NEGÓCIOS

Criptomoedas vão rivalizar com as 'máquininhas' como meio de pagamento

Ana Paula Lobo ... 27/08/2018 ... Convergência Digital

A Bitblue.com, fintech do Grupo B&T, especializado em corretagem de câmbio, vai massificar a aquisição de criptomoedas no Brasil. O plano é ter 200 corretoras de câmbios vendendo o ativo até dezembro, numa campanha distribuída em todo o Brasil. O sistema de negociação é feito a partir de tecnologia 100% desenvolvida internamente. "As pessoas precisam comprar criptomoeda com a confiança que compram dólar, Euro. É isso que vamos trabalhar. No mundo, apenas 1,5% da população conhece a criptomoeda. No Brasil, esse desconhecimento é muito grande", afirma o CEO da empresa, Edisio Pereira Neto, em entrevista ao Convergência Digital.

Neto não gosta de chamar a criptomoeda de bitcoin. "Bitcoin é a primeira delas e vão vir muitas outras", detalha. Visionário, o executivo acredita que, em um prazo de três a cinco anos, a criptomoeda será um meio de pagamento e vai dar 'muita dor de cabeça' para os atores desse mercado. "Como hoje as maquininhas deram dor de cabeça aos bancos, a criptomoeda dará em cinco anos", aposta.

Neste momento, o grande salto da criptomoeda será uma 'facada' nos bancos tradicionais. Para Edisio Pereira Neto, as remessas internacionais - sempre muito confusa e complexas para os valores menores nos bancos - serão feitas por criptomoedas. "A operação é segura e muito mais rápida. Os bancos vão sofrer com esse segmento. Hoje uma operação pode durar 2,3, até 15 dias. Com a criptomoeda será em tempo real", ressalta.

Aliás esse é um dos motivadores do grupo B&T, para investir na Bitblue.com. Uma das ações para reforçar a transação é o acordo, já selado, com quatro corretoras internacionais. "Isso nos dá um custo de criptomoeda quase 20% abaixo do que as corretoras existentes negociam (referindo-se às concorrentes Mercado Bitcoin e a foxbit). A aposta nas remessa internacionais também é corroborada pelo fato de duas das principais instituições da área, MoneyGram e Western Union, terem aderido às criptomoedas.

Com relação à regulamentação pelo Banco Central, Edisio Pereira Neto diz que há uma confusão entre regulamentação e legalização. "A criptomoeda é legal. Ela é um ativo mundial negociado no Japão, na Estônia e em vários outros países. Seria muito bom o BC regulamentar a criptomoeda porque é preciso evitar que se criem bolhas desnecessárias", reforça o executivo. Ainda sobre credibilidade - uma vez que há muito temor com relação às criptomoedas - Neto lembra que o conceito é muito semelhante ao WhatsApp, que virou a OTT de mensagem da população mundial.

"No WhatsApp as mensagens são criptografadas e há confiança. Aliás, tenho convicção que Google, Facebook e WhatsApp caminham para os negócios com criptomoedas. Eles vão entrar nesse negócio e vão encarar os tradicionais atores do segmento financeiro", ressalta. Os planos da Bitblue.com são audaciosos. As primeiras 200 lojas de venda serão corretoras de câmbio, mas o plano é abrir para não corretoras e para as lojas de varejo. A sede da empresa é em Recife- onde está toda a parte de tecnologia - mas já há escritórios em São Paulo, Rio de Janeiro e Miami.


Com a transformação digital, bancos assumem o desafio de reter o cliente

Líderes dos principais bancos do País destacam IoT, computação cognitiva e blockchain como fundamentais para o futuro do setor.

Consultoria brasileira Yaman firma parceria com a Tricentis por transformação digital e DevOps

Acordo entre as empresas permtiirá acelerar a fase de testes de software com uso de robôs.

Em 10 anos, faturamento e empregos em TI no Brasil crescem mais de 70%

Como mostra um raio-X feito pela Softex, TI avança quatro vezes mais rápido que o PIB e pode agregar mais US$ 70 bilhões à riqueza nacional com o desenvolvimento de competências digitais.

Hi Platform comprou a SamChat e movimenta mercado de chatbots no Brasil

Com uma carteira de 900 clientes, empresa passa a contar no portfólio com companhias como Marabraz, Brascol, entre outras. O valor da transação não foi revelado. Hi Platform espera um faturamento de R$ 47 milhões em 2019.


3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018 - Cobertura Especial Convergência Digital
Brasscom lança manifesto para construir um Brasil Digital e Conectado

Entidade quer a colaboração da sociedade e de entidades de TI ou não para entregar um documento aos presidenciáveis. "Tecnologia precisa ser prioridade nacional", diz o presidente-executivo da Brasscom, Sergio Paulo Gallindo.


Veja a cobertura da 3º Seminário Brasscom de Políticas Públicas & Negócios 2018

  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G