Convergência Digital - Home

Vivo já têm seis data centers virtualizados no Brasil

Convergência Digital
Ana Paula Lobo - 13/09/2018

A Vivo já tem seis data centers virtualizados, inclusive, em São Paulo. "Todo o núcleo de voz e também o de dados já foi virtualizado", confirmou o diretor de planejamento e de redes da Vivo, Átila Branco, em evento realizado nesta quinta-feira, 13/09, em São Paulo. A virtualização permite a descentralização do data center e reduz a latência na transmissão de dados. A iniciativa integra a Única, projeto global da Telefônica. O valor do investimento não foi revelado. A Ericsson é a responsável pela virtualização dos data centers.

A Vivo também, em parceria com a Ericsson, quer adicionar mais portadoras a suas redes LTE (4G) até o final do ano, a partir do uso da frequência não licenciada e usada pelas redes Wi-fi. A tecnologia usada é a acesso licenciado assistido (LAA), que em maio, teve a primeira rede comercial ativada na Rússia, na cidade de Ufa. De acordo com a Ericsson, foi possível oferecer velocidades na casa do Gigabit em LTE por meio da tecnologia, que consiste na combinação de espectro inteligente, utilizando frequências não licenciadas em conjunto com as licenciadas.

O desafio, hoje, é ter celulares compatíveis com a LAA. Apenas os celulares mais caros e com processadores da Qualcomm têm essa capacidade, mas as velocidades com as frequências combinadas podem chegar a 300 Mbps. O risco de interferência, afirma a Vivo, é facilmente mitigado.

"Sabemos que o Wi-Fi está sobrecarregado, mas com engenharia de rede é possível adicionar mais espectro ao 4G e melhorar a capacidade do serviço", adicionou Átila Branco. O executivo, no entanto, não revelou o número de portadoras que serão agregadas a partir do uso da frequência não licenciada com a frequência licenciada, nem o valor investido na iniciativa.


LEIA TAMBÉM:
PowerEdge MX - Conteúdo Patrocinado Dell EMC - Convergência Digital
Dell: fornecedor tem o papel de habilitar a transformação digital

A nova linha de servidores precisa ser a base do equilíbrio entre as aplicações do futuro e o legado das empresas para assegurar escala e preservar o investimento, observa o vice-Presidente Sênior e Gerente Geral da Dell EMC Brasil, Luis Gonçalves.


Destaques
Destaques

RNP muda para ir ao mercado e oferecer serviços de nuvem

“Muita coisa mudou em 10 anos. As novas definições têm mais a ver com o momento e com o futuro da RNP”, afirma o diretor-geral Nelson Simões. Até agora, a RNP atuava como broker e orquestradora com Google e Microsoft para conteúdo educacional.

Escolha o fornecedor certo. Parece simples, mas não é

Um estudo feito pelo Gartner mostra que até 2020, empresas que não utilizam computação em nuvem serão tão raras quanto as que hoje não utilizam internet. Isso porque a maioria das inovações tecnológicas é centrada em cloud.



Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Intuição versus análise de dados na gestão

Por Douglas Scheibler*

O poder decisório significa alta responsabilidade e inúmeros riscos. Neste cenário caótico, analisar dados é indispensável e é o que justifica uma determinada medida ser considerada como correta, em um cenário específico, em detrimento de outras.

Data Centers: agora é hora de ver acontecer

Por Gilberto Gonzaga*

O que recentemente era apenas uma tendência já pode ser observado na prática. A expectativa, agora, é que esses movimentos se consolidem cada vez mais e nos levem a uma nova era de conectividade, da qual a América Latina não ficará de fora.


Copyright © 2005-2016 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site