GOVERNO » Legislação

Senado adota PL de dados pessoais da Câmara. Meta é aprovar Lei antes do recesso

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/06/2018 ... Convergência Digital

Diante da considerada hegemônica manifestação de apoio ao projeto de lei de proteção de dados pessoais na forma como saiu da Câmara, o relator do assunto no Senado Federal, Ricardo Ferraço (PSDB-ES) anunciou nesta terça, 26/6, que vai adotar o PLC 53/18 e tentar aprovar o texto o mais rapidamente possível.

“Não temos tempo a perder. Minha decisão é de fazer pontuais correções na direção da melhor técnica legislativa, mas vou trabalhar para seguirmos adiante na forma do PLC 53/18 aprovada na Câmara. Vou dialogar para que possamos aprovar o projeto na Comissão de Assuntos Econômicos já na próxima semana, para levarmos com urgência ao Plenário e aprovarmos antes do recesso parlamentar”, afirmou Ferraço ao fim da audiência pública que tratou do projeto na CAE. “Hegemonicamente o que assisti foi uma manifestação muito favorável a que esse debate vá adiante”, completou.

De fato, representantes da Academia, de movimentos sociais, entidades de defesa de direitos digitais, empresas de TICs, de comércio e até a Confederação Nacional da Indústria apresentaram na reunião opiniões amplamente favoráveis a que o Senado aprove o projeto que já passou pela Câmara. Uma “conjunção astrológica favorável”, ainda que improvável, como descreveu o professor e especialista no tema Danilo Doneda.

O texto da Câmara foi fortemente influenciado pelo PL 5276/16, a proposta encaminhada pelo Poder Executivo no último ato legislativo de Dilma Rousseff como presidenta. Na forma como está, o projeto exige consentimento para tratamento de dados, mas o dispensa em casos de “legítimo interesse” e quando as informações foram tornadas públicas pelo próprio titular, como aquelas postadas em redes sociais.

O projeto de lei tem regras tanto para empresas privadas como para o Poder Público, mas excetua o tratamento de dados de segurança pública e nacional, a serem regidos por legislação específica. Separa o que chama de dados “gerais”, para uso dos quais exige “consentimento livre, informado e inequívoco”, e dados “sensíveis”, para os quais prevê consentimento “em destaque e para finalidades específicas”.

Em que pese o apoio “hegemônico”, Ferraço pediu para a mobilização continuar. Em especial porque há ainda um setor descontente, os bancos, que pedem mais flexibilidade ainda do texto – por exemplo, que um consentimento valha para diferentes tratamentos dos dados, ou que possa haver transferência para qualquer país, mesmo quando não houver proteção equivalente. “É muito importante a participação de todos, conversando com os senadores. Para que o consenso esteja presente”, insistiu o relator.


Revista do 62º Painel Telebrasil 2018
Veja a revista do 62º Painel Telebrasil 2018 Brasil Digital: O futuro é agora - é o tema da revista do Painel Telebrasil 2018.
Edição, com 104 páginas, consolida os debates realizados no evento, que reuniu a indústria de Telecomunicações.
Clique aqui para ver outras edições

TSE: software usados na urna eletrônica são desenvolvidos no Tribunal

Presidente do STF, ministro Dias Toffoli, também rebateu a suposição de fraude. “Digo apenas que ele (Jair Bolsonaro) sempre foi eleito usando a urna eletrônica. Os sistemas são abertos a auditagem para todos os partidos políticos seis meses antes da eleição, para todos os candidatos e para a OAB”.

Órgãos públicos centralizam atendimento de ouvidorias em um único portal

Novo Decreto obriga a integração dos canais de atendimento de todos os órgãos da administração federal direta. Atualmente existem 386 unidades de ouvidorias federais. A governança ficará com a Controladoria Geral da União.

eSocial já tem 1 milhão de empresas, mas grandes estão atrasadas

Das mais de 12 mil empresas que devem substituir o recolhimento do FGTS até 27/8, menos de 8 mil estão prontas.

Plano de IoT aguarda apenas a assinatura do presidente Temer

"O decreto está pronto", diz Thiago Camargo, da Secretaria de Políticas Digitais do MCTIC. Sobre Transformação Digital, ele lembra que o governo deve atuar como facilitador.

eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G