INOVAÇÃO

No TCU, robô que cata-erros mira em economia de R$ 500 milhões por ano

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/08/2018 ... Convergência Digital

O Tribunal de Contas da União tem uma ferramenta notória na administração pública federal, a robô Alice, que faz varredura diária nos editais e licitações e busca de brechas para contratos ruins ou irregularidades nas compras públicas. Mas passou a adotar também um sistema de inteligência artificial para caçar erros internamente também, especialmente em decisões e acórdãos. Os casos foram apresentados em seminário promovido pelo Tribunal Superior Eleitoral sobre o uso da IA na administração pública.

“Tudo nasce a partir de um problema. Uma inspeção em 2016 identificou números nada interessantes, superiores a 1,6 mil Acórdãos com necessidade de correção de erros materiais. No mesmo período em que também houve aumento de erros material de 57% para 67% dos casos em processos de tomadas de contas especiais, que são mais da metade dos processos abertos pelo TCU e que usam 40% da força de trabalho”, explicou o Rodrigo Felisdório, da secretaria de soluções de tecnologia da Corte de Contas.

São erros de nome, de CPF ou CNPJ, ou várias outras informações, que demandam repetições de trabalhos, causando perda de tempo e impactos na própria eficácia das decisões do TCU. “A ideia é identificar erros mesmo antes da prolação do Acórdão. O sistema usa deep learning com processamento de linguagem natural, extrai e cruza com as mais de 80 bases de dados da administração publica à disposição do tribunal. Desde outubro [de 2017] foram analisados mais de 3 mil Acórdãos, com média de um erro a cada 105 decisões.”

“Temos 110 milhões de casos. Supondo que cada um tenha apenas uma sentença, é muito mais que isso mas vamos considerar um para efeito de estimativa, e se tivermos a mesma média de um erro para 105 sentenças, seriam mais de 1 milhão de erros. Se corrigir cada erro custar, digamos, R$ 500, teríamos por baixo uma possível economia de meio bilhão de reais com uma tecnologia pontual, simples, mas que traz uma série de benefícios. São horas e recursos humanos que podem ser utilizados em atividades muito mais nobres”, defendeu Felisdório.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Adarsh Kumar, Capgemini: open banking é transformador, mas dados pertencem aos clientes

O open banking vai mudar o modelo de serviços bancários, afirma o CTO e líder de cibersegurança para a América Latina da Capgemini.

Bradesco: Next não vai 'matar' o banco tradicional

O diretor-presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Junior, garante que os dois modelos de negócio irão conviver, mas admite que as agências físicas vão mudar de perfil. Também revela que o Next mira um público mais jovem.

Brasileiro quer dar adeus às senhas com o uso maior da biometria

Sonho de consumo, revelado em estudo da IDEMIA, é de usar biometria para pagamentos online e para acessar ambientes dentro da própria casa. Brasil desponta em primeiro lugar no uso da biometria pela impressão digital, mas despenca posiçoes no uso do reconhecimento facial.

Com novo aporte de US$ 150 milhões, Loggi é o mais novo unicórnio brasileiro

Startup voltada para entregas expressas atingiu valor de US$ 1 bilhão com nova rodada de investimentos. Empresa afirma que vai montar uma equipe com mais de 1000 desenvolvedores para ser referência mundial em Inovação.

Vivo reduz em 36% suas emissões de CO2

Desde outubro de 2018, 100% do consumo de energia da Vivo passou a ser proveniente de fontes renováveis, a partir da contratação de energia incentivada com atributo renovável no mercado livre.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G