Home - Convergência Digital

Entrevista em inglês não é um bicho de sete cabeças

Convergência Digital - Carreira
Da redação - 16/07/2018

A entrevista é parte crucial para conseguir um emprego e pode ser um verdadeiro desafio para alguns candidatos - e se for em inglês pode ser ainda mais complicado. A fluência em inglês é um requisito importante para muitas vagas. “O mundo está cada vez mais interligado e sem fronteiras, devido ao avanço da tecnologia. Seguindo esta linha, o inglês é o idioma mais falado no mundo e sem dúvidas é o mais exigido em empresas com grande visibilidade internacional”, afirma Rodrigo Vianna, CEO da Mappit, empresa do Grupo Talenses, especializada no recrutamento de profissionais em início de carreira, em entrevista ao canal Carreira, do Info Money.

Lucas Oggiam, gerente sênior da Page Personnel, consultoria global especializada em cargos de nível técnico e suporte à gestão, explica que no mundo ideal a entrevista em português e em inglês deveria ser exatamente a mesma e não ser um item de separação entre candidatos. "Mas no mundo real que o Brasil vive, o déficit que os candidatos enfrentam para falar a segunda língua é enorme. Fora o nervosismo da entrevista, é preciso encará-la fora da sua zona de conforto", diz.

Do total de contratações realizadas em 2018 pela Mappit, 45% delas exigiam algum nível de inglês no currículo. “E é importante reforçar que quanto mais subimos na carreira, mais esse idioma é requisitado. O ideal é começar a aprender logo cedo, mas o mais importante é estudar, pois nunca é tarde demais”, explica o CEO da Mappit. Veja as dicas dos especialistas:

Seja transparente
   
Seja honesto com seu nível de inglês e com você mesmo no currículo e durante a entrevista. Segundo Oggiam, quando o candidato coloca inglês básico ele não consegue desenvolver uma conversa em uma entrevista, nem entender o que lhe é pedido. "O inglês intermediário é capaz de entender algumas frases, mas tem dificuldade de conversar de forma fluida. Do candidato que diz ter inglês avançado ou fluente espera-se que saiba conduzir uma entrevista, com perguntas e um papo informal, geralmente sobre hobbies, dia a dia, perguntas mais direcionadas ao que fez em algum trabalho, etc". A ideia é ser verdadeiro e ter calma na hora de responder as questões. "Não existe nada mais frustrante para o empregador ou recrutador, do que a pessoa falar que sabe inglês e quando ouve uma pergunta mais elaborada, trava e não consegue responder", explica Oggiam.
   
Treine antes da entrevista
   
Para lidar com uma situação que você não se sente confortável não há outra solução, se não treinar. "Se você não fala no dia a dia ou tem alguma limitação, treine, exercite o idioma em casa. Fale em voz alta e ouça depois. Ver filme sem legenda não é suficiente, saiba estruturar uma resposta em inglês", explica Oggiam.Segundo Vianna, o candidato deve se preparar para responder perguntas inevitáveis: "é possível prever os questionamentos mais comuns, como o motivo do interesse na empresa e na vaga, o que sabe sobre a empresa, por que você deve ser contratado (a), qual seu ponto fraco, por exemplo".
   
Seja objetivo
   
Vianna aconselha que o candidato se apresente de forma clara e resumida, incluindo as informações mais importantes: formação, experiências profissionais relevantes, situação profissional atual e interesse pela vaga de emprego, até para lidar melhor com o nervosismo e evitar errar ao falar demais. Para Oggiam, é melhor ser objetivo e acertar do que ficar enrolando sem dizer nada importante.

Saiba usar o vocabulário
   
"Pesquise palavras e termos usados no setor específico da empresa em questão: isso pode ser feito com a leitura de relatórios de associações ou mesmo de consultorias e ajuda na formulação das respostas da entrevista, dando credibilidade", sugere Vianna. O vocabulário é importante porque o recrutador quer ouvir pessoas que sabem do que estão falando, "não enrole", explica Oggiam. Segundo ele, "a realidade do momento demonstra seus pontos fortes e fracos", então, seja sincero. E, por isso, busque vocabulário e termos técnicos antes da entrevista para não travar durante a mesma. "Se você não sabe usar uma palavra ou expressão, não use", diz. Ao mesmo tempo, o gerente sênior explica que o candidato deve ser realista com as necessidades do trabalho e função que ele quer executar. Se há um vocabulário técnico, estude para tal.

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

08/03/2019
Igualdade de gênero é uma mentira. Mulheres vão levar 202 anos para ganhar igual aos homens

22/02/2019
Mercado de trabalho: Lacunas de habilidades distanciam patrões e profissionais

20/02/2019
Futuro do trabalho: reinventar o RH custará muitos erros

15/02/2019
Harvard tem 24 cursos gratuitos para Ciência de Dados e de computação

14/02/2019
Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

13/02/2019
Aplicativo disponibiliza mais de 600 tipos de aulas

01/02/2019
Networking: peça conselhos, não favores

21/01/2019
Marketplace móvel faz hackathon para área de pagamentos

16/01/2019
Por transformação digital, empresas 'caçam' especialistas UX/UI Designer

07/01/2019
2019: o ano do paradoxo no mercado de trabalho em TI

Veja mais artigos
Veja mais artigos

O futuro do trabalho colocado à prova

Por Luiz Camargo*

Novas profissões exigem também novas habilidades para acompanhar a revolução digital. Os novos empregos certamente irão demandar habilidades analíticas, matemáticas e digitais, com um toque de neurociência.

Destaques
Destaques

TST para de julgar terceirização à espera de Acórdão do STF

Embora a maioria do Supremo Tribunal Federal tenha declarado ser constitucional a terceirização de atividade-fim, seção de dissídios decidiu suspender análise até a publicação daquela decisão, tomada em agosto de 2018.

Mais de 60% dos brasileiros estão infelizes, mas têm medo de mudar de emprego

Estudo da Brands2Life, com o LinkedIn, traz um dado assustador: 80% dos brasileiros não se candidata para a vaga de trabalho que gostaria. Cerca de um terço dos profissionais deixa de se candidatar a uma nova vaga por falta de confiança na sua própria capacidade.

Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

Também foi incluída na lista divulgada pelo governo Federal o serviço de teleatendimento. Decisão está publicada na portaria 443/2018.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site