INCLUSÃO DIGITAL

Provedores devem apontar PTTs que grandes operadoras terão que conectar

Luís Osvaldo Grossmann ... 06/09/2018 ... Convergência Digital

A Anatel vai receber, até 14/9, indicações de quais são os pontos de troca de tráfego que as grandes operadoras, indicadas pela agência como detentoras de Poder de Mercado Significativo, terão que obrigatoriamente conectar em suas ofertas de referência no atacado.

A medida está prevista na nova versão do Plano Geral de Metas de Competição, mas aquele documento prevê que “somente estarão disponíveis nos PTTs estabelecidos pela Anatel”. Daí que a atual “coleta de informações” tenha como objetivo a definição dos critérios técnicos de quais serão esses pontos de troca.

Para tanto, a agência já aponta alguns dos critérios que entende devem ser considerados. Entre eles, ter pelo menos 50 sistemas autônomos presentes; trocar no mínimo 10 Gbps de tráfego por mês; e fazer peering (sem ônus) com pelo menos três provedores de conteúdo de grande porte, como Google, Facebook, Microsoft, Globo, Mercado Livre, UOL, Yahoo, Blogspot, Wikipedia ou Netflix.

Além disso, os PTTs devem adotar TCP/IP em dual-stack IPv4/v6 (preferencial), IPv4 ou IPv6; ter protocolo de Roteamento BGP com suporte a Número de Sistema Autônomo (ASN) público; além de suporte a IPv4, IPv6 ou os dois simultaneamente (para conexões dual-stack).

Além disso, os PTTs devem ter alternativa de troca de tráfego multilateral, com possibilidade de acesso remoto e disponibilidade de infraestrutura no próprio PTT ou descentralizada para conexão remota, desde que possibilite a troca de tráfego dos participantes com todo o ecossistema do PTT.

Finalmente, sugere a Anatel que o responsável pela gestão do ponto de troca de tráfego não possua outorga de serviços de telecomunicações de interesse coletivo. A minuta com os critérios sugeridos pela agência pode ser conferida neste link.

As contribuições deverão ser enviadas até o dia 14 de setembro para o endereço de correio eletrônico GIESB@anatel.gov.br.


TICs em Foco - TRANSFORMAÇÃO DIGITAL
Prever. Prevenir. Detectar e Responder

Essas são a exigência da remodelagem da gestão de riscos e da segurança organizacional nas corporações.

Parceira da Telebras amplia WiFi via satélite no México para áreas urbanas

Dois anos depois de começar a explorar banda larga satelital em áreas remotas do país, como promete fazer no Brasil, a empresa americana Viasat anuncia conexões de 100 Mbps e preços para competir com internet fixa.

CPFL: É preciso predisposição para se ter um consenso no uso dos postes

"Não é fácil, mas é preciso existir um alinhamento. Estão todos do mesmo lado", diz o diretor da CPFL, André Luiz Gomes.

Swap de fibras é mandatório para levar banda larga em regiões desassistidas

Compartilhamento de infraestrutura é essencial para reduzir custos e definir modelos de negócios nas cidades onde as teles não investiram, observa o CEO da UmTelecom, Rui Gomes.

Brasil precisa quebrar barreiras para ter um governo único digital

"O cidadão é o mesmo no município, no Estado e no governo federal. Tem de existir um atendimento único. Não pode ter briga com as Prods. Esse é o nosso desafio", afirma o diretor de Operações do Serpro, Iran Porto.

Telebras considera preços defendidos pelo TCU como 'sugestão', não como 'obrigação'

Presidente da estatal, Jarbas Valente, espera concluir negociações com a Viasat antes do prazo de 90 dias determinado pelo Tribunal.

TCU libera GESAC, mas exige mudanças no contrato entre Telebras e Viasat

Tribunal de Contas reconheceu como válida a inexigibilidade de licitação pela Telebras. Também entendeu como legal o acordo firmado com a Viasat, mas exigiu uma renegociação de condições financeiras mais favoráveis.



  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G