GOVERNO » Legislação

Saúde pede veto à Lei de Dados Pessoais por restrições à coleta sobre crianças

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

Há uma semana do prazo para a sanção da lei de proteção de dados pessoais, pelo menos 11 ministérios encaminham posicionamentos para a Presidência da República. E no clima pró-vetos que emana da Esplanada, até o Ministério da Saúde foi buscar argumentos contra o texto aprovado por unanimidade nas duas Casas do Congresso Nacional.

O parecer da consultoria jurídica do Ministério da Saúde alega que o texto inviabiliza a coleta de dados, especialmente de crianças, o que seria prejuízo às atividades do Sistema Único de Saúde. “O artigo 14 pode impedir o tratamento de crianças e adolescentes no caso da saúde, se não houver consentimento. Logo, ele deve ser vetado, pois inviabiliza o tratamento de informações.”

O artigo 14 abre o capítulo que trata especificamente do tratamento de dados pessoais de crianças e adolescentes. E embora o texto já preveja nas diretrizes gerais que dados relacionados à saúde merecem tratamento especial e deverão ser objeto de regulação específica, o MS critica particularmente o parágrafo terceiro desse artigo:

“Poderão ser coletados dados pessoais de crianças sem o consentimento a que se refere o § 1o deste artigo quando a coleta for necessária para contatar os pais ou responsável legal, utilizados uma única vez e sem armazenamento, ou para sua proteção, e em nenhum caso poderão ser repassados a terceiros sem o consentimento de que trata o § 1o deste artigo”. O parágrafo primeiro referido é o que exige consentimento específico.

Diante desse posicionamento do Ministério, 34 entidades, como Instituto Alana, Netchics, OAB e várias ligadas à Coalizão Direitos na Rede apresentaram um manifesto lembrando a Saúde que os dados de crianças exigem cuidados especiais, mas que a lei já prevê exceções que abordam as preocupações da pasta.

“Gostaríamos de salientar que esta é uma proposta principiológica e generalista. Parte do princípio que alguns setores precisarão de regulamentação específica, como é o caso da Saúde. O próprio artigo 14 estabelece que os dados de crianças podem ser coletados em seu melhor interesse e mesmo sem consentimento para sua proteção, o que inclui a tutela da saúde.”

O relator do  texto na Câmara, Orlando Silva (PCdoB-SP), chamou atenção para o fato de a Lei ter sido construída com ampla participação e que o resultado é fruto de um acordo multissetorial construído em meio ao ambiente adverso ao diálogo político. Ao defender a sanção integral do texto, destacou que o presidente Michel Temer não pode ignorar que o texto passou por unanimidade tanto na Câmara como no Senado.

“Nesse ambiente que o Brasil vive de radicalização, de polarização política, um projeto ser aprovado por unanimidade na Câmara e no Senado é algo muito raro. Precisamos que o presidente Temer sancione sem vetos. Há um rumor muito forte de que haverá dezenas de vetos. Onze ministérios foram ouvidos. Se todos os vetos propostos forem acatados, vamos inviabilizar a Lei. Sobretudo naquele que cria a autoridade nacional de proteção de dados. Se houver esse veto, não vamos ter eficácia da Lei. O presidente Temer, que conhece o Congresso, conhece a realidade política, não pode desprezar a construção que foi feita pelo Parlamento”, afirmou o deputado.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Operações com criptomoedas terão que ser informadas à Receita

Nova instrução normativa da Receita exige informações quando as operações com ‘criptoativos’ ultrapassarem os R$ 30 mil mensais. No valor  de mercado desta terça-feira, 07/05, um bitcoin vale US$ 5.940,00, ou R$ 23.760. Ou seja, brasileiro com 2 bitcoins terá de prestar contas com o Fisco.

Reforma Tributária só acontece se for 'fatiada' com governo à frente

A afirmação é do presidente da Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária do Congresso Nacional, deputado Luis Miranda, do DEM/DF. "Não dá para crer que governo federal, estados e municípios façam a reforma unificada", diz.

Serpro e Dataprev terão de se reinventar para a economia digital

O secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, admite que um desafio a ser enfrentado para a transformação digital do governo federal é a interoperabilidade dos bancos de dados. "Há muitos que não se conversam", afirmou.

Falta de dinheiro exige exercício de criatividade na economia digital

Para o secretário de empreendedorismo e inovação do MCTIC, Paulo Alvim, a retomada da competitividade no Brasil passa por um ecossistema sólido unindo governo, iniciativa privada e academia.

eSocial: Governo adia para outubro emissão do recolhimento das PMEs

Receita Federal publicou nova instrução normativa nesta segunda, 22/4, com novo prazo para que empresas de micro e pequeno porte emitam a DCTFWeb.



  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G