Home - Convergência Digital

'Jogo de cintura' não é balela. É sobrevivência

Convergência Digital - Carreira
Convergência Digital* - 02/08/2018

O mercado de trabalho tem exigido cada vez mais dos profissionais. Com a crise e grandes volumes de demissão, realizar sozinho tarefas que antes eram feitas por três, quatro pessoas, tornou-se mais frequente do que se imagina. Lidar com as constantes mudanças estruturais ou de organograma faz parte do cotidiano de praticamente todas as empresas atualmente. Nesse sentido, é preciso muita flexibilidade para enfrentar as vulnerabilidades constantes. O popular “jogo de cintura” está sendo mais necessário do que nunca, observa Fernanda Andrade, Gerente de Hunting e Outplacement da NVH - Human Intelligence.

A especialista sustenta que, inicialmente, os profissionais tendem a resistir às mudanças, relutá-las. Alguns tentam até minimizá-las, tentando negá-las ao máximo. O ser humano tende a querer se manter em sua zona de conforto. "Fazer o que já sabe e tem domínio, é muito mais fácil e cômodo do que se aventurar por caminhos desconhecidos. Mas chega um momento que não dá mais. Por mais que tentemos postergar, as situações se desenham de tal forma que não há mais como não encará-las de frente", reforça.

É nesse momento que é preciso se despir de algumas crenças pré-estabelecidas e estar aberto às novas possibilidades, adverte Fernanda Andrade. Segundo ela, como em todos os processos de mudança, o profissional terá de passar pela chamada curva de aprendizagem, onde precisará aprender coisas novas, como se tornar líder ou mesmo assumir uma outra área de negócio, diferente da que estava acostumado. Essa flexibilidade irá exigir também uma boa dose de paciência. A perfeição requer treino e, todos que assumem uma nova função terão que desenvolver algumas competências técnicas e comportamentais diferentes.

Mas a especialista em outplacement ressalta: toda flexibilidade exige limite. Um profissional precisa ter uma meta, um plano de carreira bem claro. Ele precisa ter um plano de carreira estabelecido e o que pretende fazer para chegar lá. A flexibilidade pode ser interpretada como pequenas alterações de rota nesse caminho, mas elas não podem desviar o profissional de seu foco principal. Quando faz uma mudança muito brusca de carreira, voltar à área de origem pode ser mais difícil. Mas, se a alteração de rota já era desejada, a mudança pode ser muito positiva e até renovadora.

Mas ser inflexível também tem seu preço. Profissionais que se mantém totalmente rígidos em seus propósitos, sem abrir qualquer tipo de exceção, pode perder muitas oportunidades. As empresas valorizam muito a flexibilidade e, tendem a reconhecer quem fez algum esforço para ajudar a companhia em um momento de necessidade. Algumas concessões devem ser negociadas dentro de uma proposta de mudança.




Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

07/12/2018
Harvard oferece cursos gratuitos para ciência de dados, ciência da computação e programação

05/12/2018
IBM lidera força-tarefa para capacitar jovens do ensino médio em TICs no Brasil

04/12/2018
Teles e TI têm parecer favorável para R$ 1 bilhão ao Sistema S das TICs

28/11/2018
Profissionais multiskills ficam raros e caros no Rio de Janeiro

26/11/2018
Empresas canadenses abrem vagas para profissionais de TI

23/11/2018
Saiba as reclamações mais comuns dos talentos de TI

13/11/2018
Para geração Z brasileira, tecnologia vai tornar ambiente de trabalho mais justo

12/11/2018
Sistema de ensino falha na formação de profissionais de TI

30/10/2018
Brasil despenca 12 posições em ranking mundial de proficiência em inglês

23/10/2018
Empresa de TI oferece capacitação gratuita em desenvolvimento de software

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Como a expatriação fortalece empresa e funcionários?

Por MarcosSantos*

O processo, que consiste em enviar profissionais para trabalhar na unidade da mesma empresa em outro país, promove uma troca de conhecimento entre a equipe da unidade estrangeira e novo colaborador, uma experiência enriquecedora de ampliação de  expertises e de uma nova atmosfera de trabalho.

Destaques
Destaques

América Latina é um celeiro de talentos para o Open Source

"Temos recursos surpreendentemente bons", diz Paulo Bonucci, General Manager da Red Hat na América Latina. Sobre a compra pela IBM, o executivo diz que a Red Hat se uniu com quem tem o DNA para atender o mercado corporativo.

Brasil despenca 12 posições em ranking mundial de proficiência em inglês

País passou ocupar a 53ª posição - estava em 41º - em ranking com 88 países, e que avalia o nível de proficiência no idioma de aproximadamente 1,3 milhão de pessoas. Desempenho da América Latina piorou.

STF derruba TST e reafirma terceirização irrestrita

Plenário da Corte entendeu que é lícita a terceirização tanto para a atividade-meio como para a atividade-fim, mesmo nas operadoras de telecomunicações.

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site