INTERNET

Estagnação no Sudeste reduz desigualdade da internet brasileira

Luís Osvaldo Grossmann ... 29/06/2018 ... Convergência Digital

O NIC.br lançou um livro que analisa a internet brasileira a partir das pesquisas realizadas entre 2013 e 2016, além de incorporar dados inéditos sobre as medições de desempenho feitas a partir do aplicativo Simet. O retrato do período foi de melhora na velocidade, mas com piora na latência. E o que parece uma menor disparidade regional, mas ao custo da estagnação do desempenho no Sudeste do país.

Os dados do Simet refletem os brasileiros que usaram esse sistema para medir o desempenho de duas conexões. E enquanto em 2013 eles representavam menos de 600 mil registros, em 2016 já superavam os 2 milhões. Esses dados avaliam especialmente a velocidade de download, latência e jitter, que é a variação da latência. Assim, em 2013, a mediana de velocidade da internet brasileira era de 7,99 Mbps. Ao fim de 2016, passara para 9,6 Mbps. Enquanto a latência cresceu de 13,73 ms para 20,1 ms.

No período, o Sudeste, que sempre apresenta o melhor desempenho, teve uma melhoria leve na velocidade, cuja mediana foi de 8,7 para 10 Mbps. Mas no mesmo período o Norte subiu de 3,8 para 8,4 Mbps, enquanto no Nordeste o saldo foi de 4,9 para 9,2 Mbps. Já a latência no Sudeste passou de 12,6 para 15,7 ms, enquanto no Norte foi de 53,6 para 57,5 ms, e no Centro-Oeste pulou de 24,1 para 30,6 ms. No Nordeste, recuou de 35 para 34 ms, ainda o segundo maior.

O livro Banda Larga no Brasil: um estudo sobre a evolução do acesso e da qualidade das conexões à Internet avalia que diferenças persistem. Em latência “Norte e Nordeste apresentaram as maiores medianas aferidas, denotando pior desempenho da qualidade da conexão em relação ao tempo gasto para transmissões de informação. No início da série histórica, a mediana da latência do Norte era quase cinco vezes maior que a do Sudeste – e, ao final do período analisado, 3,6 vezes maior.”

Nesse caso e na velocidade, a conclusão é de que a “redução da diferença revela, em parte, a melhora do indicador na região com situação mais precária. Contudo, ela também é explicada pela manutenção dos índices na região com melhor desempenho, ou seja, naquele período, o Sudeste não teve uma melhora significativa na qualidade da conexão, fazendo com que a diferença de seus índices diminuísse em relação ao Norte.”

No mais, o trabalho sintetiza conclusões de estudos do período sobre TICs nos domicílios, nas empresas, na educação, no governo, na saúde e nos provedores. E por fim reforça que “ainda que as questões de infraestrutura dos territórios e as despesas com conexão não sejam necessariamente os únicos fatores impeditivos, os dados apresentados evidenciam o custo como a principal barreira de acesso à Internet declarada pelos brasileiros nas diferentes regiões do país”. No geral, 26% no Brasil declaram o custo como maior barreira, seguida pelo desinteresse (25%) e pela falta de habilidade (14%).

“Os resultados descritos reforçam que as disparidades existentes entre as regiões brasileiras seguem marcantes, no que diz respeito ao acesso à conexão de Internet de qualidade. As barreiras de custo e as situações de desigualdade regionais historicamente constituídas no país ainda persistem como fatores que dificultam a inclusão digital dos cidadãos e das instituições brasileiras em relação à conexão de Internet de melhor qualidade. Por outro, alguns avanços também são observados nos anos analisados pelo estudo. Entre 2013 e 2016, período de análise considerado, além da ampliação do acesso à banda larga, também houve melhora na qualidade das conexões, no que se refere à velocidade e estabilidade.”


Europa busca consenso para taxar gigantes da Internet

Uma nova proposta costurada por Alemanha e França reduz o escopo da cobrança para mirar apenas nas receitas com publicidade.

5G exige rediscussão imediata da neutralidade de rede

"Serão novas e tão diferentes aplicações, e algumas até podem fazer a diferença entre a vida e a morte. A questão da neutralidade precisa ser encarada agora no mundo e aqui no Brasil", sustenta o diretor da 5G Americas e de Relações com o Governo da Ericsson Brasil, Tiago Machado.

Serviço de streaming de esporte chega ao Brasil e usa YouTube e Facebook

A DAZN inicia oferta comercial em março do ano que vem e terá exclusividade da Copa Sul-Americana de 2019. Modelo de negócio é por curto prazo e por partida transmitida. Empresa, especializada em esportes, tem atuação na Europa, EUA e Ásia

Associação de OTT quer Autoridade de Dados tratada na transição do governo Bolsonaro

Associação Brasileira de OTT diz que a criação da autoridade poderá ficar prejudicada após a intensa mudança de quadros no Executivo e Legislativo o que poderá prejudicar a aplicação efetiva da Lei de Dados Pessoais em 2020.

Só 27% dos que usam smartphones se sentem no controle dos dados pessoais

Pesquisa em 10 países, inclusive no Brasil, aponta que os sucessivos casos de vazamentos e novas leis de proteção da privacidade despertaram a preocupação com dados pessoais e 76% tentam protegê-los.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G