TELECOM

Bens reversíveis: aprovação do PLC 79/16 é a saída para impedir os litígios

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/07/2018 ... Convergência Digital

Em seminário promovido pela Anatel  nesta quinta-feira, 19/07, para ouvir das empresas de telecomunicações o que fazer com os bens reversíveis, especialistas ressaltaram a necessidade de clareza sobre o que vai constituir um eventual encontro de contas ao fim das concessões de telefonia. E que o caminho mais tranquilo para superar esse assunto seria o avanço legislativo da revisão da Lei Geral de Telecomunicações.

“A reversão de bens é um instrumento para proteção do investidor, assim como o contrato de concessão. Para que alguém invista em infraestrutura que é pública é preciso segurança jurídica e garantia de retorno dos investimentos. Existe reversibilidade porque ao final vai se fazer uma conta para avaliar se será necessário indenizar o investidor”, afirmou o professor da PUC-SP, Jacintho Câmara.

Diante dos sinais de que houve retorno dos investimentos com a compra das estatais e que as regras preveem o retorno à União da posse sobre as redes, não surpreende uma certa convergência para a necessidade de uma solução prática para o inverso: interessaria ao Estado garantir que a infraestrutura continue com as empresas por um preço. O cerne da problemática seria, portanto, a definição das parcelas e minuendos dessa conta. 

Para a economista Cláudia Viegas, da LCA Consultores, isso implica em cercar precisamente o STFC e, assim, também evitar que a dúvida contamine novos investimentos. “A realidade se impõe. O STFC não tem mais a mesma utilidade lá de trás. O que a gente precisa hoje é de expansão da banda larga. E precisa de segurança na definição clara e na justa medida do que prevê o estatuto da reversibilidade, que é a continuidade do serviço de voz, STFC, prestado em regime público. Confundir isso com a infraestrutura prestada para outros serviços só vai resultar em menos investimentos em expansão da rede.”

“É importante caminharmos para a visão funcional, não ficar discutindo se caberia a visão patrimonialista. A discussão é sobre os bens exclusivamente utilizados pelo STFC, e os parcialmente na devida parcela em que são utilizados”, disse o professor Caio Mario Pereira Neto, da FGV, que reforçou o impacto negativo da indefinição sobre o que isso significa efetivamente. “A incerteza gerada já paralisa os investimentos do setor, ou pelo menos parte”, ementou.

Em discussão sobre o tema mais espinhoso do setor, lá mesmo qualificado de “polêmico” e “controverso”, a ausência mais notável no seminário da Anatel foi o contraditório. Nem que fosse para lembrar que se o STFC vai se mostrando pouco atraente, é um mercado que continuou crescendo até 2015. E que se a telefonia não empolga mais como serviço, ainda é a infraestrutura utilizada para entregar metade das conexões fixas à internet no Brasil. Esse dissenso, se não foi expresso no auditório da agência, certamente o será no Judiciário.

“Haverá uma enorme divergência sobre a conta, com grande potencial de litígios”, reconheceu o professor da FGV, que vê a saída em mudar a Lei Geral de Telecom. “As dificuldades operacionais de precificar, de definir como seria uma transferência de posse, seriam melhor superadas com a atualização do marco legal do setor, especificamente a partir do PLC 79/16, cujo cerne é transformar as concessões em autorizações, extinguindo a reversibilidade em troca de investimentos. Sem devaneios para um lado ou outro. Não é R$ 100 bilhões, não é zero.”


Internet Móvel 3G 4G
Internet das Coisas é prioridade e vai muito além da oferta de conectividade

A afirmação foi feita pelo Chief Data Officer da Telefónica/Vivo, Chema Alonso. O especialista falou ainda sobre projetos para o melhor uso de Inteligência Artificial na área da Segurança da Informação.

Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Anatel abre 90 dias para teles inscreverem suas inovações ao consumidor

Edital do Concurso Prática Inovadora nas Relações de Consumo nos Serviços de Telecomunicações 2019  prevê premiações separadas para pequenas e grandes empresas.

4G da Oi leva Internet e comunicação à estação brasileira da Antártica

Condições na base Comandante Ferraz - com ventos de até 200 Km/h e temperaturas recordes negativas - são inóspitas. Por vídeochamada, o comandante Geraldo Juaçaba e o diretor da Oi, Roberto Blois, falam ao Convergência Digital sobre o impacto dessa nova infraestrutura de telecomunicações na vida da base brasileira.

Sangria na telefonia fixa faz mercado perder meio milhão de linhas em janeiro

Nos 12 meses terminados em janeiro, sangria de assinantes do STFC passou de 2,5 milhões de acessos. A Oi, entre as concessionárias, detém 56,04% das linhas ativas. Entre as autorizadas, a Claro aparece com 10,2 milhões de linhas ativas, ou 62,41%.

Oi vence Unitel em disputa de R$ 2,4 bilhões

Segundo a empresa, a decisão da Câmara de Comércio Internacional na arbitragem que corre desde 2015 entendeu que “os outros acionistas da Unitel violaram diversas previsões do acordo de acionistas”.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G