NEGÓCIOS

Blockchain impede a exclusão de qualquer dado transacionado na rede

Por Roberta Prescott* ... 10/08/2018 ... Convergência Digital

O blockchain deve ser regulado? Como ficam as questões da conformidade de blockchain com o direito ao esquecimento e com as leis de proteção de dados, como a GDPR aprovada pela União Europeia e a do Brasil, cujo texto aguarda sanção presidencial? Para as empresas e entidades públicas e privadas, em quais situações e para atender a quais soluções faz sentido implantar blockchain? Essas questões tiveram no centro das discussões do seminário "Blockchain: seu uso na gestão pública, na governança digital, no desenvolvimento econômico, como nova economia digital, suas aplicações, vantagens e riscos", que ocorreu, nesta quinta-feira 9/8, em São Paulo.   

O seminário foi realizado pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, da Câmara dos Deputados, a pedido dos deputados Vitor Lippi (PSDB/SP) e Otavio Leite (PSDB/RJ), com objetivo de debater as aplicações e entender o impacto da tecnologia. "Tudo está mudando rapidamente e é um desafio para o País entender quais são as regras que serão aplicadas. Estamos falando em trabalhar em rede; e isto vai ser uma transformação profunda. O blockchain é uma ferramenta estratégica para que transformações possam acontecer. Então, estamos ouvindo até para saber se tem de regular", afirmou Lippi.

O parlamentar paulista sugeriu a criação de um grupo de trabalho para aprofundar os conhecimentos em blockchain, ideia acatada pelo deputado Otávio Leite. "Temos que mergulhar nesse assunto. É obrigação ouvir todos os atores econômicos já usuários do blockchain. Se não enfrentarmos o assunto, vamos sobrar e este encontro se presta a isso: queremos ouvir para saber se é necessário legislar", acrescentou.

Os especialistas presentes ao seminário fizeram questão de distinguir a tecnologia e o conceito de blockchain dos ativos (ou moedas) criptográficas, como forma de mostrar que o blockchain não exige regulamentação neste momento. Boa parte deles foi cético quanto ao uso indiscriminado de blockchain.

Apesar de existirem amplas possibilidades de aplicações, blockchain não é solução para todos os projetos, nem deve ser foco de todas as empresas, conforme ressaltou o professor do Instituto de Ensino e Pesquisa do Insper e da FGV-EAESP, Adrian Kemmer Cernev. "No Brasil, temos o péssimo hábito de regular sem ter a demanda, mas, assim, a demanda morre, porque ninguém vai investir em um mercado altamente regulado", adicionou o presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), Luiz Augusto Ferreira.

A relação entre blockchain e sua conformidade com as recentes leis de privacidade e de proteção de dados mobilizou o debate. Isto porque no blockchain não se pode apagar nem mudar o passado. Tudo que foi registrado ficar armazenado de forma imutável. Diante desta condição, como fica o direito ao esquecimento? "Não se pode mudar o passado, mas se pode colocar uma nova camada", explicou a advogada especializada em direito digital, Patrícia Peck Pinheiro. A especialista adicionou que no blockchain, as camadas novas (ledgers) podem ser adicionadas, mas as informações existentes na rede não podem ser modificadas ou excluídas, característica, aliás, que confere confiabilidade e garante sua trilha de autoria.


Cloud Computing
B.blend usa Einstein Analytics, da Salesforce, para incrementar vendas

Criadora da primeira máquina de bebidas em cápsula all.in.one do mundo, empresa, que é uma joint-venture da Whirpool com a Ambev, aumentou o volume de cápsulsa vendidas por SMS e e-mail em até 170%.

#apoieojornalismoespecializado é prorrogada até 31 de julho

Campanha foi estendida como agradecimento aos apoiadores: ABERT, ABES, Abinee, Abranet, Abratel, Abrint, ABTA, Algar, Assespro, Associação Neo,Brasscom, Brisanet, Cisco, Claro, Commscope, CPQD, Embratel Claro, Ericsson, F5, Feninfra, Fitec, Futurecom 2020, Highline, Huawei, Infobip, Intel, Kryptus, Mercado Livre, mobi2buy, PadTec,
Positivo Tecnologia, NIC.br, Oi, RNP, SAS, SindiTelebrasil, Stefanini,
Surf Telecom, Sky, Take, TelComp, TIM ,  Vero Internet, Viasat, Vivo e WDC Networks. 
A #apoieojornalismoespecializado une os veiculos - Convergência Digital, Mobile Time, Tele.Síntese, Teletime e TI Inside. Participe. Venha fazer parte do time que apoia o jornalismo especializado.

Stone que ir além das 'máquininhas', mas demite 1.300 para enfrentar crise do Covid-19

Empresa de meio de pagamentos quer investir em serviços financeiros e em ferramentas de vendas online. Em abril, a companhia, em parceria com o Grupo Globo, lançou a TON, voltada para trabalhadores autonômos.

Covid-19 fez produção da indústria eletroeletrônica recuar 9,1% em março

Abinee adverte que no mês de abril haverá uma nova queda, provavelmente ainda mais aguda, por conta das medidas de isolamento social.

#apoieojornalismoespecializado

Ação inédita une o Convergência Digital, o Mobile Time, o Tele.síntese, o Teletime e a TI Inside para uma campanha integrada para chamar a atenção para a relevância e o papel do jornalismo especializado setorial. O movimento é para financiar os esforços jornalísticos durante esse período de pandemia de Covid-19. Saiba quais são as empresas que já aderiram à nossa iniciativa e estão ajudando o jornalismo especializado.



  • Copyright © 2005-2020 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G