Convergência Digital - Home

Brasília terá o primeiro Datathon do Brasil

Convergência Digital
Convergência Digital - 11/06/2018

Participantes de todos os cantos do mundo vão poder participar do datathon - Desafio de Dados sobre Saúde Pública no Brasil, competição que envolve análise de dados abertos com o objetivo de produzir infográficos, insights e outras narrativas sobre as informações disponibilizadas pelo governo brasileiro. A expectativa é que o material produzido pelos participantes possa fazer uma real diferença na compreensão dos problemas na área de saúde do país.

Datathon é o nome técnico desse concurso de análises de dados abertos que aos poucos vem se popularizando pelo mundo. Diferentemente de um hackathon - que tem local específico e prazo reduzido para sua realização - esse tipo de competição pode acontecer online, por um período mais longo e com participantes em diferentes países.

As inscrições são gratuitas. O lançamento do Desafio de Dados está marcado para o dia 14 de junho de 2018, às 17h00, no auditório da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra), data de abertura das inscrições. É importante que os candidatos fiquem atentos, pois há um limite de 500 análises. É possível se candidatar individualmente ou em equipes de até 3 pessoas.

Inovação

A iniciativa nasceu da vontade de aproximar desenvolvedores e profissionais de análise de dados de grandes questões nacionais. E a pasta da saúde é uma delas: é o maior investimento do país, comparado a outras rubricas orçamentárias.

"Queremos promover um debate qualificado para melhorar e ampliar o entendimento sobre saúde pública no Brasil a partir dos insights feitos pelos competidores do Desafio. O Datathon pretende fomentar análises propositivas, que podem apresentar potenciais tendências, identificar comportamentos e contextualizar dados da área de saúde, auxiliando na construção de políticas públicas", explica Gustavo Guimarães, presidente da Qubo Tecnologia, empresa responsável pela realização do Desafio de Dados.

Para Claudia Taya, Secretária de Transparência e Prevenção da Corrupção da Controladoria Geral da União (CGU), uma das instituições apoiadoras, o Datathon traz avanços. "Vemos com bons olhos essa iniciativa, pois quando você permite que o cidadão utilize as bases públicas para fazer um estudo mais aprofundado, isso contribui para os nossos gestores públicos, que podem ter acesso a análises inovadoras em relação a própria política pública", ressalta.

A importância dos Dados Abertos

A realização de um datathon só é possível porque existem Dados Abertos, ou seja: aqueles que podem ser acessados livremente por qualquer pessoa, e que podem ser modificados e compartilhados para qualquer finalidade, estando sujeitos a exigências que visem preservar sua proveniência e sua abertura. Isso geralmente é satisfeito pela publicação dos dados em formato aberto e sob uma licença aberta.

Alguns critérios para um dado ser considerado aberto: se o dado não pode ser encontrado e indexado na Web, ele não existe; se não estiver aberto e disponível em formato compreensível por máquina, ele não pode ser reaproveitado; e se algum dispositivo legal não permitir sua replicação, ele não é útil.

Os participantes do datathon vão poder utilizar dados do Ministério da Saúde, SICONV, IBGE, ANVISA, Ipea, Dieese, Portal da Transparência e todos os que puderem ajudar a contextualizar os dados da saúde pública.

O Brasil possui uma Política de Dados Abertos que foi instituída pelo decreto 8.777/2016, que estabelece o Plano de Dados Abertos - documento orientador para as ações de implementação e promoção de abertura de dados de cada órgão ou entidade da administração pública federal, obedecidos os padrões mínimos de qualidade, de forma a facilitar o entendimento e a reutilização das informações. "Os dados abertos estão entre os avanços mais recentes entre as políticas de transparência. Com eles, o cidadão pode auxiliar o poder público na construção de políticas públicas e no controle social, acompanhando a aplicação do recurso público", explica Claudia Taya.

SERVIÇO Datathon - Desafios de Dados da Saúde Pública no Brasil

Lançamento: 14 de junho de 2018, às 17h, no auditório da Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra) - Inscrições gratuitas

Realização: Qubo Tecnologia

Patrocinadores: Qubo Tecnologia, Tableau Software, Federação das Indústrias do Distrito Federal (Fibra), Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados (IBPAD)
Participação: Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae)

Apoio Institucional: Ministério da Saúde (DEMAS/SAGE/MS e DECIIS/SCTIE/MS), Controladoria Geral da União e SACTI/GDF

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Embratel une Open Stack à rede definida por software em serviços na nuvem

Nuvem pública especializada e feita sob demanda para os clientes empresariais é a estratégia da  operadora para avançar no segmento de cloud. "Não vamos concorrer com a nuvem pública, mas o nosso serviço é desenhado para atender ao negócio", diz o diretor-exeutivo da Embratel, Mario Rachid.

Apenas 16% das PMEs brasileiras usam capacidade de processamento em nuvem

O dado faz parte da pesquisa TIC Empresas 2017, que pela primeira vez, avaliou a adoção de serviços cloud pelas pequenas e médias empresas no País. O e-mail na nuvem é o serviço mais usado, com 27%.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Mão de obra é o "Calcanhar de Aquiles" da Inteligência Artificial

Por Eduardo Prado*

Em artigo exclusivo para o Convergência Digital, o consultor Eduardo Prado, mostra como os gigantes da tecnologia travam uma dura batalha para conseguir fidelizar os especialistas existentes. Ele também adverte: há uma busca desenfreada pela competência em IA.

A IA traz emoção e empatia às "máquinas"

Por Eduardo Prado*

Imagine se as tecnologias – assistentes virtuais (tipo Alexa da Amazon), veículos autônomos, aparelhos de televisão, frigoríficos conectados, telefones celulares – estivessem cientes das suas emoções? E se elas percebessem o seu comportamento não-verbal em tempo real?


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site