Home - Convergência Digital

TRT autoriza terceirização de atividade-fim da Embratel

Convergência Digital* - 10/10/2018

O Tribunal Regional do Trabalho da 10° Região permitiu que a Empresa Brasileira de Telecomunicações (Embratel) mantivesse contratos de terceirização para atividades fim em todo o Brasil. A empresa também foi absolvida de pagar dano moral coletivo de um milhão de reais e multa de R$ 200 mil. A decisão ocorreu após a empresa recorrer contra sentença anterior que declarou ilegal a terceirização praticada nas atividades de vendas, instalação e assistência técnica de produtos e contratos de TV por assinatura, telefonia e internet.

O relator do caso, desembargador José Leone Cordeiro Leite, votou por dar provimento ao recurso e retirar a condenação imposta à Embratel e afirmou que a terceirização das atividades de venda, instalação e assistência técnica de serviços de telefonia e internet (atividades-fim) da Embratel seria ilícita na esteira da súmula 331 do TST, antes da decisão do STF em que ficou assegurada a terceirização ou qualquer outra forma de divisão do trabalho entre pessoas jurídicas distintas, independentemente do objeto social das empresas envolvidas, mantida a responsabilidade subsidiária da empresa contratante.

"Na inicial, não há alegação precisa ou prova nos autos a respeito de desvirtuamento da terceirização em razão dos empregados das empresas prestadoras de serviço serem subordinados diretamente à tomadora". Por essa razão, o desembargador entendeu que a tese do MPT "está centrada na terceirização ilícita de atividade-fim, que restou superada".

O advogado da Embratel, José Alberto Couto Maciel, da Advocacia Maciel, explica que a decisão que havia condenado a empresa teve embasamento já superado, considerando o julgamento do tema no Supremo Tribunal Federal, com repercussão geral reconhecida. Na ocasião foi decidido ser lícita a terceirização em todas as etapas do processo produtivo, ou seja, tanto na atividade fim como na atividade meio.

Fonte: https://www.conjur.com.br/2018-out-09/trt-10-autoriza-terceirizacao-atividade-fim-embratel

Enviar por e-mail   ...   Versão para impressão:
 

LEIA TAMBÉM:

16/06/2020
STF reafirma legalidade da terceirização irrestrita

03/03/2020
STF reafirma terceirização irrestrita em ação da Contax

03/12/2019
Terceirização: instabilidade geopolítica coloca em risco modelo de negócio

19/09/2019
PGR questiona terceirização no STF contra efeitos no governo

09/07/2019
MP entra com pedido para TCU fiscalizar terceirizações no Governo Federal

02/04/2019
TCU manda Executivo, Congresso e Judiciário adequarem terceirizados à nova CLT

11/03/2019
STF anula decisão do TST e reforça valor legal da terceirização

28/02/2019
TST para de julgar terceirização à espera de Acórdão do STF

20/02/2019
Terceirizado só tem direito a isonomia se houver fraude na terceirização

28/12/2018
Serviços de TI e de Telecom podem ser 100% terceirizados no Governo Federal

SAS Institute oferece 50% de desconto em julho em cursos voltados a análise de dados

Quer aprender a tirar o melhor proveito do seu dado? Aprenda como tirar insights para o seu negócio. Entre os cursos com desconto estão 'descomplicando os dados através de relatórios' e 'entendendo e tirando valor dos dados usando códigos SAS'

Veja mais artigos
Veja mais artigos

Seis dicas para formar uma equipe de trabalho resiliente

or Craig Mackereth*

Formar uma equipe ou força de trabalho resiliente não é tarefa que se execute da noite para o dia. Tampouco é possível tornar uma equipe verdadeiramente resiliente se isso ainda não estiver integrado ao DNA da empresa.

Destaques
Destaques

Teletrabalho: medo de perder emprego cria obrigação de ficar 100% online

Pesquisa do LinkedIn aponta que 68% dos brasileiros têm trabalhado de uma a quatro horas a mais por dia por conta de estarem em home office. Maior parte reclama de ansiedade e estresse. Maioria também reclama da ausência dos colegas de trabalho, mas 43% se sentem mais produtivos com o trabalho remoto.

TST suspende demissões na Dataprev enquanto durar crise da Covid-19

Trabalhadores alegaram que os prazos acordados no fim da greve não terão como ser integralmente cumpridos diante da situação emergencial com a epidemia do coronavírus. 

TST: Teletrabalho tem de respeitar os contratos vigentes

Corte aponta, no entanto, que em situações emergenciais, como a atual crise da Covid-19, a adoção da jornada online temporária prescinde formalização, mas deve respeitar leis trabalhistas. 

Veja mais vídeos
Veja mais vídeos da CDTV

Copyright © 2005-2015 Convergência Digital ... Todos os direitos reservados ... É proibida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste site