TELECOM

Bens reversíveis: aprovação do PLC 79/16 é a saída para impedir os litígios

Luís Osvaldo Grossmann ... 19/07/2018 ... Convergência Digital

Em seminário promovido pela Anatel  nesta quinta-feira, 19/07, para ouvir das empresas de telecomunicações o que fazer com os bens reversíveis, especialistas ressaltaram a necessidade de clareza sobre o que vai constituir um eventual encontro de contas ao fim das concessões de telefonia. E que o caminho mais tranquilo para superar esse assunto seria o avanço legislativo da revisão da Lei Geral de Telecomunicações.

“A reversão de bens é um instrumento para proteção do investidor, assim como o contrato de concessão. Para que alguém invista em infraestrutura que é pública é preciso segurança jurídica e garantia de retorno dos investimentos. Existe reversibilidade porque ao final vai se fazer uma conta para avaliar se será necessário indenizar o investidor”, afirmou o professor da PUC-SP, Jacintho Câmara.

Diante dos sinais de que houve retorno dos investimentos com a compra das estatais e que as regras preveem o retorno à União da posse sobre as redes, não surpreende uma certa convergência para a necessidade de uma solução prática para o inverso: interessaria ao Estado garantir que a infraestrutura continue com as empresas por um preço. O cerne da problemática seria, portanto, a definição das parcelas e minuendos dessa conta. 

Para a economista Cláudia Viegas, da LCA Consultores, isso implica em cercar precisamente o STFC e, assim, também evitar que a dúvida contamine novos investimentos. “A realidade se impõe. O STFC não tem mais a mesma utilidade lá de trás. O que a gente precisa hoje é de expansão da banda larga. E precisa de segurança na definição clara e na justa medida do que prevê o estatuto da reversibilidade, que é a continuidade do serviço de voz, STFC, prestado em regime público. Confundir isso com a infraestrutura prestada para outros serviços só vai resultar em menos investimentos em expansão da rede.”

“É importante caminharmos para a visão funcional, não ficar discutindo se caberia a visão patrimonialista. A discussão é sobre os bens exclusivamente utilizados pelo STFC, e os parcialmente na devida parcela em que são utilizados”, disse o professor Caio Mario Pereira Neto, da FGV, que reforçou o impacto negativo da indefinição sobre o que isso significa efetivamente. “A incerteza gerada já paralisa os investimentos do setor, ou pelo menos parte”, ementou.

Em discussão sobre o tema mais espinhoso do setor, lá mesmo qualificado de “polêmico” e “controverso”, a ausência mais notável no seminário da Anatel foi o contraditório. Nem que fosse para lembrar que se o STFC vai se mostrando pouco atraente, é um mercado que continuou crescendo até 2015. E que se a telefonia não empolga mais como serviço, ainda é a infraestrutura utilizada para entregar metade das conexões fixas à internet no Brasil. Esse dissenso, se não foi expresso no auditório da agência, certamente o será no Judiciário.

“Haverá uma enorme divergência sobre a conta, com grande potencial de litígios”, reconheceu o professor da FGV, que vê a saída em mudar a Lei Geral de Telecom. “As dificuldades operacionais de precificar, de definir como seria uma transferência de posse, seriam melhor superadas com a atualização do marco legal do setor, especificamente a partir do PLC 79/16, cujo cerne é transformar as concessões em autorizações, extinguindo a reversibilidade em troca de investimentos. Sem devaneios para um lado ou outro. Não é R$ 100 bilhões, não é zero.”


Anteprojeto que muda Fust e Fistel chega ao MCTIC

Anatel encaminhou a proposta como sugestão de uso dos recursos e redução de taxas incidentes sobre a internet das coisas. Mas teles questionam contas.

Teles reduzem índice de queixas dos usuários. Pós-pago foi o mais reclamado

Reclamações contra os serviços de telefonia fixa, móvel, TV por assinatura e banda larga caíram 15,6% no primeiro semestre, de acordo com dados da Anatel. Mas com o impulso do 4G, o celular pós-pago, por conta da cobrança dos pacotes, foi o mais reclamado em junho.

Prejuízo acelera processo de venda da Nextel Brasil

Controladora da operadora, NII Holdings, amargou um prejuízo de US$ 20 milhões, ou R$ 80 milhões, no segundo trimestre. Rumores dão conta que TIM e Telefônica/Vivo disputariam o ativo.

Fundos americanos já concentram 26% da Oi

Depois do York e do Goldentree, operadora informou ao mercado que o fundo Solus ficou com 9,71% do capital. BDNES perdeu participação.

Oi chama ex-presidente da TIM para novo Conselho de Administração

Além dos atuais seis integrantes do conselho transitório, proposta traz mais cinco nomes ao novo conselho, entre eles Rodrigo Abreu, ex-TIM e, hoje, na Quod.

TIM não vai repassar ao cliente custo de contrato com WhatsApp Business

Operadora foi a primeira a fechar um acordo comercial para uso da ferramenta da OTT no Brasil e, neste momento, não vai cobrar dos clientes pelo uso do canal de relacionamento.


Veja a revista do 61º Painel Telebrasil 2017
Revista do 61º Painel Telebrasil 2017
A edição de 2017 do Painel Telebrasil enfatizou a necessidade de atualização do modelo de telecomunicações e a definição de uma agenda digital para o País.

Painel Telebrasil 2017 - Cobertura Especial ConvergênciaDigital


Clique aqui e acompanhe a cobertura completa do Painel Telebrasil 2017

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G