GOVERNO » Legislação

Saúde pede veto à Lei de Dados Pessoais por restrições à coleta sobre crianças

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

Há uma semana do prazo para a sanção da lei de proteção de dados pessoais, pelo menos 11 ministérios encaminham posicionamentos para a Presidência da República. E no clima pró-vetos que emana da Esplanada, até o Ministério da Saúde foi buscar argumentos contra o texto aprovado por unanimidade nas duas Casas do Congresso Nacional.

O parecer da consultoria jurídica do Ministério da Saúde alega que o texto inviabiliza a coleta de dados, especialmente de crianças, o que seria prejuízo às atividades do Sistema Único de Saúde. “O artigo 14 pode impedir o tratamento de crianças e adolescentes no caso da saúde, se não houver consentimento. Logo, ele deve ser vetado, pois inviabiliza o tratamento de informações.”

O artigo 14 abre o capítulo que trata especificamente do tratamento de dados pessoais de crianças e adolescentes. E embora o texto já preveja nas diretrizes gerais que dados relacionados à saúde merecem tratamento especial e deverão ser objeto de regulação específica, o MS critica particularmente o parágrafo terceiro desse artigo:

“Poderão ser coletados dados pessoais de crianças sem o consentimento a que se refere o § 1o deste artigo quando a coleta for necessária para contatar os pais ou responsável legal, utilizados uma única vez e sem armazenamento, ou para sua proteção, e em nenhum caso poderão ser repassados a terceiros sem o consentimento de que trata o § 1o deste artigo”. O parágrafo primeiro referido é o que exige consentimento específico.

Diante desse posicionamento do Ministério, 34 entidades, como Instituto Alana, Netchics, OAB e várias ligadas à Coalizão Direitos na Rede apresentaram um manifesto lembrando a Saúde que os dados de crianças exigem cuidados especiais, mas que a lei já prevê exceções que abordam as preocupações da pasta.

“Gostaríamos de salientar que esta é uma proposta principiológica e generalista. Parte do princípio que alguns setores precisarão de regulamentação específica, como é o caso da Saúde. O próprio artigo 14 estabelece que os dados de crianças podem ser coletados em seu melhor interesse e mesmo sem consentimento para sua proteção, o que inclui a tutela da saúde.”

O relator do  texto na Câmara, Orlando Silva (PCdoB-SP), chamou atenção para o fato de a Lei ter sido construída com ampla participação e que o resultado é fruto de um acordo multissetorial construído em meio ao ambiente adverso ao diálogo político. Ao defender a sanção integral do texto, destacou que o presidente Michel Temer não pode ignorar que o texto passou por unanimidade tanto na Câmara como no Senado.

“Nesse ambiente que o Brasil vive de radicalização, de polarização política, um projeto ser aprovado por unanimidade na Câmara e no Senado é algo muito raro. Precisamos que o presidente Temer sancione sem vetos. Há um rumor muito forte de que haverá dezenas de vetos. Onze ministérios foram ouvidos. Se todos os vetos propostos forem acatados, vamos inviabilizar a Lei. Sobretudo naquele que cria a autoridade nacional de proteção de dados. Se houver esse veto, não vamos ter eficácia da Lei. O presidente Temer, que conhece o Congresso, conhece a realidade política, não pode desprezar a construção que foi feita pelo Parlamento”, afirmou o deputado.


eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G