INTERNET

Custo até 20 vezes maior é o entrave para enterrar redes

Por Roberta Prescott* ... 19/07/2018 ... Convergência Digital

Enterrar a rede que hoje é aérea tem sido um dos focos na discussão sobre o desordenamento dos postes, que hoje têm um emaranhado de fios, entre ocupação legal, clandestina e fiação sem uso. O tema foi debatido em workshop realizado na Fiesp. Nessa quarta-feira (18/7), representantes da prefeitura, da Eletropaulo, do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (Seesp) e da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) se reuniram para tratar de soluções tecnológicas e padronização de procedimentos para a execução de projetos, obras e fiscalização. Também abordaram as necessidades de realização de planejamento integrado e compartilhamento da infraestrutura das redes aéreas e subterrâneas.

A Eletropaulo está investindo R$ 21,5 milhões na região da Vila Olímpia e R$ 29,4 milhões no entorno do Mercado Municipal em obras de enterramento da rede elétrica (redes subterrâneas).  Na cidade de São Paulo, a distribuição de energia é feita por 968 quilômetros de rede subterrânea, 22.503 quilômetros de rede aérea e 872 quilômetros de linhas de subtransmissão.

A Eletropaulo tem projetos que envolvem o enterramento de redes na cidade de São Paulo e um de remoção de postes em região onde a rede já é enterrada.  Contudo, a remoção dos postes depende da retirada dos ativos de terceiros que usam a infraestrutura, como operadoras de telecomunicações e empresas de internet que passam cabos.  

Leia também:
Resolução do desordenamento das redes aéreas e terrestres tem de envolver prefeituras

Sidney Simonaggio, vice-presidente de relações externas da Eletropaulo, disse, durante sua apresentação no workshop, que a rede subterrânea atende 7% do volume de carga atendida e que os motivadores do enterramento da rede incluem estética, concentração de carga, condições climáticas e salto de qualidade do fornecimento. Contudo, ele ressaltou que não é uma solução adequada para todas as ruas e nem todos os bairros.

Uma das principais barreiras é o custo, que fica de dez a 20 vezes maior que o da rede aérea. “Não é para uso genérico; tem de enterrar onde faz sentido”, disse, adicionando que o custo da manutenção é 24% maior que o da rede aérea. Como financiar o enterramento da rede se mostra uma questão delicada. “A forma mais evidente é colocar na tarifa, mas parece não ser a solução”, disse, apontando como algumas alternativas a isenção de impostos dentro do programa de enterramento de rede e a cobrança daqueles que obtiveram ganho patrimonial dos imóveis na região beneficiada. “Tem de ser visto com visão de longo prazo.”  

Marcius Vitale, consultor e coordenador do grupo de infraestrutura do SEESP, Presidente da Adinatel e CEO da Vitale Consultoria, alertou para o congestionamento do subsolo. “Não existe compartilhamento, cada ocupante quer ter a sua caixa. Daí, temos filas de caixas. Dutos não compartilhados são enterrados e estão sendo soterrados sem a possibilidade de remanejamento futuro”, ressaltou. Outro problema identificado é como interligar as dezenas de caixas com as edificações.  Acompanhe a cobertura do assunto no portal da Abranet.

 


Internet fica com 47% dos gastos com publicidade

Segundo a consultoria Zenith, parte do grupo francês Publicis, até 2021, rede vai deter 52% dos gastos totais com propaganda, que neste ano devem crescer 4,6%. 

Cade arquiva processo contra o Google por práticas anticompetitivas no ecommerce

A acusação partiu da E-Commerce Media Group Informação e Tecnologia, dona dos sites Buscapé e Bondfaro. Segundo a empresa, o Google estaria “raspando” avaliações de produtos que clientes para exibi-las como conteúdo no Google Shopping.

Dados pessoais são "de pessoas" e a LGPD não vai matar os negócios

Os advogados Paulo Vidigal, do Opice Blum Associados, e Fernando Bousso, do Baptista Luz Associados, advertem: a venda de base de dados é proibida hoje e seguirá proibida com a LGPD.

Oi amplia vantagem contra TIM e NET no ranking da Netflix

No mês de maio, a Oi ficou à frente das rivais na banda larga por fibra óptica com velocidade média de 4,04 Mbps. A tele está na primeira posição  no ranking da OTT há quatro meses.

STJ: Provedor de internet tem obrigação de fornecer IP de usuário que invadiu e-mail

Relatora Ministra, Nancy Andrighi, sustentou que as prestadoras de serviços de Internet (operadoras inclusas) estão sujeitas ao artigo 1.194 do Código Civil de 2002. Segundo ela, os dados armazenados pelos provedores devem ser suficientes para a identificação do usuário.

Revista Abranet 27 . abril/junho 2019
Veja a Revista Abranet nº 27 A Convenção Abranet 2019 debateu economia, política e gestão. Cerca de cem empresas de internet e de tecnologia puderam ter uma visão mais clara sobre o que esperar no curto prazo. E muito mais.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G