GOVERNO » Legislação

Crimes na Web: Câmara torna invasão de dispositivo mais grave que de domicílio

Luís Osvaldo Grossmann ... 08/08/2018 ... Convergência Digital

A coceira legiferante sobre a internet ganhou mais um motivo de destaque nesta quarta-feira, 8/8, com a aprovação de um substitutivo pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara que torna o crime de invasão de dispositivo informático mais grave do que uma invasão de domicílio. Ou seja, um crime cometido no mundo virtual é mais sério do que se o mesmo delito acontecer no mundo físico, real.

Pois é essa a proposta do substitutivo aprovado pela CCJ ao projeto de lei 3357/15. O texto original da proposição, de autoria do deputado Vicentinho Junior (PSB-TO), tratava somente de criminalizar a prática conhecida como ‘deface’, ou seja, a modificação não autorizada do conteúdo de sítios na internet. E estabelecia para tanto a mesma pena da invasão de dispositivo informático, detenção de três meses a um ano.

Mas o relator na CCJ, Thiago Peixoto (PSD-GO), decidiu inovar na severidade. E imputou tanto à invasão de dispositivo como ao ‘deface’ a pena de reclusão de dois a seis anos. Não é pouca coisa. Caso vá adiante essa proposição, torna a invasão de computador mais grave do que invasão de domicílio, cuja pena é detenção de um a três meses, e mesmo se houver uso de violência, quando a pena passa para detenção de seis meses a dois anos.

Segundo sustentou Peixoto, “a pena atualmente prevista na legislação não está em consonância com a gravidade do crime”, e que “não  atende  ao  princípio  da proporcionalidade penal”. No entanto, o que ele considera proporcional torna a invasão informática mais séria do que vários outros crimes listados no Código Penal, como fraude, receptação, pirataria, invasão de sepultura, falsidade ideológica ou sonegação.


eSocial: deixar para novembro pode ser um erro fatal das empresas do Simples Nacional

Em entrevista ao Convergência Digital, o coordenador do eSocial, José Maia, advertiu: "Não deixem para a última hora. Aproveitem a transição".

Órgãos públicos do Executivo estão proibidos de exigir CPF e CNPJ

Medida impõe o compartilhamento de dados sem nenhuma regra de cuidado com as informações. Portaria proíbe a exigência ainda de certidões de débitos tributários e dívida ativa e certidão de quitação eleitoral.

Serpro repudia acusação de venda de dados pessoais

Estatal diz nunca ter repassado conteúdo ao site 'Consulta Pública', 'congelado' por uma ação do MPF do Distrito Federal. Sustenta ainda que não vende 'secretamente' dados de pessoas naturais ou jurídicas.

Apps de e-gov não pedem consentimento e coletam mais dados do que precisam

Segundo estudo do InternetLab com aplicativos federais e de São Paulo, nenhum dos aplicativos pede consentimento expresso e metade não possui qualquer política de privacidade.

Anac autoriza Secretaria de Patrimônio da União usar drones para fiscalização

Licitação para a compra de equipamentos pelo governo deverá acontecer a partir do final de maio. Drones vão ser usados para fiscalizar uso irregular de áreas de praia, margens de rios, terrenos de marinha e espelhos d'água, dentre outros bens públicos de propriedade da União.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G