Convergência Digital - Home

Vivo já têm seis data centers virtualizados no Brasil

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 13/09/2018

A Vivo já tem seis data centers virtualizados, inclusive, em São Paulo. "Todo o núcleo de voz e também o de dados já foi virtualizado", confirmou o diretor de planejamento e de redes da Vivo, Átila Branco, em evento realizado nesta quinta-feira, 13/09, em São Paulo. A virtualização permite a descentralização do data center e reduz a latência na transmissão de dados. A iniciativa integra a Única, projeto global da Telefônica. O valor do investimento não foi revelado. A Ericsson é a responsável pela virtualização dos data centers.

A Vivo também, em parceria com a Ericsson, quer adicionar mais portadoras a suas redes LTE (4G) até o final do ano, a partir do uso da frequência não licenciada e usada pelas redes Wi-fi. A tecnologia usada é a acesso licenciado assistido (LAA), que em maio, teve a primeira rede comercial ativada na Rússia, na cidade de Ufa. De acordo com a Ericsson, foi possível oferecer velocidades na casa do Gigabit em LTE por meio da tecnologia, que consiste na combinação de espectro inteligente, utilizando frequências não licenciadas em conjunto com as licenciadas.

O desafio, hoje, é ter celulares compatíveis com a LAA. Apenas os celulares mais caros e com processadores da Qualcomm têm essa capacidade, mas as velocidades com as frequências combinadas podem chegar a 300 Mbps. O risco de interferência, afirma a Vivo, é facilmente mitigado.

"Sabemos que o Wi-Fi está sobrecarregado, mas com engenharia de rede é possível adicionar mais espectro ao 4G e melhorar a capacidade do serviço", adicionou Átila Branco. O executivo, no entanto, não revelou o número de portadoras que serão agregadas a partir do uso da frequência não licenciada com a frequência licenciada, nem o valor investido na iniciativa.


LEIA TAMBÉM:
PowerEdge MX - Conteúdo Patrocinado Dell EMC - Convergência Digital
Dell: fornecedor tem o papel de habilitar a transformação digital

A nova linha de servidores precisa ser a base do equilíbrio entre as aplicações do futuro e o legado das empresas para assegurar escala e preservar o investimento, observa o vice-Presidente Sênior e Gerente Geral da Dell EMC Brasil, Luis Gonçalves.


Destaques
Destaques

Ericsson: 60% dos projetos de big data analytics ainda falham

Para Paulo Zambroni Junior, head de soluções e serviços da Ericsson, este é um número médio. "Estima-se que em alguns setores o índice de projetos que fracassam ou não atingem o potencial previsto chegue a 85%", diz.

Arquitetura cloud faz 5G facilitar a entrega de serviços aos clientes

Intel revela que há pilotos já acontecendo com 5G no Brasil.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Data Centers: agora é hora de ver acontecer

Por Gilberto Gonzaga*

O que recentemente era apenas uma tendência já pode ser observado na prática. A expectativa, agora, é que esses movimentos se consolidem cada vez mais e nos levem a uma nova era de conectividade, da qual a América Latina não ficará de fora.

Dados são os dividendos dos tempos atuais

Por Wilson Grava*

Cada vez mais, precisamos ser capazes de analisar e reagir rapidamente aos dados criados. Os últimos dois anos foram responsáveis pela geração de 90% dos dados existentes no mundo.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site