky/AT&T na disputa pela liderança.

Proposta da Anatel reduz alíquota do Fistel a zero e amplia uso do Fust

Minuta de projeto de lei apresentada com o plano estrutural de redes eleva o fundo de universalização de 1% para 3% da receita e obriga o uso dos recursos em telecom, informou o conselheiro da agência reguladora, Aníbal Diniz.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G