Home - Convergência Digital
Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Convergência Digital - Carreira
Por MarcosSantos* - 16/07/2018

Para ter uma empresa que se destaque no mercado, é preciso, antes de tudo, investir em seus colaboradores. No caso de uma empresa global, uma das formas de ajudar seus funcionários a crescer e demonstrar reconhecimento por seus esforços, principalmente em um país onde 62% dos jovens e 43% dos adultos pretendem deixar o país, segundo levantamento recente do DataFolha, é por meio da expatriação. Não só engenheiros e desenvolvedores, no caso de TI, mas também executivos.

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho. As pessoas e todas as outras oportunidades que um novo país e cultura podem oferecer são uma bagagem que costuma estimular um melhor desempenho do expatriado. A ação é uma condecoração pelo esforço dedicado à companhia.

A mudança exige uma taxação pela transferência internacional de trabalhadores - e, devido à crise político-econômica pela qual estamos passando, houve uma queda de 9% de expatriados entre 2016 e o último ano -, que acaba por reforçar o reconhecimento de uma companhia ao fazer essa movimentação. As empresas devem ver o bem-estar, crescimento e o estímulo dos funcionários como um fator fundamental para o alcance de resultados e números positivos. Assim, os melhores vão querer trabalhar naquele lugar. E, se a companhia possibilita que continuem aprendendo constantemente e mostra apreciação, a rotatividade naquele espaço será pequena e o aprimoramento das equipes constante.

Uma transferência de colaboradores é, ainda, a oportunidade de mostrar o potencial da unidade brasileira e fazê-la se destacar no exterior, já que é uma outra forma de contribuir para a empresa em escala mundial. Além disso, uma ação assim propicia um olhar globalizado para supervisionar novos projetos e mais adaptável para lidar com clientes de vários países.

A expatriação representa ainda a internacionalização de uma equipe, que traz uma ampla perspectiva de diversas regiões e culturas. Característica tão necessária para uma empresa global e que não desmerece o talento brasileiro que tanto precisa de reconhecimento. Depois de gastarmos tanto em máquinas, chegou a hora de investirmos no potencial humano que as constrói, para que continuem a aprimorá-las.

* Marco Santos é managing director da GFT para a América Latina e presidente do Conselho Fiscal da Brasscom. Profissional referência em estratégias digitais para o mercado financeiro, é formado em Ciência da Computação pela Universidade de São Paulo (USP), cursou MBA em Comércio Internacional na FIA-USP, Gestão de Negócios Internacionais na Universidade de Illinois, entre outros cursos no MIT, APICS e Business School SP.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

Destaques
Destaques

'Jogo de cintura' não é balela. É sobrevivência

Mas toda flexibilidade exige limite. Um profissional precisa ter uma meta, um plano de carreira bem claro. A inflexibilidade também tem um custo para o profissional que se recusa a ver os novos tempos.

Funcionários brasileiros burlam regras de segurança de TI por software e apps

Justificativas para a quebra da hierarquia são variáveis, entre elas desponta 'porque os software baixados são melhores do que o que a minha empresa oferecia". No Brasil, boa parte não entende o efeito da Inteligência Artificial.

Brasileiro revela pavor de perder o emprego

Estudo da Confederação Nacional da Indústria mostra que os profissionais brasileiros nunca ficaram tão preocupados com o emprego quanto agora. Sentimento cresce entre os homens, mas são as mulheres as mais assustadas com a possibilidade de demissões.

Profissional do futuro simplesmente não existe

A advertência foi feita pela futurista Lala Deheinzelin, criadora do movimento "Crie Futuros". Segundo ela, já não se pode mais pensar em uma profissão ou em um profissional. É preciso imaginar células, cada uma com sua capacidade. A união de todas elas é que será, de acordo com a especialista, capaz de nos levar a um mundo desejável.

Flexibilização no trabalho: prática bem longe da realidade no Brasil

Pesquisa mostra que 75% dos brasileiros ainda trabalham no formato tradicional: no escritório e no horário comercial. Estudo mostra ainda que 58% das empresas não fornecem recursos suficientes para viabilizar o home office.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site