INTERNET

Para PGR, não cabe indenização por remoção de conteúdo somente depois da ordem judicial

Luís Osvaldo Grossmann ... 02/10/2018 ... Convergência Digital

A Procuradoria Geral da República sustentou junto ao Supremo Tribunal Federal que provedores de aplicações na internet não podem ser responsabilizados por remoção de conteúdo somente após decisão judicial sobre o assunto. Alinha-se assim ao que defende o Facebook, em recurso contra indenização imposta à rede social por não ter eliminado um perfil falso antes da decisão da Justiça.

“Admitir-se que os provedores de aplicações de internet pudessem ser civilmente responsabilizados por não atenderam a solicitação extrajudicial de exclusão de conteúdos considerados infringentes acabaria, na prática, por transferir àqueles entes privados o poder de decidir as colisões eventualmente surgidas entre os direitos fundamentais de usuários da rede mundial de computadores, poder este que, se mal exercido, poderia ter evidente impacto na liberdade de expressão, abrindo-se espaço à prática de monitoramento e de censura das publicações efetuadas no espaço cibernético”, aponta a PGR Raquel Dodge em manifestação sobre o caso.

Trata-se de uma ação iniciada na Justiça de São Paulo por uma mulher que descobriu um perfil falso em seu nome no Facebook, embora jamais tivesse feito cadastro na rede social. Ao alegar que seu nome e imagem estavam sendo usados para ofensas a terceiros, pediu a exclusão do perfil e uma indenização de R$ 10 mil. A decisão em primeira instância confirmou a remoção do perfil, mas negou a indenização, por entender que o Facebook cumpriu o previsto no Marco Civil da Internet (Lei 12.965/14).

Uma nova decisão ainda no TJSP, no entanto, restaurou a indenização considerando que “condicionar a retirada do perfil falso a ordem judicial específica significaria isentar os provedores de aplicações de toda e qualquer responsabilidade indenizatória, contrariando o sistema protetivo do Código de Defesa do Consumidor e o artigo 5°, inciso XXXII, da Constituição Federal, que trata do dever de indenizar.” Daí o recurso do Facebook ao STF.

A manifestação da PGR afirma, porém, que “optou o legislador pela preponderância, prima facie, da liberdade de expressão e de comunicação, reservando ao Poder Judiciário, por outro lado, diante de conflitos concretos surgidos entre esse direito fundamental e outros valores igualmente essenciais, a solução definitiva do impasse, mediante análise das circunstâncias particulares do caso submetido à apreciação, o que permitirá identificar uma específica relação de prevalência entre os interesses colidentes”.

A PGR considera, assim, que “não se sustentam as conclusões do acórdão recorrido, que apontam para a inconstitucionalidade do art. 19 do Marco Civil da Internet”. E como o processo ganhou caráter de repercussão geral no STF, sugere que para os efeitos do caso específico na tratativa de outros sobre o mesmo assunto seja fixada a tese de que: “Não ofende o art. 5º, X e XXXII, da Constituição Federal o art. 19 da Lei nº 12.965/2014 (Marco Civil da Internet), que condiciona ao descumprimento de prévia e específica ordem judicial de exclusão de conteúdo a caracterização de responsabilidade civil de provedor de aplicações de internet por danos decorrentes de atos ilícitos praticados por terceiros.”


Perícia digital: Disputa judicial exige mais prazo de armazenamento de dados

"Conflitos judiciais levam mais tempo que o exigido das empresas para armazenamento das informações. Com dados, não há anonimato na Internet", observa João Alberto Matos, do Pio Tamassia Advocacia. Fake News e perfis falsos nas redes sociais mobilizam a maior parte das perícias digitais.

MPF investiga Facebook por prestar informação falsa e descumprir ordem judicial

Para o Ministério Público, “a atitude mostra desrespeito aos Poderes da República Federativa do Brasil". Facebook tem 30 dias para dar esclarecimentos.

Brasileiro precisa entender que os dados valem muito dinheiro

Professor Luca Belli, da FGV/RJ, diz que o Brasil tem 210 milhões de produtores de dados e pode ter uma vantagem competitiva em Inteligência Artificial. "Mas a hora é de abrir a caixa preta e entender os critérios usados na tomada de decisão", observa. Sobre a LGPD, o especialista é taxativo: sem Autoridade de Dados, a legislação não 'pega'.

Autoridade de Dados tem de ser independente, técnica e sem controle do Estado

"Não haverá Lei de Proteção de Dados sem a Autoridade, mas não podemos ter essa entidade ligada à Casa Civil, ao Ministério da Justiça ou ao CGI. Ela vai fiscalizar a iniciativa privada e o poder público. Precisa ter independência", adverte Carlos Affonso de Souza, do ITS/Rio de Janeiro.

Brasil soma quase sete mil provedores de Internet

Pesquisa TIC Provedores 2017, feita pelo CGI.br, mostra ainda que os ISPs são os fomentadores da fibra óptica no País. Maior parte dos provedores é pequeno e oferecem até 1000 acessos. Os grandes provedores respondem por 2%, mas atendem a 80% do mercado.

Revista Abranet 26 . nov-dez 2018 / jan 2019
Veja a Revista Abranet nº 26 Estudo da Abranet revela a existência de um universo díspar entre os prestadores, o que impõe desafios à regulamentação mínima necessária para manter o mercado estruturado e o limite aceitável para a sobrevivência das empresas.
Clique aqui para ver outras edições

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet - Abranet

Empresas da Internet pedem mais segurança jurídica

“O Marco Civil da Internet trouxe base sólida para criar parâmetros para se ter lei mínima para a Internet seguir avançando, mas, infelizmente, vemos varias iniciativas tentando modifica-lo", afirmou o presidente da Abranet, Eduardo Parajo.

Acompanhe a Cobertura Especial do II Congresso Brasileiro de Internet

  • Copyright © 2005-2018 Convergência Digital
  • Todos os direitos reservados
  • É proibida a reprodução total ou
    parcial do conteúdo deste site
    sem a autorização dos editores
  • Publique!
  • Convergência Digital
  • Cobertura em vídeo do Convergência Digital
  • Carreira
  • Cloud Computing
  • Internet Móvel 3G 4G