Home - Convergência Digital

GSMA: Diferença entre mulheres e homens preocupa na América Latina

Convergência Digital - Carreira
Agência Telebrasil - 25/05/2018

A participação das mulheres no mercado de tecnologia da informação e comunicação (TIC) precisa aumentar tanto no Brasil quanto no mundo, seja como consumidoras ou usuárias. Quais ações são necessárias para incrementar o porcentual das mulheres nos cargos de direção e as razões que dificultam esta ascensão foram debatidas em painel da sessão temática realizada nesta terça-feira, 22/05, durante o Painel Telebrasil 2018, que ocorre nesta semana, em Brasília.

De acordo com dados do relatório The Mobile Gender Gap Report 2018, da GSMA (associação global do ecossistema móvel), apresentado durante a sessão, é 15% menos provável que uma mulher possua um smartphone do que um homem no Brasil. A diferença está acima da média global e que a dos países em desenvolvimento, onde a probabilidade de mulheres possuírem aparelhos móveis é 10% menor do que a dos homens.

Paula Ferrari, diretora de marketing da GSMA, comentou sobre a pesquisa mostrou que que mulheres portando aparelhos celulares se sentem mais conectadas, seguras, independentes e conseguem aportar dinheiro pela tecnologia móvel. "A conclusão mais importante é que menos mulheres possuem telefones móveis que homens e menos ainda usam internet", disse. Globalmente, a brecha de acesso à tecnologia digital entre as mulheres é de 10% e de uso de 26%, enquanto no Brasil, o porcentual da brecha de uso é de 2% nas zonas urbanas, mas de 32% nas rurais. "Vemos esta discrepância em toda América Latina."

Ferrari apontou que as barreiras de acesso à tecnologia digital para fechar a brecha de gênero móvel passam pelo custo do terminal e de serviços de internet; acessibilidade (como cobertura e eletricidade); proteção contra roubo; cultura; e conteúdo relevante. "Não há mulheres desenvolvendo tecnologia e nem conteúdos para tecnologia", pontou.

Para que esta lacuna seja preenchida, são necessárias ações como o "Dia Internacional das Meninas em TICs", data tem como foco mostrar o valor das mulheres na área e busca encorajar mais meninas a planejarem carreiras no setor, como o acesso à educação de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês). "A Anatel apoiou o evento da UIT que comemora as mulheres nas TICs. É preciso e construir pontes e o caminho é pela educação", salientou Amélia Alves, ouvidora da Anatel, acrescentando que a mudança cultural passa pelo processo de aprendizagem.

Do lado companhias, políticas empresariais, como licença maternidade, espaços para amamentação e fomento à troca de experiências para que as mulheres encontrem orientação e apoio umas nas outras, servem como estímulo para a redução de evasão feminina. Além disto, como destacou Camilla Tapias, vice-presidente para assuntos corporativos da Telefônica, fomentar a diversidade nas empresas é uma questão de pensar os negócios no longo prazo.

A Vivo lançou programa de diversidade focado em quatro pilares: gênero, raça, pessoas com deficiência e LGBT. Para as mulheres, a meta é aumentar a presença feminina entre a força de trabalho e no nível de diretoria. "O objetivo é claro: levar mulheres para o patamar de 30% em cargos de direção até 2020, hoje estamos com 18%. O grupo tem esta meta para todos os países. O caminho da escalada feminina para o topo das empresas é difícil e temos de atacar a causa-raiz", pontuou.

Na mesma linha, Maria Teresa Azevedo Lima, diretora-executiva da Embratel, lembrou que o entrave começa na graduação com pouca presença feminina em cursos como ciências da computação, engenharia, áreas econômicas e da saúde. "Estou há 19 anos na Embratel. As mulheres são 34% da força de trabalho e de cada três gestores que temos, um é mulher", apontou. Para ela, a resolução da lacuna entre homens e mulheres passa por políticas públicas que incentivem as meninas a escolherem tais áreas de graduação. "O gap precisa ser enfrentado com diálogo e com participação das organizações, do poder público e de políticas adequadas."

A Ericsson é mundialmente reconhecida por políticas que promovam a igualdade. "Quando o fundador saiu do país para expandir internacionalmente, a esposa dele ficou tocando a empresa na Suécia", contou Georgia Sbrana, VP de marketing e comunicação da Ericsson. "Na Suécia, a força feminina é acima de 50%; globalmente, a meta é ter 30% da força de trabalho feminina. Hoje, no Brasil, estamos em 24%", disse.nOutra política da multinacional é fornecer licença maternidade de um ano e paternidade de seis meses, corroborando que a função de criar filhos é do casal.

No campo público, a composição tende a ser mais igualitária, uma vez que os contratados entram por concurso público, lembrou Elisa Leonel, superintendente de relações com o consumidor da Anatel. "Na Anatel, 24% da força trabalho é feminina e as mulheres ocupam 20% dos cargos gerenciais", disse, citando como uma das dificuldades para a ascensão de mulheres a não substituição de assessores. "Se a mulher engravida e sai de licença, não ninguém entra no lugar."

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

15/04/2019
Sem profissionais qualificados, Brasil pode esquecer a transformação digital

12/04/2019
O profissional do futuro de TI é alguém que ninguém conhece

11/04/2019
Mudanças no eSocial reforçam liderança da Receita Federal

01/04/2019
Inteligência emocional faz a diferença na escolha do profissional de TIC

01/04/2019
Brasil leva seis alunos de TICs para a semifinal mundial do Huawei ICT Competicion

07/03/2019
5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

14/12/2018
Especialista tributário sugere a adoção de um 'Simples' para TI

12/12/2018
"Nem no século 25 um robô vai tirar o lugar do homem na produção da cultura"

27/11/2018
Setor de TI quer resgatar projeto original do Parque Capital Digital

16/11/2018
Ceará avança com PPPs para ser um hub nacional de TICs

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

Decisão aconteceu em uma ação de uma atendente contratada pela Contax, prestadora de serviços de call center, para atuar como terceirizada na Telemar Norte Leste.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site