GOVERNO » Legislação

Saúde pede veto à Lei de Dados Pessoais por restrições à coleta sobre crianças

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

Há uma semana do prazo para a sanção da lei de proteção de dados pessoais, pelo menos 11 ministérios encaminham posicionamentos para a Presidência da República. E no clima pró-vetos que emana da Esplanada, até o Ministério da Saúde foi buscar argumentos contra o texto aprovado por unanimidade nas duas Casas do Congresso Nacional.

O parecer da consultoria jurídica do Ministério da Saúde alega que o texto inviabiliza a coleta de dados, especialmente de crianças, o que seria prejuízo às atividades do Sistema Único de Saúde. “O artigo 14 pode impedir o tratamento de crianças e adolescentes no caso da saúde, se não houver consentimento. Logo, ele deve ser vetado, pois inviabiliza o tratamento de informações.”

O artigo 14 abre o capítulo que trata especificamente do tratamento de dados pessoais de crianças e adolescentes. E embora o texto já preveja nas diretrizes gerais que dados relacionados à saúde merecem tratamento especial e deverão ser objeto de regulação específica, o MS critica particularmente o parágrafo terceiro desse artigo:

“Poderão ser coletados dados pessoais de crianças sem o consentimento a que se refere o § 1o deste artigo quando a coleta for necessária para contatar os pais ou responsável legal, utilizados uma única vez e sem armazenamento, ou para sua proteção, e em nenhum caso poderão ser repassados a terceiros sem o consentimento de que trata o § 1o deste artigo”. O parágrafo primeiro referido é o que exige consentimento específico.

Diante desse posicionamento do Ministério, 34 entidades, como Instituto Alana, Netchics, OAB e várias ligadas à Coalizão Direitos na Rede apresentaram um manifesto lembrando a Saúde que os dados de crianças exigem cuidados especiais, mas que a lei já prevê exceções que abordam as preocupações da pasta.

“Gostaríamos de salientar que esta é uma proposta principiológica e generalista. Parte do princípio que alguns setores precisarão de regulamentação específica, como é o caso da Saúde. O próprio artigo 14 estabelece que os dados de crianças podem ser coletados em seu melhor interesse e mesmo sem consentimento para sua proteção, o que inclui a tutela da saúde.”

O relator do  texto na Câmara, Orlando Silva (PCdoB-SP), chamou atenção para o fato de a Lei ter sido construída com ampla participação e que o resultado é fruto de um acordo multissetorial construído em meio ao ambiente adverso ao diálogo político. Ao defender a sanção integral do texto, destacou que o presidente Michel Temer não pode ignorar que o texto passou por unanimidade tanto na Câmara como no Senado.

“Nesse ambiente que o Brasil vive de radicalização, de polarização política, um projeto ser aprovado por unanimidade na Câmara e no Senado é algo muito raro. Precisamos que o presidente Temer sancione sem vetos. Há um rumor muito forte de que haverá dezenas de vetos. Onze ministérios foram ouvidos. Se todos os vetos propostos forem acatados, vamos inviabilizar a Lei. Sobretudo naquele que cria a autoridade nacional de proteção de dados. Se houver esse veto, não vamos ter eficácia da Lei. O presidente Temer, que conhece o Congresso, conhece a realidade política, não pode desprezar a construção que foi feita pelo Parlamento”, afirmou o deputado.


Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

Subprocurador-geral, Lucas Rocha Furtado, diz que as terceirizações são uma forma de driblar a obrigatoriedade de concurso público, previsto na Constituição. Também alega que as terceirizações estão sendo feitas para 'satisfação de interesses pessoais', mediante direcionamento na indicação de profissionais.

MCTIC vai cruzar dados com a Receita em novo formulário da Lei do Bem

Segundo a diretoria de apoio à inovação da pasta, foco do novo FORMP&D é a segurança. “Ideia é assegurar que quem está prestando os registros são os representantes dessas empresas”, diz a diretora Adriana Martin.

Serpro e Dataprev unificam mais de 22 milhões de contas de brasileiros

Usuários, agora, terão um único login para acessar a plataforma gov.br e as mais de 80 soluções disponíveis de governo digital, entre elas, INSS e ComprasNet. Acesso ao portal poderá ser feito por CPF, senha e certificado digital A3, que serve para pessoas físicas e jurídicas.

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G