INOVAÇÃO

No TCU, robô que cata-erros mira em economia de R$ 500 milhões por ano

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/08/2018 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União tem uma ferramenta notória na administração pública federal, a robô Alice, que faz varredura diária nos editais e licitações e busca de brechas para contratos ruins ou irregularidades nas compras públicas. Mas passou a adotar também um sistema de inteligência artificial para caçar erros internamente também, especialmente em decisões e acórdãos. Os casos foram apresentados em seminário promovido pelo Tribunal Superior Eleitoral sobre o uso da IA na administração pública.

“Tudo nasce a partir de um problema. Uma inspeção em 2016 identificou números nada interessantes, superiores a 1,6 mil Acórdãos com necessidade de correção de erros materiais. No mesmo período em que também houve aumento de erros material de 57% para 67% dos casos em processos de tomadas de contas especiais, que são mais da metade dos processos abertos pelo TCU e que usam 40% da força de trabalho”, explicou o Rodrigo Felisdório, da secretaria de soluções de tecnologia da Corte de Contas.

São erros de nome, de CPF ou CNPJ, ou várias outras informações, que demandam repetições de trabalhos, causando perda de tempo e impactos na própria eficácia das decisões do TCU. “A ideia é identificar erros mesmo antes da prolação do Acórdão. O sistema usa deep learning com processamento de linguagem natural, extrai e cruza com as mais de 80 bases de dados da administração publica à disposição do tribunal. Desde outubro [de 2017] foram analisados mais de 3 mil Acórdãos, com média de um erro a cada 105 decisões.”

“Temos 110 milhões de casos. Supondo que cada um tenha apenas uma sentença, é muito mais que isso mas vamos considerar um para efeito de estimativa, e se tivermos a mesma média de um erro para 105 sentenças, seriam mais de 1 milhão de erros. Se corrigir cada erro custar, digamos, R$ 500, teríamos por baixo uma possível economia de meio bilhão de reais com uma tecnologia pontual, simples, mas que traz uma série de benefícios. São horas e recursos humanos que podem ser utilizados em atividades muito mais nobres”, defendeu Felisdório.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Fintechs incubadas pelo BC já encontram negócios no sistema financeiro

Projetos selecionados pelo Laboratório de Inovações Financeiras e Tecnológicas já estão em uso em instituições como Bradesco e há negociações com outras instituições.

FICO leva IA e machine learning para além da indústria financeira

Verticais como varejo, manufatura e telecomunicações já são usuárias da solução,revela o vice-presidente e diretor-geral da FICO para América Latina e Caribe, Alexandre Graff.

Seguradora HDI trabalha legado para pavimentar transformação digital

Seguradora instituiu um plano de jornada, com quatro anos de duração, para se adaptar à uma nova era digital, afirma a CIO da HDI, Denise Ciavatta.

Brasil fica longe da Inovação e acumula mais de 225 mil pedidos de patentes

Estudo produzido pela Associação Brasileira de Propriedade Intelectual (ABPI) adverte que o País só despenca no ranking global de inovação e, neste momento, ocupa a última posição. Governo e empresas privadas investem pouco e não assumem os riscos inerentes à Inovação.

Ministério da Economia quer privatizar o financiamento à inovação

Além das empresas estatais de TICs como Serpro, Dataprev, Telebras e Ceitec, lista da secretaria de desestatizações , comandada por Salim Mattar, inclui a Finep, agência de fomento do MCTIC, e o próprio BNDES.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G