NEGÓCIOS

Apenas 200 empresas negociam bitcoin no Brasil

Ana Paula Lobo ... 25/07/2018 ... Convergência Digital

Fala-se muito da tecnologia de bitcoin (criptomoedas) e de blockchain, mas ainda há um mercado enorme para ser conquistado do ponto de vista prático, uma vez que apenas 200 empresas aceitam as bitcoins como meio de pagamento no Brasil. No mundo, esse número passa um pouco das 13 mil, o que comprova ser um mercado bastante incipiente, comentou o CEO do Mercado Bitcoin, Gustavo Chimati, em encontro com a imprensa, nesta quarta-feira, 25/07, na capital paulista.

"Se formos pensar em ATMs, o Brasil então está ainda mais distante. Há uns quatro disponíveis. Nós mesmos importamos o primeiro, mas para uma degustação. No mundo já é possível usar 2700 ATMs para trocar bitcoins por moedas financeiras", explicou Chimati. Aos 10 anos de idade - foram criadas em 2008 - as bitcoins têm uma estrutura definida como, por exemplo, o fato de já se saber que até 2140 vão existir 21 milhões de unidades de bitcoins.

"Isso está valendo e não há como mudar. Foram as regras estabelecidas. E o fato a se destacar é que, hoje, existem no mundo 25 milhões de carteiras digitais de bitcoins, com forte tendência de crescimento. Isso significa que já há mais carteiras digitais do que vamos ter de unidade de bitcoin", salienta Chimati.  O alto valor da bitcoin - hoje a cotação estava em torno de R$ 30 mil - é por conta de a bitcoin ser uma moeda, um ativo e um meio de pagamento.

"Podemos comparar o bitcoin ao ouro, como ativo global e de proteção de investimentos. Como meio de pagamento, como a bitcoin permite o uso dos centésimos, também pode ser tratada como um dinheiro tradicional. O valor está ligado a essa questão. O bitcoin mexe com o sistema financeira, extremamente regulado e, exatamente por isso, provoca um medo enorme. Mas é uma tecnologia que veio para ficar", sublinha o CEO da Mercado Bitcoin.

À espera da regulamentação, as empresas ligadas ao novo negócio - as corretoras de bitcoin, como é o caso da própria Mercado Bitcoin, e as empresas de blockchain - criaram a Associação Brasileira de Criptoeconomia (Abcripto). A entidade é presidida pelo economista-chefe da Mercado Bitcoin, Luiz Calado.  "Falamos em criptoeconomia porque queremos mostrar que o bitcoin envolve vários contextos, como ser um ativo global de pagamentos, ou como meio de pagamentos", explica o executivo.

O tema é tão sensível que já há uma rusga no mercado. A Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain (ABCB), que entrou com uma ação no CADE contra os bancos, não é reconhecida oficialmente pela Associação Brasileira de Criptoeconomia. A ABCB, presidida pelo ex-CADE, Fernando Furlan, acusa os bancos de cercearem a concorrência ao não aceiterem a atuaçaõ de corretoras de bitcoins e recorreu ao CADE. "Não entendemos que era a hora de ir ao órgão antitruste e preferimos uma outra estratégia", disse o presidente da Abcripto.

O posicionamento bastante cauteloso do Banco Central - que não reconhece as bitcoins - é considerado normal, uma vez que as Autoridades Monetárias têm de defender o interesse do consumidor. "Bitcoin e blockchain são tecnologias disruptivas. No BC, há muitos conhecedores e há uma análise concreta dos seus impactos", reforça Luiz Calado. No mundo hoje, há os países 'amigos' do bitcoin, onde já regulamentação, como a Estônia e o Japão, e os que criminalizaram as bitcoins, como Equador, Bolívia, Argélia e Nepal.


Cloud Computing
Vertiv: Edge computing impõe um novo jogo no negócio de data center

"A arquitetura de rede vai mudar com edge computing e com o 5G. Os mini data centers são o novo grande negócio e vai mudar o perfil dos players", diz o diretor geral da Vertiv no Brasil, Rafael Garrido. A eficiência energética é o grande desafio que se impõe ao mercado daqui pra frente.

TOTVS desiste de hardware e vende unidade da Bematech para a Elgin

Venda das impressoras de cupom fiscal, principal ativo da Bematech, ficou em R$ 25 milhões e foi feita para a Elgin. Em 2015, a TOTVS investiu R$ 550 milhões na companhia apostando nas vendas combinadas. Os ativos de software foram mantidos pela TOTVS.

SAP e Apple: privacidade dos dados é uma das questões mais importantes do século

"O telefone que você tem no agora no seu bolso tem mais dados sobre você do que em sua casa inteira — se alguém invadir a casa vai saber uma fração do que seu smartphone sabe", advertiu Tim Cook, presidente da Apple. SAP reconstruiu aplicativos móveis para integração total com os dispositivos da Apple.

Guinada digital faz bancos mudarem a maneira de comprar TICs

As instituições financeiras cada vez mais investem no modelo de serviços e no desenvolvimento de aplicações para os clientes, diz o diretor de Tecnologia da Febraban, Gustavo Fosse. Mobile banking vira canal preferido do correntista e chega a dois dígitos na movimentação financeira.

Bancos investiram R$ 19,6 bi em TI. Software e Serviços responderam por R$ 10,1 bi

Segmento financeiro segue sendo o maior comprador de TI no Brasil, ao lado do governo federal. Hoje, de cada 10 transações, com ou sem movimentação financeira, seis são feitas por meios digitais. nuvem, big data, analytics e IA são estrelas.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G