Home - Convergência Digital

Oi e TIM ampliam acordo de compartilhamento de radiofrequências

Convergência Digital - Carreira
Luís Osvaldo Grossmann - 12/07/2018

A Anatel aprovou nesta quinta-feira, 12/7, um novo aditivo ao acordo de compartilhamento de infraestrutura e radiofrequência entre Oi e TIM, originalmente firmado em 2013 para uso comum de estações radio-base em 2,5 GHz, mas que agora também vai envolver a partilha da própria radiofrequência, além de incluir também a faixa de 1,8 GHz.

“Compartilhamento é essencial para a redução de custos. Em um cenário de Ebitda estável ou decrescente, associada a maior exigência de investimentos, esse modelo tem sido adotado tanto no Brasil como em outros países. É positivo para o interesse público pois possibilita ofertas mas atrativas e maior qualidade, visto que há reduções tanto de Opex quanto Capex, menor impacto urbanístico, modernização das redes e ganhos na cobertura 4G”, defendeu o relator do pedido, Leonardo Morais.

Tecnicamente, o compartilhamento se torna mais intenso com o novo aditivo. As empresas já se valiam do modelo conhecido como MORAN, que envolve o acesso compartilhado e faixas dedicadas, mas que na engenharia era muito mais uma partilha de equipamentos, notadamente quando da instalação do 4G nas cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. Agora vão se valer também do modelo MOCN, de engenharia para o compartilhamento de um conjunto de frequências.

Na análise da Anatel, o acordo de RAN Sharing (ou partilha de recursos de acesso) iniciado em 2013 não resultou em nenhum tipo de concentração do mercado e a nova autorização mantém a premissa de independência mercadológica entre as prestadoras envolvidas. “É interessante que o mercado esteja amadurecendo nesse sentido, porque favorece a cobertura de áreas desprovidas”, afirmou Morais.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

22/03/2019
Oi testa 5G na faixa de 3,5GHz em Búzios, no Rio de Janeiro

22/03/2019
Oi quer licença da Anatel para investir em redes que União terá que indenizar

21/03/2019
Oi reforça portfólio para transformação digital da gestão pública

19/03/2019
Oi quer aumentar lojas por meio de franquias

18/03/2019
TIM ativa rede NB-IoT com alcance de 100 Km em Goianésia, interior de Goiás

15/03/2019
Oi faz campanha para consumidor escolher nome para chatbot de atendimento

14/03/2019
Oi tem vagas em sete estados para pessoas com deficiência

11/03/2019
4G da Oi leva Internet e comunicação à estação brasileira da Antártica

28/02/2019
Oi vence Unitel em disputa de R$ 2,4 bilhões

21/02/2019
Anatel multa Oi por segurar R$ 8 milhões da TIM por um ano

Destaques
Destaques

Para Ericsson, 5G vai fazer acontecer, de verdade, a indústria 4.0

Presidente da fabricante para a América do Sul, Eduardo Ricotta, diz que uma operadora com 50 Mhz a 80 Mhz terá espectro para oferecer bons serviços, especialmente, o da banda larga fixa móvel. "Há cidades no Brasil, com menos de 100 mil habitantes, com conexões de 2 Mbits. O 5G vai chegar oferecendo bem mais", observa.

5G vai gerar 15 milhões de novos empregos até 2025

O ecossistema 5G está em ebulição e demandará muita mão de obra, afirma o diretor da Huawei, Carlos Roseiro. Segundo ele, vão surgir aplicações, muitas ainda inimagináveis, nos próximos seis anos. "O 5G começa hoje. A frequência virá para dar mais capacidade", observa o especialista.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Desvende 10 mitos sobre os cartões biométricos

Por Cassio Batoni*

Como toda nova tecnologia, os questionamentos sobre a sua segurança e e a sua confiabilidade ainda existem e são compreensíveis, mas ela veio para ficar. A impressão digital surge como a confirmação principal de que o usuário é quem diz ser.


Copyright © 2005-2019 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site