TELECOM

Elétricas esperam arrecadar R$ 3,6 bilhões por ano com as teles

Luís Osvaldo Grossmann ... 26/09/2018 ... Convergência Digital

Foi aberta nesta quarta, 26/9, uma consulta pública conjunta da Anatel e da Aneel para colher subsídios a uma nova resolução que enderece o uso dos postes do setor elétrico pelas operadoras de telecomunicações. Nos grandes centros urbanos do país, a desordem é visível nas ruas, uma vez que postes onde caberiam, no máximo, sete pontos de fixação, há até 20 cabos diferentes pendurados.

Além do risco à segurança, a desorganização gera problemas para as elétricas, pois boa parte envolve uso clandestino, e portanto não remunerado, dessas infraestruturas. Segundo a Aneel, atualmente as distribuidoras de energia arrecadam cerca de R$ 1,2 bilhão por ano com o aluguel às teles. Mas a estimativa é de que o uso efetivo dos postes seja três vezes maior. Daí a projeção de que organizar a oferta geraria outros R$ 2,4 bilhões por ano.

Do lado do mercado de telecomunicações, a situação se reflete na falta de espaço a todos os que precisam usar os postes – e na disputa de forças, pior para pequenos provedores de conexão à internet. Esse grupo, por sinal, até teme a revisão da norma e preferia ver atendidas as disposições previstas na Resolução de 2014, que obrigava as teles a custear a organização dos postes, além de prever um valor de referência para os pontos de fixação.

O preço de referencia, então fixado em R$ 3,19, atualmente corrigido para R$ 3,80, tinha como objetivo reduzir a assimetria de tratamento entre as grandes operadoras, que chegavam a pagar meros R$ 0,30, enquanto outras empresas não conseguiam acordos abaixo de R$ 10. Como a regra continuou sendo de livre negociação, mas com o preço de referência aplicado na resolução de conflitos, o número de litígios disparou.

Em 2015, primeiro ano de aplicação da Resolução 4/14, foram 34 pleitos de mediação das agências. Em 2016, o número saltou para 80 processos. Em 2017, foram 140. E neste 2018, somente até agosto já foram 182 pedidos. E embora haja conflitos sobre contrato, prazos e negativas de acesso, os dados indicam que em pelo menos 92% dos casos o conflito é mesmo o preço: ou seja, pedidos para aplicação do valor de referência porque não houve acordo.

A consulta pública Anatel/Aneel não está (ainda) propondo mudanças no valor. Da forma como apresentada, ela pede contribuições sobre quatro possibilidades: manter tudo como está; eliminar o preço de referência e obrigar as elétricas a darem transparência aos contratos; adotar preços públicos homologados pelas agências; ou a fixação de um novo preço de referência, inclusive com valores diferentes a depender da região.


Internet Móvel 3G 4G
MCTIC adianta leilão 5G com visão nacional do uso do espectro

Atuando como ministro em exercício, Júlio Semeghini, confirmou o leilão das frequências 5G para o primeiro semestre de 2020. Também disse que vai ao Congresso Nacional para defender o uso do FUST para viabilizar projetos de cidades inteligentes.

Veja edição 12 da Revista Abranet - Assossiação Brasileira de Internet REVISTA ABRANET . 12
Especial 20 Anos de Internet no Brasil


Há 20 anos os provedores de Internet escrevem suas histórias no País. A trajetória não foi nada fácil. Houve decisões políticas e econômicas significativas. Infraestrutura, modelo de negócios e fidelização de clientes foram relevantes no passado e continuam sendo no presente. Ao longo de duas décadas, os ISPs tiveram de se reinventar diversas vezes para não deixar de existir.

Clique aqui para ver outras edições

Justiça do Distrito Federal condena Sky por desrespeitar pedidos de cancelamento de serviço

Investigações apuraram mais de 2 mil reclamações desde 2015 contra a operadora, que recusou um termo de ajustamento de conduta (TAC). Empresa está proibida de fazer cobranças após o recebimento, por qualquer meio, do pedido de cancelamento do serviço.

Começa a valer cadastro que bloqueia telemarketing das teles

A partir deste 16/7, será possível inscrever números no cadastro ‘Não Me Perturbe’. Promessa da Anatel é que em 30 dias os inscritos não receberão mais chamadas promocionais das operadoras de telecom.

Imposto zero para IoT está na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara

Deputado Federal, Paulo Ganime (Novo/RJ), diz que o projeto de Lei 7656/2017, corrige uma distorção - a cobrança de FISTEL para os dispositivos IoT.

Governo autoriza aumento de capital da Telebras de R$ 1,17 bilhão

Montante é reflexo dos aportes autorizados em 2015, 2016, 2017 e 2018, quando a estatal estava ainda em acerto financeiro do satélite geoestacionário de defesa e comunicações. 




  • Copyright © 2005-2019 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G