Convergência Digital - Home

Dados pessoais: Empresas admitem a venda. Consumidores reagem às violações

Convergência Digital
Convergência Digital* - 11/09/2018

Quase metade (48%) dos executivos entrevistados para o relatório  Global State of Digital Trust Survey and Index 2018, encomendado pela CA Technologies e realizado pela Frost & Sullivan,que analisou as opiniões de consumidores, profissionais de cibersegurança e executivos sobre confiança digital, afirma que suas organizações estiveram envolvidas em violações de dados e 43% dos líderes de negócios admitem que vendem informações pessoalmente identificáveis (PII na sigla em inglês).

Ainda conforme o estudo, apenas 15% dos profissionais de cibersegurança pesquisados estavam cientes da venda de dados pessoalmente identificáveis, enquanto 90% das organizações afirmaram que oferecem forte proteção dos dados dos consumidores. Contudo, foi observada uma diferença de 14% entre o Índice de Confiança Digital dos consumidores (61%) e a percepção dos executivos e profissionais de cibersegurança (75%) nesta confiança, demonstrando visões incompatíveis da realidade.

"A nova Lei Geral de Proteção de Dados do Brasil reforça a importância de melhorar a cibersegurança e impulsiona as empresas a se preocuparem e adaptarem às novas normas, principalmente porque os usuários estão mais exigentes em relação à proteção de suas informações pessoais e confidenciais e querem se associar a produtos e serviços alinhados com seus valores", comenta Julio Carvalho, Diretor de Cibersegurança para América Latina na CA Technologies.

Quase metade dos consumidores (48%) relata ter abandonado os serviços de uma organização envolvida em uma violação de dados divulgada publicamente. De acordo com Carvalho, no mundo digital, os consumidores esperam que uma boa experiência do usuário seja acompanhada por segurança e privacidade. "A confiança é passageira se as organizações não adotarem o processo para evitar que os dados dos consumidores caiam em mãos erradas. O sucesso na economia digital exige a adoção de uma mentalidade de segurança em primeiro lugar e a perda de confiança digital impacta diretamente todos os aspectos de um negócio e na percepção da marca'", conclui.

As respostas da pesquisa mostraram que o Índice de Confiança Digital global de 2018 é de 61 pontos, considerando o total de 100 pontos. Esse índice mede a confiança dos consumidores pesquisados na capacidade ou no desejo das organizações de proteger totalmente os dados dos usuários. O índice foi calculado com base em diferentes sistemas que medem os principais fatores relacionados à confiança digital, incluindo o nível de inclinação dos consumidores para compartilhar dados pessoais com as organizações e o nível de proteção de dados garantida pelas organizações.

Este relatório é publicado em um momento crítico, pois os consumidores realizam cada vez mais transações online – seja para trabalho, lazer ou diversão – proporcionando às organizações o acesso a grandes quantidades de dados, desde perfis de consumidores e informações pessoais a hábitos e comportamento dos usuários. Com esse crescente armazenamento de dados, também vem uma responsabilidade maior de protegê-los contra o abuso de fontes internas e externas.

Para Jarad Carleton, Diretor de Cibersegurança da Frost & Sullivan, o mundo vive uma encruzilhada na era da informação. "O que a pesquisa constatou é que certamente existe um preço a pagar quando se trata de manter a privacidade das pessoas, não importa se você é um consumidor ou gerente de uma empresa que lida com dados de clientes. O respeito pela privacidade do consumidor deve ser um pilar ético para qualquer companhia que coleta dados de usuários", completa o analista.

A pesquisa global online com 990 consumidores, 336 profissionais de segurança e 324 executivos de 10 países foi patrocinada pela CA Technologies e realizada pela Frost & Sullivan em março e abril de 2018. Os entrevistados da pesquisa exercem posições de alta gerência e TI em empresas públicas e privadas que operam em nove setores da indústria. Para visualizar os detalhes completos da metodologia da pesquisa, consulte o relatório Global State of Digital Trust Survey and Index 2018 (Pesquisa sobre o estado global e o índice de confiança digital de 2018).

Facebook Twitter Google+ LinkedIn Email Addthis


Bradesco, Dataprev e Equinix são destaque em datacenter no Brasil
Organizações foram as vitoriosas da edição 2017 do DCD Awards da América Latina. Conheça os destaques da região no segmento de datacenters.

Destaques
Destaques

Vivo já têm seis data centers virtualizados no Brasil

"Todo núcleo de voz já está virtualizado, como o de dados também", informa o diretor de planejamento e de redes da Vivo, Átila Branco.

Google mantém Brasil fora da estratégia de data center na América Latina

Companhia está investindo US$ 140 milhões para triplicar o tamanho do data center no Chile, com a geração de 1200 empregos diretos e indiretos. No Brasil, o regime especial para datacenters não sai do papel, como todas as ações de políticas públicas para TICs.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Dos ambientes offline à estratégia MultiCloud

Por Fabio Gordon*

É preciso reconhecer a necessidade de mudança, entender que o seu data center de 20 anos não vai mais suportar os negócios digitais. É imprescindível fazer um diagnóstico do seu ambiente de TI e começar a mudar. E rápido, porque é provável que os seus competidores já estejam fazendo isso.

Nuvem é o agora e o futuro da competitividade

Por Artur Hansen*

Em cloud, todo investimento é hermético, organizado de acordo com as justas necessidades de cada empresa.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site