INCLUSÃO DIGITAL

Governo diz ao TCU que só Telebras tem satélite de banda larga nacional

Luís Osvaldo Grossmann ... 07/08/2018 ... Convergência Digital

O Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações apresentou ao Tribunal de Contas da União recurso contra a liminar que suspendeu o contrato firmado com a Telebras, de R$ 663 milhões, para a conectividade de pontos remotos com banda larga via satélite. E argumentou que ao atender a queixa das teles privadas, o TCU não atentou para as exigências técnicas do novo programa Gesac, que deixariam apenas a estatal em condições de oferecer cobertura e velocidades exigidas.
 
O tribunal de contas aceitou a reclamação das operadoras de que a Telebras não poderia ser contratada por inexigibilidade de licitação pois as empresas poderiam oferecer o serviço. E alegaram que o novo contrato do Gesac é uma continuação do que já vinha sendo prestado pela iniciativa privada. Mas como explica o diretor do departamento de inclusão digital do MCTIC, Américo Bernardes, tal argumentação carece de sustentação técnica diante da inexistência de satélites em banda Ka, portanto capazes de fornecer conexões de pelo menos 10 Mbps, para além da faixa leste do país. 

“Com exceção da Telebras, a oferta de banda Ka é restrita ao litoral. Só que 80% dos pontos que precisamos cobrir estão no interior do Nordeste, na Amazônia e no Centro-Oeste. Além disso, seria preciso reunir todos os transponders de banda Ku existentes no país, inclusive os que atendem 18 milhões de clientes de TV por assinatura por DTH, para chegar perto da banda necessária. E mesmo assim, a velocidade na melhor das hipóteses seria de 4 Mbps. E não os 10 Mbps do contrato”, afirma Bernardes, responsável pelo programa Gesac.

Esse programa nasceu há uma década e meia para levar conexões a áreas remotas, como escolas rurais, aldeias, comunidades quilombolas, por meio de um contrato em que até aqui prevaleceram conexões em banda Ku e o compromisso de atender 6.898 pontos espalhados pelo país com conexões de até 1 Mbps. Foi sempre prestado por um consórcio entre Embratel e Oi, no qual depois ingressou a Telefônica. Com o lançamento do satélite nacional, gerido pela Telebras, com tecnologia mais nova, o programa foi reestruturado em tamanho e capacidade.

Vale lembrar que quando lançou o satélite, a Telebras abriu uma chamada pública para terceirizar a capacidade em banda Ka à iniciativa privada, tendo como um dos compromissos o atendimento das metas de inclusão digital dos programas governamentais. O leilão restou deserto. Segundo Américo Bernardes, da mesma forma o MCTIC apresentou ao mercado o termo de referencia do novo Gesac. Nenhuma das operadoras se interessou.

Ao conceder a liminar o TCU centrou em dois pontos: a contratação em lote único nacional, que já seria um limite à concorrência, e a exigência de banda Ka. Só que o Gesac sempre foi prestado por lote nacional. E que quando foi incluído lote regional, em 2014, só teve um fornecedor interessado. No caso da banda Ka, a sustentação da liminar é curiosa. Ao mesmo tempo que reclama que o governo deveria “exigir somente as características do serviço demandado pelo Poder Público, como a qualidade da conexão e sua velocidade”, admite que, em banda Ku, “as taxas de transmissão das redes ofertadas comercialmente no mercado variam de 256 Kbps à 2 Mbps”.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Provedores devem apontar PTTs que grandes operadoras terão que conectar

Anatel quer estabelecer os critérios para definir quais os pontos de troca de tráfego deverão constar das ofertas de referencia das teles com Poder de Mercado Significativo.

Governo diz ao TCU que só Telebras tem satélite de banda larga nacional

MCTIC diz à Corte de Contas que operadoras privadas não têm condições técnicas de atender ao programa Gesac com cobertura e velocidades exigidas.

Proibir o uso do celular pelos jovens é estratégia ineficaz e sem futuro

"Proibindo por proibir não estamos ensinando nada", advertiu a psicóloga Evelise Galvão de Carvalho, ao participar do Workshop Impactos da Exposição de Crianças e Adolescentes na Internet, promovido pelo CGI.br e pelo NIC.br.

Facebook abandona projeto de drones para conectar áreas remotas

Empresa anunciou que vai desativar a unidade que construiu o Aquila, o veículo não tripulado do tamanho de um Boeing 737 que prometia irradiar internet. Rival Google ficou sozinha com o projeto Loon, de balões para a Internet.

TV Digital: Sobras de recursos devem comprar mais conversores

Estimativas são de que haverá disponível cerca de R$ 600 milhões dos R$ 3,6 bilhões que o leilão da faixa de 700 MHz destinou à TV Digital, suficiente para comprar cerca de 3 milhões de novos kits.

Juiz de Fora, MG, é número 1 na oferta de serviços digitais em ranking das teles

Operadoras expandiram o ranking das cidades amigas da banda larga para avaliar também as que oferecem serviços digitais aos cidadãos.No ranking das cidades amigas da Banda Larga, Uberlândia se mantém com a liderança. Brasília e São Paulo estão nos últimos lugares.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G