GOVERNO » Legislação

Lei de Informática pôs o Brasil no sistema tecnológico global

Luís Osvaldo Grossmann ... 05/07/2018 ... Convergência Digital

A sinalização do governo, ao tratar do tema na Câmara dos Deputados, de que não pretende modificar a estrutura dos incentivos de P&D em uma eventual nova Lei de Informática não chega a tranquilizar as empresas que usam os benefícios. Na prática, a ideia é que o mecanismo de P&D será mantido ou ampliado – e uma possibilidade seria aumentar os 4% da receita anual que devem ser investidos em pesquisa. Mas também sugere que o governo trabalha com mudanças no sistema de Processo Produtivo Básico.

“Como muitas empresas globais viemos ao Brasil muito em função da Lei de Informática. Mas é importante manter todos os pilares. Se a P&D não está sendo atacada, também temos que preservar a produção”, destacou o diretor de projetos especiais da Dell EMC no Brasil, Mauricio Helfer. “Quando falamos em perder benefícios da lei, estamos falando em enfraquecer o ecossistema digital do Brasil exatamente neste momento de transformação”, emendou o presidente da Bematech, Eros Jantsch.

Como essas, empresas nacionais e multinacionais, a exemplo de Weg, Smart, Teikon e Ericsson, se valeram do debate promovido nesta quinta, 5/7, pela comissão de Ciência e Tecnologia da Câmara para mostrar resultados efetivos da Lei. E um ponto comum é o entendimento de que os incentivos criaram um ecossistema tecnológico de nível mundial no Brasil.

“A Lei de Informática gerou não só uma produção competitiva, mas competitiva com presença externa e sem reserva de mercado. A presença do produto importado está garantida no mercado. Eles continuam entrando. Mas a Lei permitiu o ganho de escala e a competitividade. Se não houvesse estímulo concreto para o desenvolvimento dos produtos no Brasil, jamais teríamos gerado escala para ganhar o mercado externo”, resumiu o diretor de estratégias corporativas da Weg, Daniel Godinho.

E consolidou um ecossistema de conhecimento também. Como destacou o professor Silvio Meira, da UFPE e do Instituto Cesar, “a legislação criou uma capacidade de desenvolvimento que não teria acontecido, ou teria muita dificuldade, não ela não existisse. Os institutos e centros tecnológicos que existem nas universidades são fruto direto da Lei de Informática. Não fosse a lei,  não teríamos nem a capacidade que temos de desenvolver software.”


Revista do 63º Painel Telebrasil 2019
Veja a revista do 63º Painel Telebrasil 2019 Transformação digital para o novo Brasil. Atualizar o marco regulatório das telecomunicações é urgente para construir um País moderno, próspero e competitivo.
Clique aqui para ver outras edições

Telebras faz Assembleia Geral para aprovar capitalização de R$ 1,512 bilhão

Assembleia geral para tratar do aumento de capital foi agendada para 31 de outubro. Proposta da estatal - que integra lista de privatizações do governo Bolsonoro - dá prioridade à União, como principal acionista da empresa.

Congresso restaura poder de punição à Autoridade de Dados

O Congresso Nacional derrubou vetos feitos pelo presidente Jair Bolsonaro à MP 869/18, que se transformou na Lei 13.853/18. A Autoridade Nacional de Proteção de Dados ganhou independência para aplicar multas às empresas e aos órgãos públicos. Mas foi mantido o veto para as exigências feitas aos encarregados das empresas pelo tratamento de dados.

Carteira de Trabalho digital adota CPF para identificar trabalhador

Versão digital da CTPS será previamente emitida a todos os inscritos no Cadastro de Pessoa Física, mas será preciso habilitar o novo documento via aplicativo ou pelo portal de serviços do governo federal. Documento também será usado no novo eSocial que está em elaboração.

ABES: Majorar serviços em 25% inviabiliza a economia digital

A afirmação é do presidente da Associação Brasileira de Empresas de Software, Rodolfo Fücher. Sobre a Lei de Informática, o executivo sustenta que o processo do governo é muito demorado e trava a inovação.

Resolução abre estudos para privatização de Serpro e Dataprev

Quase um mês depois da decisão anunciada, Conselho do Programa de Parceria de Investimentos determina a análise, que deve ficar com o BNDES, “de alternativas de desestatização ou parceria com a iniciativa privada”.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G