GOVERNO » Legislação

Câmara aprova reoneração da folha, mas mantém regime para TI e call center até 2020

Luís Osvaldo Grossmann* ... 24/05/2018 ... Convergência Digital

A crise do preço dos combustíveis e a paralisação do país com a greve dos caminhoneiros forçou a votação do projeto de lei 8456/17, que trata da reoneracao da folha de pagamento para a maioria dos setores até aqui beneficiados, mas que mantém até 2020 essa alternativa tributária para duas dezenas deles, a começar pelas empresas de TI e call center.

“Nos pautamos em três critérios: setores que mais empregam, setores que sofrem concorrência desleal de produtos importados e setores estratégicos para o desenvolvimento de tecnologia, inclusive o setor de defesa”, afirmou o relator do projeto, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP).

O texto vinha sendo costurado ao longo dos últimos 10 meses porque o relator queria deixar mais setores com o benefício. Desde a primeira tentativa de eliminar a desoneração da folha, com a Medida Provisória 774, o governo queria nesse regime apenas construção civil, transportes de passageiros, jornais e emissoras de rádio e TV, no lugar dos 56 então incluídos.

Com a greve dos caminhoneiros surgiu um acerto para buscar uma forma de reduzir o preço do óleo diesel, o que acabou atrelado à recuperação de receitas com a eliminação da desoneração da folha. Por isso o projeto inseriu uma emenda para zerar PIS e Cofins do combustível até o fim deste 2018. Em contrapartida, a reoneração deve render R$ 1,5 bilhão no que resta deste ano. A partir de 2019, o corte do estímulo tributário recupera R$ 6 bilhões por ano.

No caso das empresas de TI, a medida permite manter até o fim de 2020 a opção pela contribuição de 4,5% sobre o faturamento, no lugar dos 20% sobre a folha de pagamento. Para call centers a alíquota é de 3%, enquanto as empresas estratégicas de defesa podem optar por recolher 2,5% sobre o faturamento.

Podem também optar pelo regime até o fim de 2020 os setores de couro, confecção e vestuário; carroceria de ônibus; máquinas e equipamentos industriais; móveis; indústria ferroviária; fabricantes de equipamentos médicos e odontológicos; fabricantes de compressores; têxtil; reparos e manutenção de aeronaves e de embarcações; todas as embarcações, além do varejo de calçados e acessórios de viagem, todos com alíquota de 2,5%.

Para construção civil e de obras de infraestrutura, a alíquota é de 4,5%. Transporte coletivo de passageiros rodoviário, metroviário (metrô) e ferroviário, 2%. Para comunicação (rádio, TV, impressos), ônibus, calçados, artigos têxteis usados, transporte rodoviário de cargas e transporte aéreo a alíquota é de 1,5% sobre a receita bruta. E para carne suína, avícola e pescado, 1%.

O texto aprovado pelos deputados também prevê que os valores pagos a mais durante a vigência da MP 774 em 2017 “serão considerados pagamentos indevidos e poderão ser compensados com futuros débitos de contribuição previdenciária patronal do mesmo contribuinte, ou a ele restituídos nos termos da legislação vigente”.

* Com informações da Agência Câmara


Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.

CDES quer prioridade para proteção de dados e transformação digital

O Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES) recomendou ao governo que garanta dotação orçamentária adequada e mecanismos de acompanhamento da digitalização do setor público.

Serpro estuda redução de jornada para cobrir eventual reoneração da folha

Informação veio através de comunicado da diretoria da empresa no Rio de Janeiro, que alega que a folha de pagamentos já alcança 70% da receita líquida e não teria como voltar a assumir um aumento de 20% na tributação pela folha.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G