INTERNET

Dados não podem ficar concentrados nas mãos de poucos atores globais

Por Roberta Prescott* ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

A ética dos dados se tornou um dos temas mais importantes da era contemporânea. Atualmente, falar de privacidade e gestão dos dados pessoais deixou de ser acerca de individualidades e passou a ser estratégico do ponto de vista de tecnologia e do que nós esperamos do nosso sistema económico.

O tema foi abordado por Ricardo Abramovay, professor do Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo (IEE-USP), durante palestra no IX Seminário de Proteção à Privacidade e os Dados Pessoais, realizado nesta semana em semana pelo CGI.br e NIC.br. “Falar de dados pessoais envolve falar de inteligência artificial e esta é a razão pela qual a privacidade e a proteção a dados pessoais são assuntos que vão além da nossa individualidade e que ganharam uma dimensão coletiva nova que nos colocam diante de desafios inéditos sob ângulo político, econômico e social”, ressaltou.

Na opinião de Abramovay, estão em jogo dois valores fundamentais: o da livre concorrência e a democracia. “Não queremos, como cidadãos, uma sociedade que suprima livre concorrência. A maneira como dados têm sido gerados e tratados tem sido obstáculo à livre concorrência”, destacou.

A explicação é que as barreiras de entrada à formação de novos negócios foram reduzidas na era digital e hoje os dados encontram-se muito concentrados. “O poder de quem tem o comando sobre os dados de dar as regras da concorrência cresceu a tal ponto que se tornou uma ameaça à própria economia de mercado. Temos um problema sério de concentração de dados, que está contribuindo para inibir o empreendedorismo, se tornando uma barreira de entrada e bloqueando a inovação.”

Com relação à democracia, Abramovay avaliou que é necessário que os indivíduos tenham controle aos seus dados e que seja avaliado o impacto na vida cívica de como os dados são coletados, geridos, tratados e devolvido à sociedade. “A privacidade se tornou um problema de natureza pública que vai além dos direitos individuais. Novos direitos e desafios emergem”, disse, ressaltando que a dignidade humana tem de ser tratada como valor fundamental e essencial.

Uma das críticas é com relação aos limites do uso de inteligência artificial para reconhecimento facial. “Temos de ter cuidado com as cidades inteligentes. Claro que queremos que as cidades sejam conectadas, mas queremos cidadãos inteligentes e não sociedade de vigilância.”

Abramovay afirmou que a internet tem de ser protegida e aberta e que os dados devem circular e não ficar concentrados em poucos atores globais. “A ética é a disciplina que estuda a finalidade da atividade humana, por que estamos fazendo algo, para que queremos dados e inteligência artificial e com qual finalidade”, questionou.  Para ele, o principal é fomentar a discussão sobre propósitos da coleta de dados. “Não queremos uma sociedade de vigilância, queremos uma cidade segura, ter informações sobre transporte e saúde, mas que a capacidade de perfilhamento não nos prejudique.”  

A ética dos dados é uma das bases que a ciência dos dados vai funcionar e ela vai exigir que capacidade de demonstrar por que a coleta dos dados útil e quais são os riscos de eles serem manejados.  


Empresa americana, dona do Bolsomito 2k18, comunica à Justiça o fim da venda do game

O game tinha o então candidato à presidência, Jair Bolsonaro. O personagem ganhava pontos ao espancar e matar mulheres, negros, parlamentares e integrantes de movimentos sociais e da comunidade LGBT.

Dados Pessoais: Google recebe punição máxima de 50 milhões de euros na França

A Regulação de Proteção Geral de Dados (GDPR), em vigor desde maio do ano passado na União Europeia, vira pesadelo para as companhias de Internet.

Anatel impõe ofertas obrigatórias de conexão em apenas seis PTTs

Pontos de troca de tráfego escolhidos são os de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza, Curitiba e Brasília. A decisão afeta Oi, Telefônica, Claro, TIM e Algar.

Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G