INTERNET

Facebook adota sistema que mede credibilidade dos usuários

Convergência Digital ... 21/08/2018 ... Convergência Digital

O Facebook começou a adotar um novo sistema para medir a reputação de seus usuários, com base em notas de 0 a 1, como forma de tentar prever a confiabilidade e, assim, identificar que estaria mal intencionado na disseminação de informações.

O sistema, revelou a gerente de produtos da rede social Tessa Lyons ao jornal Washington Post, faz parte da guerra contra ‘fake news’ e busca aprimorar ferramentas do Facebook que até então davam aos usuários a possibilidade de relatar o que entendem como conteúdo problemático.

“Não é incomum que as pessoas nos digam que alguma coisa é falsa simplesmente porque discordam das premissas de uma notícia ou estão intencionalmente tentando atingir alguma publicação em particular”, afirmou a executiva em entrevista.

Segundo ela, a pontuação de 0 a 1 não deve ser tomada como indicador absoluto da credibilidade de uma pessoa. Por isso mesmo, deve ser vista como mais uma ferramenta da rede social dentre milhares de ‘pistas comportamentais’ que são consideradas.

Por exemplo, o Facebook também monitora quais usuários tendem a marcar conteúdos de terceiros como problemáticos e quais as publicações são consideradas confiáveis. Mas não estão claros quais os critérios adotados para a mencionada pontuação, se ela atinge a todos ou mesmo de que forma a nova pontuação é efetivamente utilizada.

Em 2015, o Facebook adotou a ferramenta de permitir que usuários indiquem postagens que acreditam ser falsas, com a disposição de alarmes específicos para pornografia, violência, comércio ilegal, discurso de ódio e as chamadas ‘fake news’.

Como reconhece a gerente do FB, rapidamente ficou evidenciado que muita gente usava esses alarmes falsamente. Postagens marcadas passaram a ser encaminhadas para análise de terceiros. A partir daí começou a ser construído na prática o sistema que avalia a credibilidade dos usuários.

“Um dos sinais que usamos é como as pessoas interagem com artigos. Por exemplo, se alguém anteriormente indicou que um artigo era falso e isso foi confirmado pela equipe de checagem, futuras indicações dessa mesma pessoa devem pesar mais do que de alguém que indiscriminadamente faz alertas falsos em muitos artigos, inclusive aqueles depois confirmados como verdade”, disse Lyons ao Washington Post.


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G