TELECOM

GSMA: Parceria em conteúdo é melhor para teles que produção própria

Luís Osvaldo Grossmann ... 12/09/2018 ... Convergência Digital

As operadoras de telecomunicações costumam repetir que não querem ser somente um ‘tubo burro’, senha para defender investimentos na oferta de conteúdos como forma de competir com as apelidadas OTTs, como Netflix, Amazon, etc. Mas o novo estudo da GSMA toca nesse nervo para sustentar que essa não é exatamente uma estratégia brilhante. Melhor apostar em parcerias e licenciamentos do que tentar mergulhar no universo da produção própria.

“Conteúdo é caro”, ressalta o novo relatório sobre ‘Tendências Móveis Globais’, divulgado pela Associação. A Netflix gastou US$ 6,3 bilhões em programação original em 2017, não ficando muito atrás da Time Warner (US$ 8 bilhões), da Fox (US$ 8 bilhões) e da Disney (US$ 7,8 bilhões)”, lista o documento, chamando a atenção para o peso desses investimentos.

Como destaca, ainda tomando o exemplo da Netflix, o estudo lembra que a empresa continua sendo a grande influência para o consumo de conteúdo via streaming online, e que esse tipo de serviço segue mordendo nacos da televisão tradicional. Mas faz um alerta às teles móveis: os custos envolvidos são gigantescos.

“Para a maioria das operadoras, essa tendência significa que fazer parcerias ou licenciamento de conteúdo representa um panorama mais realista do que adquirir ou criar conteúdo em um mercado dispendioso”, sustenta expressamente o relatório da GSMA.

O documento lista quanto investiram no ano de 2017 as maiores empresas de mídia dos Estados Unidos – além das cifras já mencionadas, vale lembrar os US$ 10,2 bilhões aportados pela NBC Universal, os US$ 5,4 bilhões da Viacom, US$ 4,5 bilhões da Amazon ou US$ 2,5 bilhões da Hulu.

O que a GSMA não menciona é que enquanto as receitas globais das operadoras móveis bateram em US$ 1 trilhão no ano passado, as maiores empresas mundiais de produção de conteúdo juntas não alcançaram receitas maiores do que US$ 190 bilhões.


Painel Telebrasil 2019
A 63ª edição do principal encontro institucional de lideranças do setor de telecomunicações e TICs acontecerá entre os dias 21 e 23 de maio de 2019, em Brasília. Saiba mais em paineltelebrasil.org.br
Veja o vídeo

Teles fazem cadastramento para atualizar dados de clientes do celular pré-pago

O recadastramento dos usuários junto às operadoras começará nesta quinta-feira, 18/04, pelo DDD 62, alcançando progressivamente todo o País até agosto. Quem não fizer o recadastramento terá a sua linha bloqueada enquanto o cadastro não for atualizado.

Oi faz piloto de internet das coisas rural em 450 MHz

Rede integrada de sensores e dispositivos conecta uma das fazendas da trading Amaggi, em Mato Grosso. Segundo a Oi, faixa de 450 MHz "é fundamental para IoT no campo".

Para a Anatel, prêmio de acessibilidade inaugura regulação por incentivos

“Queremos mudar a ótica, promover competição por qualidade e uma ferramenta são os rankings. Agora acessibilidade, mas teremos no ano que vem de qualidade e atendimento”, diz o presidente da agência, Leonardo de Morais. A TIM foi a primeira colocada em ações de acessibilidade.

Por 5G, Anatel quer triplicar a capacidade de espectro existente

Proposta de nova regulamentação de radioenlaces eleva de 26 GHz para 66 GHz a capacidade disponível. Contribuições serão aceitas por 60 dias. Modelo previsto pela agência prevê novas faixas entre 30 GHz e 170 GHz.




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G